Direito Processual Civil I
372 pág.

Direito Processual Civil I


DisciplinaDireito Processual Civil I43.148 materiais749.234 seguidores
Pré-visualização50 páginas
contra	
  duas	
  ou	
  mais	
  companhias	
  
ª\uf0aa\u202f Dois	
  ou	
  mais	
  locatários	
  movendo	
  ação	
  de	
  consignação	
  em	
  pagamento	
  contra	
  o	
  locador	
  
ª\uf0aa\u202f Exemplos	
  do	
  inciso	
  IV,	
  art.	
  46,	
  CPC:	
  
ª\uf0aa\u202f Ação	
  ajuizada	
  pelo	
  locador	
  contra	
  todos	
  os	
  locatários,	
  para	
  retomada	
  de	
  prédio	
  
97	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
Relação	
  Processual	
  no	
  Litisconsórcio	
  
Participação	
  no	
  Processo	
  
ª\uf0aa\u202f Processualmente	
   os	
   li<sconsortes	
   devem	
   ser	
   tratados	
   de	
   forma	
  
independente,	
  cf.	
  art.	
  48,	
  CPC,	
  considerando-­\u2010os	
  como	
  li<gantes	
  dis<ntos	
  
ª\uf0aa\u202f Todo	
  li<sconsorte	
  tem	
  direito	
  de	
  conduzir	
  o	
  processo,	
  dando	
  o	
  andamento	
  
necessário	
  
ª\uf0aa\u202f Esse	
   tratamento	
   dis<nto	
   é	
   reservado	
   para	
   o	
   li<sconsórcio	
   necessário	
  
simples	
   e	
   para	
   o	
   faculta<vo,	
   não	
   servindo	
   para	
   as	
   hipóteses	
   de	
  
li<sconsórcio	
  unitário	
  
ª\uf0aa\u202f A	
  independência	
  entre	
  eles	
  estabelece	
  que:	
  
ª\uf0aa\u202f Há	
  pressupostos	
  processuais	
  dis<ntos	
  entre	
  eles	
  
ª\uf0aa\u202f Se	
  um	
  deles	
  não	
  contestar	
  a	
  ação,	
  será	
  revel	
  
ª\uf0aa\u202f Cada	
  um	
  deve	
  produzir	
  as	
  suas	
  provas	
  
ª\uf0aa\u202f As	
  provas,	
  em	
  princípio,	
  limitam-­\u2010se	
  à	
  sua	
  relação	
  jurídica	
  
ª\uf0aa\u202f A	
  con\ufb01ssão	
  de	
  um	
  não	
  aproveita	
  aos	
  demais	
   98	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
Relação	
  Processual	
  no	
  Litisconsórcio	
  
Participação	
  no	
  Processo	
  
ª\uf0aa\u202f Os	
  princípios	
  que	
  conduzem	
  o	
  li<sconsórcio	
  unitário	
  são:	
  
ª\uf0aa\u202f A	
  con\ufb01ssão	
  só	
  será	
  e\ufb01caz	
  quando	
  feita	
  por	
  todos	
  os	
  li<sconsortes	
  
ª\uf0aa\u202f Não	
  há	
  revelia	
  quando	
  um	
  contestar	
  
ª\uf0aa\u202f A	
   falta	
  de	
  pressuposto	
  processual	
   para	
  um	
   impede	
  a	
   apreciação	
  do	
  mérito	
  pra	
  
todos	
  
ª\uf0aa\u202f Nenhum	
  li<sconsorte	
  pode	
  desis<r	
  sozinho	
  da	
  demanda	
  
ª\uf0aa\u202f O	
  recurso	
  interposto	
  por	
  um	
  aproveita	
  aos	
  demais	
  
ª\uf0aa\u202f Quando	
   os	
   li<sconsortes	
   <verem	
   diferentes	
   procuradores-­\u2010,	
   conta-­\u2010se	
   o	
  
prazo	
  em	
  dobro	
  (191,	
  CPC	
  
99	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
O	
  Juiz	
  
Participação	
  no	
  Processo	
  
ª\uf0aa\u202f O	
  poder	
  jurisdicional	
  é	
  exercido	
  através	
  dos	
  órgãos	
  judiciais,	
  cf.	
  art.	
  92,	
  CF	
  
ª\uf0aa\u202f A	
   realização	
   dessa	
   a<vidade	
   exige	
   vinculação	
   direta	
   ao	
   direito,	
   ou	
   seja,	
  
liberdade	
  para	
  aplicação	
  da	
  lei,	
  dos	
  princípios,	
  etc.	
  
ª\uf0aa\u202f A	
  independência	
  do	
  juiz	
  também	
  é	
  elemento	
  essencial,	
  decorrente	
  do	
  meio	
  de	
  
ingresso	
  na	
  carreira	
  
ª\uf0aa\u202f Com	
  o	
  \ufb01to	
  de	
   atribuir	
   o	
  máximo	
  de	
   independência	
   aos	
  magistrados,	
   no	
   seu	
  
art.	
  95	
  a	
  CF	
  garante	
  uma	
  série	
  de	
  direitos	
  aos	
  juízes,	
  tais	
  como	
  a	
  vitaliciedade,	
  
inamovibilidade,	
  irredu<bilidade	
  de	
  subsídios,	
  etc.	
  
ª\uf0aa\u202f Com	
   a	
   mesma	
   \ufb01nalidade	
   de	
   manter-­\u2010se	
   a	
   independência	
   absoluta	
   do	
  
magistrado,	
  veda-­\u2010se	
  uma	
  série	
  de	
  atos,	
  previstos	
  no	
  parágrafo	
  único	
  do	
  art.	
  95	
  
da	
  CF	
  
ª\uf0aa\u202f Ao	
   judiciário	
   garante-­\u2010se,	
   cf.	
   art.	
   99	
   da	
   CF,	
   autonomia	
   administra<va	
   e	
  
\ufb01nanceira	
   100	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
O	
  Juiz	
  
Participação	
  no	
  Processo	
  
ª\uf0aa\u202f A	
   imparcialidade	
   é	
   nota	
   caracterís<ca	
   da	
   jurisdição,	
   sendo	
   pressuposto	
  
essencial	
  para	
  a	
  legi<midade	
  do	
  seu	
  exercício	
  
ª\uf0aa\u202f Juiz	
   natural,	
   lembre-­\u2010se,	
   é	
   o	
   juiz	
   imparcial	
   e	
   competente	
  para	
   apreciação	
  
do	
  feito	
  
ª\uf0aa\u202f Com	
   a	
   \ufb01nalidade	
   de	
   garan<r	
   a	
   imparcialidade,	
   infracons<tucionalmente	
  
estão	
   previstas	
   regras	
   de	
   impedimento	
   e	
   suspeição,	
   que	
   impedem	
   o	
  
exercício	
   jurisdicional	
   quando	
   puder	
   haver	
   con\ufb02ito	
   com	
   interesses	
  
pessoais	
  do	
  magistrado	
  
ª\uf0aa\u202f Exige-­\u2010se	
   que	
   o	
   magistrado	
   não	
   tenha	
   vínculo	
   algum	
   com	
   a	
   situação	
  
material	
   criada	
   pelo	
   seu	
   julgado	
   ou	
   com	
   as	
   partes	
   que	
   dele	
   sofrerão	
   os	
  
efeitos	
  
101	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
O	
  Juiz	
  
Participação	
  no	
  Processo	
  
ª\uf0aa\u202f Está	
   impedido	
   de	
   jurisdicional	
   o	
   magistrado	
   que	
   incorra	
   em	
   qualquer	
   das	
  
hipóteses	
  previstas	
  nos	
  arts.	
  134	
  e	
  139	
  do	
  CPC	
  
ª\uf0aa\u202f Trata-­\u2010se	
  de	
  previsão	
  em	
  numerus	
  clausus,	
   impedindo	
  o	
  magistrado	
  de	
   julgar	
  
em	
  con\ufb02ito	
  com	
  seus	
  próprios	
  interesses	
  
ª\uf0aa\u202f São	
  cominados	
  de	
  nulidade	
  os	
  atos	
  decisórios	
  pra<cados	
  pelo	
  juiz	
  impedido	
  
ª\uf0aa\u202f As	
  hipóteses	
  de	
   suspeição	
  estão	
  previstas,	
   também	
  em	
  numerus	
   clausus,	
   no	
  
art.	
  135	
  do	
  CPC,	
  gerando,	
  também,	
  nulidade	
  sobre	
  os	
  atos	
  decisórios	
  
ª\uf0aa\u202f As	
   regras	
   previstas	
   nos	
   arts.	
   134	
   a	
   136	
   não	
   são	
   passíveis	
   de	
   interpretação	
  
extensiva	
  ou	
  analógica	
  
ª\uf0aa\u202f Essa	
  previsão	
  rígida	
  das	
  hipóteses	
  de	
  impedimento	
  e	
  suspeição	
  são	
  objeto	
  de	
  
debate	
   doutrinário,	
   pois,	
   por	
   exemplo,	
   a	
   inimizade	
   capital	
   entre	
   o	
   juiz	
   e	
   o	
  
advogado	
   da	
   parte	
   (que	
   não	
   é	
   hipótese	
   de	
   impedimento	
   ou	
   suspeição),	
  
poderia	
  negar	
  à	
  parte	
  o	
  direito	
  fundamental	
  ao	
  juiz	
  natural	
   102	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
O	
  Juiz	
  
Participação	
  no	
  Processo	
  
ª\uf0aa\u202f As	
  regras	
  de	
   impedimento	
  e	
  suspeição	
  aplicam-­\u2010se	
  aos	
   juízes	
  de	
  qualquer	
  
tribunal,	
  cf.	
  art.	
  137,	
  CPC	
  
ª\uf0aa\u202f As	
  regras	
  dos	
  arts.	
  134	
  a	
  136	
  também	
  estendem-­\u2010se	
  aos	
  representantes	
  do	
  
Ministério	
  Público,	
  aos	
  serventuários	
  da	
  jus<ça,	
  aos	
  peritos	
  e	
  intérpretes,	
  
cf.	
  art.	
  138,	
  CPC	
  
Papel	
  aOvo	
  \u2013	
  o	
  juiz	
  tem	
  o	
  dever	
  de	
  conduzir	
  a<vamente	
  o	
  processo,	
  por	
  isso	
  
ele	
   se	
   desenvolve	
   por	
   impulso	
   o\ufb01cial,	
   não	
   obstante	
   o	
   seu	
   início	
   esteja	
  
disponível	
  exclusivamente	
  às	
  partes	
  
	
  
Assegurar	
   igualdade	
   \u2013	
   é	
   papel	
   do	
   juiz	
   assegurar	
   às	
   partes,	
   no	
   processo,	
  
igualdade
Karen
Karen fez um comentário
Este material é atualizado pelo novo CPC?
0 aprovações
Carregar mais