A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
71 pág.
IBGE   TECNICO   Conhecimentos Gerais

Pré-visualização | Página 2 de 50

que é o elemento fundamental 
do "espírito estatal". Demonstrar que o espírito de partido é o elemento 
fundamental do espírito estatal é uma das teses mais importantes a defen-
der e, vice-versa, o "individualismo" é um elemento de caráter animal, 
"admirado pelos estranhos" como os atos dos habitantes de um jardim 
zoológico. 
NOTAS 
{1} -Referente ao general Luigui Cadorna, chefe do Estado-Maior das 
Forças Armadas italianas até a derrota de Caporetto (1917), da qual ele é 
considerado o principal responsável. Cadornismo representa, então, o 
autoritarismo e a irresponsabilidade de dirigentes que não consideram 
importante a adesão de seus comandados e menosprezam o trabalho 
político necessário para que a importância de uma ação seja compreendida 
e aceita por eles. 
(Extraído de Notas Sobre Maquiavel, in Gramsci: poder, política e par-
tido. Editora Brasiliense. 2a. Edição. São Paulo: 1992. pp 15-19 – Faz parte 
dos Cadernos do Cárcere, Civilização Brasileira, 2007) 
APOSTILAS OPÇÃO A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos 
Conhecimentos Gerais A Opção Certa Para a Sua Realização 2
O Brasil é uma república federal presidencialista, de 
regime democrático-representativo. Em nível federal, o poder executivo é 
exercido pelo Presidente. É uma república porque o Chefe de Estado é 
eletivo e temporário. O Estado brasileiro é uma federação pois é composto 
de estados dotados de autonomia política garantida pela Constituição 
Federal e do poder de promulgar suas próprias Constituições. É uma 
república presidencial porque as funções de chefe de Estado e chefe de 
governo estão reunidas em um único órgão: o Presidente da República. É 
uma democracia representativa porque o povo dificilmente exerce sua 
soberania, apenas elegendo o chefe do poder executivo e os seus 
representantes nos órgãos legislativos, como também diretamente, 
mediante plebiscito, referendo e iniciativa popular. Isso acontece 
raramente, o que não caracteriza uma democracia representativa. 
Indicadores 
De acordo com o Índice de Democracia, compilado pela revista 
britânica The Economist, o Brasil possui desempenho elevado nos quesitos 
pluralismo no processo eleitoral (nota 9,5) e liberdades civis (nota 9,1). O 
país possui nota acima da média em funcionalidade do governo (nota 
7,5). No entanto, possui desempenho inferior nos quesitos participação 
política (nota 5,0) e cultura política (nota 4,3). O desempenho do Brasil em 
participação política é comparável ao de Malauí e Uganda, considerados 
"regimes híbridos", enquanto o desempenho em cultura política é 
comparável ao de Cuba, considerado um regime autoritário.No entanto, a 
média geral do país (nota 7,1) é inferior somente à do Uruguai (nota 8,1) e 
do Chile (nota 7,6) na América do Sul. Dentre os BRIC, apenas 
a Índia (nota 7,2) possui desempenho melhor. De fato, em relação aos 
BRIC, a revista já havia elogiado a democracia do país anteriormente, 
afirmando que "em alguns aspectos, o Brasil é o mais estável dos BRIC. 
Diferentemente da China e da Rússia, é uma democracia genuína; 
diferentemente da Índia, não possui nenhum conflito sério com seus 
vizinhos". 
O Brasil é percebido como o 75º país menos corrupto do mundo, 
perdendo para Romênia, Grécia, Macedônia e Bulgária por apenas um 
décimo. O país está empatado com os países sul-americanos da Colômbia, 
do Peru e do Suriname, e ganha da Argentina (106°), da Bolívia (120°), 
da Guiana (126°), do Equador (146°), do Paraguai (154°) e 
da Venezuela (162°) na região. O Brasil ainda está em situação melhor que 
todos os outros países do BRIC. A China se encontra 80º lugar, a Índia em 
84° e a Rússia em 146°. 
Organização 
O Estado brasileiro é dividido primordialmente em três esferas de 
poder: o Poder Executivo, o Legislativo e o Judiciário. O chefe do Poder 
Executivo é o presidente da República, eleito pelo voto direto para um 
mandato de quatro anos, renovável por mais quatro. Na esfera estadual o 
Executivo é exercido pelos governadores dos estados; e na esfera 
municipal pelos prefeitos. O Poder Legislativo é composto, em âmbito 
federal, pelo Congresso Nacional, sendo este bicameral: dividido entre 
a Câmara dos Deputados e o Senado. Para a Câmara, são eleitos 
os deputados federais para dividirem as cadeiras em uma razão de modo a 
respeitar ao máximo as diferenças entre as vinte e sete Unidades da 
Federação, para um período de quatro anos. Já no Senado, cada estado é 
representado por 3 senadores para um mandato de oito anos cada. Em 
âmbito estadual, o Legislativo é exercido pelas Assembléias Legislativas 
Estaduais; e em âmbito municipal, pelas Câmaras Municipais. 
Unidades federativas 
O Brasil possui vinte e seis estados e um Distrito Federal, indissolúveis, 
cada qual com um Governador eleito pelo voto direto para um mandato de 
quatro anos renovável por mais quatro, assim como acontece com 
os Prefeitos. Tanto os estados quanto os municípios têm apenas uma casa 
parlamentar: no nível estadual os deputados estaduais são eleitos para 4 
anos na Assembleia Legislativa e no nível municipal, os vereadores são 
eleitos para a Câmara Municipal para igual período. 
Poder Judiciário 
Finalmente, há o Poder Judiciário , cuja instância máxima é o Supremo 
Tribunal Federal , responsável por interpretar a Constituição Federal e 
composto de onze Ministros indicados pelo Presidente sob referendo do 
Senado, dentre indIvÍduos de renomado saber jurídico. A composição dos 
ministros do STF não é completamente renovada a cada mandato 
presidencial: o presidente somente indica um novo ministro quando um 
deles se aposenta ou vem a falecer. 
Cultura e sociedade brasileira: música, literatura, artes, arquite-
tura, rádio, cinema, teatro, jornais, revistas e televisão. 
 
A CULTURA BRASILEIRA 
Literatura, artes, cinema, teatro, rádio, televisão, esportes 
 
A riqueza cultural da década de 30 
Modernismo, regionalismo e samba 
 
O período inaugurado pela Revolução de 30 foi marcado por 
transformações na economia, na política e na estrutura social. De um lado, 
o sentido geral dessas transformações correspondia ao espírito do Movi-
mento Modernista de 1922; de outro, iria repercutir em um novo movimento 
literário: o regionalismo. 
 
A consciência modernista aliava a necessidade de pesquisa de 
novos meios formais de comunicação a uma nítida preocupação com o 
conhecimento da realidade brasileira. A década de 30 aprofundou e deu 
novos traços à questão de uma cultura brasileira dotada de força artística e 
capaz de reflexão crítica. 
 
Por sua vez, o advento do rádio promoveu a popularização do 
samba, que desceu definitivamente do morro para a cidade. Além do rádio, 
outro meio de comunicação de massa passou por uma decisiva transforma-
ção: surgiu o cinema falado. Os dois veículos participavam do caráter 
internacionalizador da cultura de massa. O rádio divulgava as músicas 
francesas e norte-americanas, mas tinha em contraposição o samba. Já o 
cinema trazia a divulgação do american way of life e popularizava também 
expressões estrangeiras. Essas características foram registradas com 
ironia no samba Não temi tradução, de Noel Rosa, em versos como: O 
cinema falado é o grande culpado da transformação (... ) E esse negócio de 
"aló, boy, aló Johnny" só pode ser conversa de telefone. 
 
No entanto, todo esse complexo fenômeno cultural restringia-se 
às cidades. O campo, o interior do país, permanecia afastado e vinculado 
às suas tradições culturais e folclóricas. Toda essa realidade foi tratada 
criticamente pelo regionalismo literário. 
 
Da criação literária à reflexão sobre o Brasil 
. 
 Em 1930, Carlos Drummond de Andrade publicou seu primeiro 
livro, Alguma poesia, que se integrava à visão modernista, mas trazia uma 
nota pessoal