A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
RESOLUÇÃO DA LISTA DE EXERCÍCIOS   capítulo 4

Pré-visualização | Página 1 de 2

RESOLUÇÃO DA LISTA DE EXERCÍCIOS - CAPÍTULO 4
1. Explique a diferença entre os seguintes termos:
a.	uma curva de preço-consumo e uma curva da demanda
Uma curva de preço-consumo identifica as combinações que maximizam a utilidade de dois bens à medida que o preço de um deles muda. Quando o preço de um dos bens dimimui, a linha do orçamento gira para fora e uma nova cesta que maximiza a utilidade é escolhida. A curva de preço-consumo liga todas essas cestas. Um curva da demanda é uma relação gráfica entre o preço de um bem e a quantidade (maximizadora da utilidade) demandada de um bem, com todo o resto mantido constante. O preço é representado graficamente no eixo vertical, e a quantidade demandada, no horizontal.
b.	uma curva da demanda individual e uma curva da demanda de mercado
Uma curva da demanda individuak identifica a quantidade (maximizadora de utilidade) demandada por uma pessoa para qualquer preço dado do bem. Uma curva da demanda de mercado é a soma das curvas da demanda individuais para qualquer dado produto. Para qualquer preço dado, a curva da demanda de mercado identifica a quantidade demandada por todos os indivíduos, com todo o resto mantido constante.
c.	uma curva de Engel e uma curva da demanda
Uma curva da demanda identifica a quantidade demandada de um bem para qualquer dado preço, com a renda e todo o resto mantidos constantes. Uma curva de Engel identifica a quantidade demandada de um bem para qualquer dada renda, com o preço e todo o resto mantidos constantes.
d.	um efeito renda e um efeito substituição
O efeito substituição mede o efeito de uma mudança no preço de um bem sobre o consumo do bem, com a utilidade mantida constante. Essa mudança altera a inclinação da curva do orçamento e provoca um movimento de rotação do consumidor ao longo da curva de indiferença corrente. O efeito renda mede o efeito de uma mudança no poder de compra (provocada por uma mudança no preço de um bem) sobre o consumo do bem, com os preços relativos mantidos constantes. Por exemplo, um aumento no preço do bem 1 (no eixo horizontal) provocará um movimento de rotação da linha do orçamento ao longo da curva da indiferença à medida que a inclinação da linha do orçamento (a razão do preço relativo) mudar. Isso é o efeito substituição. Essa nova linha do orçamento então se deslocará para dentro para refletir a diminuição do poder de compra provocada pelo aumento no preço do bem. Esse é o efeito renda.
2. Diga se as afirmações a seguir são verdadeiras ou falsas e explique por quê.
a.	A taxa marginal de substituição diminui à medida que a pessoa se move para baixo, ao longo da curva da demanda.
Verdadeira. O consumidor maximizará sua utilidade escolhendo a cesta no ponto de sua linha do orçamento em que a razão do preço seja igual à TMS. Suponhamos que o consumidor escolha a quantidade dos bens 1 e 2 tal que P1/P2 = TMS. À medida que o preço do bem 1 diminui, a razão do preço se torna um número menor e, portanto, a TMS também se torna um número menor. Isso significa que, à medida que o preço do bem 1 diminui, o consumidor deseja abrir mão de menos unidades do bem 2 para adquirir uma unidade do bem 1.
b.	O nível de utilidade cresce à medida que a pessoa se move para baixo, ao longo da curva da demanda.
Verdadeira. À medida que o preço de um bem diminui, a linha do orçamento gira para fora e o consumidor é capaz de se mover para uma curva de indiferença mais alta.
c.	As curvas de Engel sempre apresentam inclinação para cima.
Falsa. A curva de Engel identifica a relação entre a quantidade demandada de um bem e a renda, com todo o resto mantido constante. Se o bem é inferior, então, à medida que a renda aumenta, a quantidade demandada diminui e a curva de Engel se inclina para baixo.
3. Quais das seguintes combinações de mercadorias envolvem bens complementares e quais envolvem bens substitutos? Será que tais mercadorias poderiam ser complementares e substitutos em diferentes circunstâncias? Discuta:
a.	uma aula de matemática e uma aula de economia
Se a aula de matemática e a de economia não acontecerem no mesmo horário, elas tanto podem ser complementares quanto substitutas. A aula de matemática pode ajudar a entender a aula de economia, e a aula de economia pode motivar os alunos na aula de matemática. Mas, se o horário for o mesmo, as aulas serão substitutas.
b.	bolas de tênis e uma raquete de tênis
Como bolas e raquete de tênis são necessárias para jogar tênis, são complementares.
c.	bife e lagosta
Os alimentos podem ser complementares ou substitutos. O bife e a lagosta podem competir, ou seja, ser substitutos, quando são listados como itens separados em um menu. Entretanto, também podem se comportar como complementares se forem servidos juntos.
d.	uma viagem de avião e uma viagem de trem para o mesmo destino 
Dois meios de transporte para uma mesma viagem são considerados substitutos.
e.	bacon e ovos
Bacon e ovos frequentemente são comidos juntos e são, portanto, bens complementares. Se os considerarmos em relação a algum outro alimento, tal como panquecas, eles podem ser substitutos.
4. Suponhamos que uma família média de determinado estado consuma anualmente 800 galões de gasolina. A seguir, passa a ser arrecadado um imposto de $ 0,20 por galão, juntamente com uma compensação do imposto no valor de $160 por ano para cada família. Será que as famílias sairão perdendo ou ganhando com o novo programa?
Se a família não modificar seu consumo de gasolina, ela não será afetada pelo programa fiscal, pois pagará 0,20 * 800 = $160 de imposto e receberá $160 como desconto anual. Ou seja, os dois efeitos se compensarão mutuamente. Por outro lado, se a família reduzir seu consumo de gasolina, ela estará em situação melhor do que antes. A nova linha do orçamento (obtida após a mudança no preço e o desconto) passará pelo ponto de consumo original de 800 galões de gasolina, e qualquer cesta que possa ser adquirida e contenha menos gasolina deve estar situada sobre uma curva de indiferença mais alta. A família não escolherá uma cesta com mais gasolina, pois tais cestas encontram-se dentro da restrição orçamentária original e são, portanto, inferiores à cesta com 800 galões de gasolina.
5. Toda semana, a fim de maximizar suas respectivas utilidades, Bill, Mary e Jane escolhem a quantidade de dois bens, x1 e x2, que vão consumir. Cada um deles gasta toda a sua renda semanal nesses dois bens.
a.	Suponha que você receba as seguintes informações sobre as escolhas que Bill fez durante um período de três semanas:
	
	
	
	
	
	I
	Semana 1
	10
	20
	2
	1
	40
	Semana 2
	7
	19
	3
	1
	40
	Semana 3
	8
	31
	3
	1
	55
A utilidade para Bill aumentou ou diminuiu da semana 1 para a semana 2? E da semana 1 para a semana 3? Para explicar, use um gráfico que fundamente sua resposta.
A utilidade de Bill diminuiu entre a semana 1 e a 2, pois ele obteve uma quantidade menor de ambos os bens. Na semana 2, o preço do bem 1 subiu e a renda dele permaneceu constante. A linha do orçamento gira para dentro e ele tem de se mover para uma curva de indiferença mais baixa. Entre a semana 1 e a 3 a utilidade dele aumentou. O aumento na renda mais do que lhe compensou o aumento no preço do bem 1. Uma vez que o preço do bem 1 aumentou $1, Bill precisaria de $10 adicionais para comprar a mesma cesta de bens que escolheu na semana 1. Pode-se verificar isso multiplicando-se as quantidades da semana 1 pelos preços da semana 2. Entretanto, sua renda dele aumentou $15, então sua linha do orçamento girou para fora, ultrapassando a cesta da semana 1. Assim, a cesta original dele está localizada dentro de seu novo conjunto de orçamento e sua cesta da semana 3 está em uma curva de indiferença mais alta.
6. O diretor de uma companhia de teatro de uma pequena cidade universitária está pensando em mudar sua maneira de estabelecer preços para os ingressos. Ele contratou uma consultoria econômica para calcular a demanda por ingressos.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.