Acao_-_Teoria_e_Procedimentos_(ALUNO)_2012-1
162 pág.

Acao_-_Teoria_e_Procedimentos_(ALUNO)_2012-1


DisciplinaTeoria Geral do Processo13.419 materiais238.520 seguidores
Pré-visualização50 páginas
da Publicação/
Fonte: DJ 14.05.2007 p. 285. RECURSO ESPECIAL. EXCEÇÃO DE IN-
COMPETÊNCIA. ATOS PRATICADOS NO PERÍODO DE SUSPENSÃO. 
NULIDADE.
1. A simples oposição da exceção de incompetência suspende o processo, até o 
julgamento defi nitivo do incidente. 2. Durante o período de suspensão previsto no 
Art. 306 do CPC, é proibida a prática de atos processuais, salvo aqueles urgentes, 
imprescindíveis para a conservação do direito objeto da lide. 3. Antes de realizar 
qualquer ato processual, inclusive audiência de instrução previamente designada, 
o juízo deve decidir a exceção de incompetência. 4. São nulos os atos praticados 
pelo juiz, durante a suspensão do processo por efeito de exceção de incompetência.
AÇÃO: TEORIA E PROCEDIMENTOS
FGV DIREITO RIO 66
STJ, AgRg no AI 7.953, Rel. Min. Barros Monteiro, julgamento em 1991
RECURSO ESPECIAL. ASSERTIVA DE COISA JULGADA. VALORA-
ÇÃO DA PROVA.
1. SE O AUTOR, VENCIDO EM PRIMEIRO GRAU DE JURISDIÇÃO, 
APELOU DA SENTENÇA, PLEITEANDO DE MANEIRA INEQUIVOCA 
A SUA REFORMA, CLARO ESTA QUE BUSCOU POR IGUAL A IMPRO-
CEDENCIA DA RECONVENÇÃO, POR INCINDIVEIS AS QUESTÕES 
ENVOLVIDAS NA AÇÃO E NO PEDIDO RECONVENCIONAL.
2. HIPOTESE EM QUE NÃO SE CUIDA DE VALORAÇÃO DA PRO-
VA (O ERRO DE DIREITO QUANTO AO VALOR DA PROVA ABS-
TRATAMENTE CONSIDERADO), MAS DE REEXAME DE MATERIA 
PROBATORIA, O QUE E DEFESO NA VIA DO APELO EXCEPCIONAL 
(SUMULA N. 7 DO STJ). TEMA CONCERNENTE AO ONUS PROBAN-
DI, ADEMAIS, NÃO PREQUESTIONADO. AGRAVO REGIMENTAL 
IMPROVIDO.
REsp 872.427, Rel. Min. Hélio Quaglia Barbosa, Quarta Turma, julgamen-
to em 12/12/06. RECURSO ESPECIAL. PROCESSO CIVIL. QUESTÃO 
DE ORDEM PÚBLICA. APRECIAÇÃO DE OFÍCIO. POSSIBILIDADE. 
PRECLUSÃO. INOCORRÊNCIA. EFEITO TRANSLATIVO. AÇÃO DE 
BUSCA E APREENSÃO FUNDADA EM ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. 
DECRETO-LEI N.º 911/69. RECONVENÇÃO. CABIMENTO. ECONO-
MIA E CELERIDADE PROCESSUAIS. EFETIVIDADE DA PRESTAÇÃO 
JURISDICIONAL. RECURSO ESPECIAL CONHECIDO EM PARTE E, 
NESTA EXTENSÃO, PROVIDO.
1. Conquanto não tenha havido impugnação específi ca em relação ao alegado 
não cabimento da reconvenção, trata-se de tema referente à possibilidade jurídi-
ca do pedido que, como condição da ação, confi gura questão de ordem pública, 
podendo ser reconhecida de ofício pelo Tribunal de origem. Assim, não incide, 
na espécie, a regra da congruência ou da correlação entre o pedido e a decisão, 
porquanto prescindível a iniciativa da parte. Com efeito, as questões de ordem 
pública transferem-se ao exame do órgão de segundo grau, por força do princípio 
translativo, não havendo falar em julgamento extra petita ou em preclusão. 2. Com 
o advento da Lei 10.931/2004, tornou-se pleno o juízo de cognição da ação de 
busca e apreensão fundada em propriedade fi duciária. De fato, o referido diploma 
legal, em harmonia com o Código de Processo Civil, substituiu a expressão \u201ccon-
testação\u201d por \u201cresposta\u201d no artigo 3º, § 3º, do Decreto-lei n.º 911/69, autorizando, 
por conseguinte, o exercício, pelo réu, de ampla defesa, seja direta ou indireta. Ca-
bíveis, portanto, contestação, exceções e reconvenção na ação de busca e apreensão 
decorrente de contrato de alienação fi duciária. 3. Tendo em vista as modifi cações 
que a ação de busca e apreensão sofreu desde a edição do Decreto-lei n.º 911/69, 
especialmente com o advento da Lei n.º 10.931/2004 e com a evolução do sistema 
AÇÃO: TEORIA E PROCEDIMENTOS
FGV DIREITO RIO 67
do Código de Processo Civil, o cabimento da reconvenção na busca e apreensão 
corrobora a consecução da efetividade da prestação jurisdicional, garantindo a ce-
leridade e a economia processuais, diante da resolução, em um mesmo processo e 
sentença, de todas as questões relativas ao contrato de alienação fi duciária. 4. Re-
curso especial conhecido em parte e, nessa extensão, provido para cassar o acórdão 
recorrido e determinar o prosseguimento da reconvenção.
AgRg no REsp 643.316, Rel. Min. Denise Arruda, Primeira Turma, jul-
gamento em 05/06/07. PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL 
NO RECURSO ESPECIAL. RESPONSABILIDADE CIVIL EXTRACON-
TRATUAL. ACIDENTE DE TRÂNSITO. INDENIZAÇÃO. ALEGADA 
VIOLAÇÃO DOS ARTS. 225, II, E 285, SEGUNDA PARTE, DO CPC. 
NÃO-OCORRÊNCIA. DANOS EMERGENTES E LUCROS CESSANTES 
COMPROVADOS. PRECEDENTES. DESPROVIMENTO.
1. A omissão, no mandado de citação, acerca dos efeitos da revelia, não gera 
nulidade processual nem induz cerceamento de defesa; apenas impede a presun-
ção fi cta conseqüente da revelia (CPC, art. 285). 2. O TRF da 5ª Região não 
decretou, sequer implicitamente, a revelia. Ao contrário, com base nos fatos e 
provas, concluiu que os danos emergentes e os lucros cessantes da agravada fo-
ram devidamente demonstrados.
3. Agravo regimental desprovido.
TJ/RJ \u2014 2007.002.03525 \u2014 AGRAVO DE INSTRUMENTO. DES. 
LINDOLPHO MORAIS MARINHO \u2014 Julgamento: 13/04/2007 \u2014 DE-
CIMA TERCEIRA CAMARA CIVEL. PROCESSUAL CIVIL. DEMAN-
DA VISANDO CONDENAÇÃO DOS ENTES PÚBLICOS MUNICIPAL 
E ESTADUAL A FORNECEREM MEDICAMENTOS. CONTESTAÇÃO 
DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO APRESENTADA EXTEMPORA-
NEAMENTE. DECISÃO QUE CONQUANTO CORRETA NA DECRE-
TAÇÃO DA REVELIA, DETERMINA O DESENTRANHAMENTO DA 
PEÇA DE RESISTÊNCIA. PROVIMENTO LIMINAR DO RECURSO. Se 
o réu não contestar a demanda, reputar-se-ão verdadeiros os fatos afi rmados pelo 
autor. A revelia não induz, contudo, tal efeito se o litígio versar sobre direitos in-
disponíveis (art. 320, II, do Código de Processo Civil). Descabida a decisão que, 
conquanto correta em decretar a revelia, determina o desentranhamento da peça 
de resistência, que poderá servir como mais um elemento de convicção do ma-
gistrado. Recurso liminarmente provido, para, mantida a revelia, determinar a 
reinserção, nos autos principais, da peça de contestação oferecida pelo agravante.
TJ/RJ \u2014 AI 2009.002.17447, Rel. Des. José Carlos de Figueiredo, Décima 
Primeira Câmara Cível, decisão monocrática de 12/05/09. AGRAVO DE INS-
TRUMENTO. AÇÃO DE REVISÃO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA. PATRO-
AÇÃO: TEORIA E PROCEDIMENTOS
FGV DIREITO RIO 68
CÍNIO DA DEFENSORIA PÚBLICA. INDEFERIMENTO DO PEDIDO 
DE DEVOLUÇÃO DE PRAZO E REMESSA AO DEFENSOR TABELAR EM 
RAZÃO DO ELEVADO NÚMERO DE PROCESSOS COM VISTA APÓS O 
TÉRMINO DO MOVIMENTO DE GREVE DOS SERVENTUÁRIOS DA 
JUSTIÇA. PRINCÍPIOS DA AMPLA DEFESA, CONTRADITÓRIO E RA-
ZOABILIDADE. DECRETO DE REVELIA QUE SE AFASTA.
Remessa de um sem-número de feitos ao Defensor Público, após o térmi-
no do movimento grevista dos serventuários da justiça. Viola os princípios do 
devido processo legal, contraditório, ampla defesa e razoabilidade, o decreto de 
revelia da parte ré após ter sido solicitada, pela Defensoria Pública, em razão do 
volume de feitos, a remessa dos autos ao tabelar, com o objetivo de evitar preju-
ízo ao direito processual e material da parte.
QUESTÕES DE CONCURSO
Magistratura estadual RS \u2014 2000
Assinale a assertiva correta.
(A) O revel não pode se manifestar nos autos.
(B) A revelia acarreta a procedência da ação em cujo processo for declarada.
(C) Sempre que o réu não contestar a ação, haverá o efeito da revelia.
(D) Ocorrendo revelia, o autor poderá alterar o pedido.
(E) O revel poderá intervir em qualquer fase do processo.
Tício, inquilino de Caio, propõe contra este ação de procedimento ordi-
nário, visando a se ressarcir de danos pessoais causados, segundo alega, por 
agressão física do locador. Caio não contesta a ação a tempo (a peça não foi 
entregue em cartório por erro do escritório de seu advogado), mas ingressa 
antecipadamente com reconvenção, alegando infração do regulamento inter-
no do edifício por Tício, em virtude de comportamento escandaloso deste no 
episódio e, por conseguinte, afronta ao contrato de locação, que o obrigava, 
pedindo em conseqüência o despejo do locatário. Neste caso, o Juiz:
(A) não aceita a reconvenção porque não houve contestação.
(B) não admite a reconvenção