Acao_-_Teoria_e_Procedimentos_(ALUNO)_2012-1
162 pág.

Acao_-_Teoria_e_Procedimentos_(ALUNO)_2012-1


DisciplinaTeoria Geral do Processo13.423 materiais238.923 seguidores
Pré-visualização50 páginas
eis que os embargos de declaração não se destinam ao prequestionamento 
explícito.
2. O pagamento realizado a maior, que o INSS pretende ver restituído, foi 
decorrente de decisão sufi cientemente motivada, anterior ao pronunciamento 
defi nitivo da Suprema Corte, que afastou a aplicação da lei previdenciária mais 
benéfi ca a benefício concedido antes da sua vigência. Sendo indiscutível a boa-fé 
da autora, não é razoável determinar a sua devolução pela mudança do entendi-
mento jurisprudencial por muito tempo controvertido, devendo-se privilegiar, 
no caso, o princípio da irrepetibilidade dos alimentos.
3. Negado provimento ao recurso especial.
REsp 193.298, Rel. Min. Waldemar Zveiter, Rel. para acórdão Min. Ari 
Pargendler, Terceira Turma, julgamento por maioria (dois votos vencidos) em 
13/03/01. PROCESSO CIVIL. ANTECIPAÇÃO DA TUTELA. REVOGA-
ÇÃO EX OFFICIO. POSSIBILIDADE. O juiz pode revogar a antecipação da 
tutela, até de ofício, sempre que, ampliada a cognição, se convencer da inveros-
similhança do pedido. Recurso especial conhecido e provido.
CONTRATO. TUTELA ANTECIPADA. ART. 273 DO CPC. DECISÃO 
INDEFERITÓRIA DO PEDIDO DE NÃO-INCLUSÃO DO NOME DO 
AÇÃO: TEORIA E PROCEDIMENTOS
FGV DIREITO RIO 20
AGRAVANTE NOS ÓRGÃOS DE PROTEÇÃO CREDITÍCIA E SUSPEN-
SÃO DE CO\u2014 BRANÇAS.
Consoante a moderna orientação do Superior Tribunal de Justiça, nas causas de 
revisão de contrato por abusividade de suas cláusulas, a concessão de tutela antecipa-
da para impedir a inscrição do nome do devedor em órgãos de proteção ao crédito 
é de ser precedida da análise de três requisitos, a saber: a) que haja ação proposta 
pelo devedor contestando a existência integral ou parcial do débito; b) que haja a 
efetiva demonstração de que a contestação da cobrança indevida se funda na apa-
rência do bom direito e em jurisprudência consolida do STF ou do STJ e c) que, 
sendo a contestação apenas de parte do débito, deposite o valor referente à parte tida 
por incontroversa, ou preste caução idônea, ao prudente arbítrio do Magistrado. 
AUSÊNCIA DE VEROSSIMILHANÇA DO DIREITO ALEGADO. AGRAVO 
MANIFESTAMENTE IMPROCEDENTE. SEGUIMENTO NEGADO. (Agra-
vo de Instrumento Nº 70020548947, Primeira Câmara Especial Cível, Tribunal de 
Justiça do RS, Relator: Ana Lúcia Carvalho Pinto Vieira, Julgado em 12/07/2007).
LEITURAS OBRIGATÓRIAS
BUENO, Cassio Scarpinella. Curso Sistematizado de Direito Processual Ci-
vil, vol. 4, São Paulo, Saraiva, 2009, Capítulos 1 (p. 9-25) e 2 (p. 26-41) 
da Parte I e Capítulo 1 da Parte II (p. 145-181).
LEITURAS COMPLEMENTARES
BEDAQUE, José Roberto dos Santos. Tutela Cautelar e Tutela Antecipada: 
tutelas sumárias e de urgência (tentativa de sistematização), 3. ed. São 
Paulo: Malheiros, 2003, p. 11-29 (Capítulo 1).
DIDIER JR., Fredie, BRAGA, Paula Sarno, OLIVEIRA, Rafael. Curso de Direi-
to Processual Civil, vol. 2, 2ª edição, Salvador, Podium, 2008, p. 591-683.
MARINONI, Luiz Guilherme, ARENHART, Sérgio Cruz. Curso de Pro-
cesso Civil, vol. 2, 6. ed. (em edições anteriores Manual do Processo de 
Conhecimento), São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007, p. 195-231.
MOREIRA, José Carlos Barbosa. A tutela de urgência num episódio recente 
da história política brasileira, Temas de Direito Processual: sétima série, 
São Paulo, Saraiva, 2001, p. 31-37.
MOREIRA, José Carlos Barbosa. Tutela de urgência e efetividade do direito, Te-
mas de Direito Processual: oitava série, São Paulo, Saraiva, 2004, p. 89-105.
SANTOS, Ernane Fidélis dos; SILVEIRA, Ivana Fidélis. A antecipação de 
tutela. Interpretação doutrinária. Evolução e prática em quase quinze 
anos de vigência, Revista de Processo, nº 166, dez. 2008, p. 297-310.
AÇÃO: TEORIA E PROCEDIMENTOS
FGV DIREITO RIO 21
8 Importante destacar que a regra é que 
a demanda deva ser proposta de forma 
escrita. Excepcionalmente, a legislação 
autoriza que o pleito do autor seja re-
alizado de forma oral (Lei dos Juizados 
Especiais \u2014 no. 9.099/95 e Lei dos 
Alimentos \u2014 no. 5.478/68). Contudo, 
entendemos que não é uma exceção. 
Na verdade, o pedido oral deverá 
ser transcrito, reduzido a termo para 
integrar e iniciar o processo, ou seja, 
o direito de ação, resultando na forma 
escrita, a materialização da pretensão 
autoral.
9 Lembramos que nem toda demanda 
decorre de uma lide. Observe-se a hipó- 
tese em que o autor busca a prestação 
jurisdicional a fi m de tornar jurídica 
uma situação de fato, tal como ocorre 
em algumas hipóteses de demandas de 
jurisdição voluntária.
AULAS 04 E 05. PETIÇÃO INICIAL (ARTS. 282 E SEGUINTES DO CPC) 
E SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA LIMINAR (ART. 285-A DO CPC)
CASO
Mévio ingressa em juízo com ação de indenização em face de uma em-
presa de telefonia celular alegando que seu nome foi incluído no serviço de 
proteção ao crédito sem que a empresa tenha observado o dever de notifi cá-
lo previamente. O autor alega que essa atitude é uma prática reiterada das 
empresas de telefonia e anexa à sua petição inicial decisões paradigmas prola-
tadas em demandas propostas com semelhantes causa de pedir e pedido. Re-
quer o julgamento da ação com base no artigo 285-A do CPC. Você, como 
juiz, proferiria sentença liminar de procedência do pedido? Fundamente.
NOTA AO ALUNO
1 \u2014 A PETIÇÃO INICIAL
Como visto anteriormente, a ação é um direito constitucionalmente ga-
rantido (art. 5º, XXXV da Constituição Federal), que consagra o princípio 
do acesso à Justiça; a demanda, por seu turno, é a postulação de uma provi-
dência jurisdicional; por fi m, a petição inicial é a representação física do ato 
de demandar8.
Se a petição inicial não possuir seus elementos essenciais \u2014 partes, causa 
de pedir (causa petendi) e pedido (ou objeto) \u2014 ou os requisitos formais 
elencados no art. 282, CPC, ela será considerada inepta. Assim, embora dê 
origem a uma relação jurídica processual, esta terá sua validade comprome-
tida, o que poderá conduzir, caso o vício não seja corrigido no prazo do art. 
284, CPC, ao indeferimento da petição inicial, isto é, à prolação de uma 
sentença terminativa.
A função da petição inicial é de provocar o início do processo e identifi car 
a demanda (as partes, o pedido e a causa de pedir) a fi m de evitar que deman-
das idênticas sejam processadas em juízos diversos9.
A petição inicial é a transcrição dos termos da demanda em que o autor de-
monstra o seu direito, expõe os fatos e fundamentos jurídicos e explicita o pró-
prio pedido dando-se início ao processo e constituindo a relação processual.
Ao demandar (instrumentalizada por meio da petição inicial), o autor 
expõe ao julgador a sua pretensão para que ele prolate a uma sentença sobre 
AÇÃO: TEORIA E PROCEDIMENTOS
FGV DIREITO RIO 22
10 \u201cArt. 87. Determina-se a competência 
no momento em que a ação é proposta. 
São irrelevantes as modifi cações do 
estado de fato ou de direito ocorridas 
posteriormente, salvo quando supri-
mirem o órgão judiciário ou alterarem 
a competência em razão da matéria ou 
da hierarquia\u201d.
11 \u201cArt. 219 (...) § 1o A interrupção da 
prescrição retroagirá à data da proposi-
tura da ação\u201d.
determinada situação confl ituosa ou não. Assim, desenvolver-se-ão as ativi-
dades e o resultado jurisdicionais.
Esta pretensão posta na petição inicial consagra o que a doutrina chama 
de mérito, objeto do processo ou objeto da demanda.
Entretanto, para que esta pretensão possa ser avaliada e reconhecida, a de-
manda deverá ser regida por vertentes de índole processual e material. Caso 
estas duas elementares não estejam agrupadas, a apreciação da pretensão res-
tará prejudicada, podendo culminar na extinção do processo sem resolução 
do mérito (sentença terminativa); ou mesmo a demanda tramitará seguindo 
todas as fases processuais, entretanto culminando numa resposta jurisdicio-
nal que não atenda à pretensão autoral, ou seja, uma sentença de mérito