A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
118 pág.
historia colonial

Pré-visualização | Página 7 de 14

estabelecer e explorar a terra a que tinham chegado em 1500. Porém, foi a introdução da cana-de-açúcar e a dos engenhos, com sua tecnologia para a produção de açúcar, as verdadeiras responsáveis por transformar a colônia três décadas depois desse primeiro contato. O açúcar foi a madrasta da colonização, que por quase dois séculos regeu a história econômica, social e política do Brasil. E, em algumas regiões, continua a dominar. Fonte: SCHWARTZ, Stuart B. Doce Lucro. Revista de História. n. 94, jul. 2013. Disponível em: http://www.revistadehistoria.com.br/secao/capa/doce-lucro. Acesso: 13 ago. 2014. Durante grande parte do período colonial brasileiro, o açúcar foi o principal produto de exportação da colônia. Sobre a produção de açúcar no Brasil, leia e analise as seguintes afirmações: I. A cana-de-açúcar era plantada em latifúndios, estrutura fundiária ainda presente no Brasil. II. A principal região produtora de açúcar no Brasil é a Sul. III. A produção de açúcar foi uma das responsáveis pela desigualdade social no Brasil colonial, pois utilizava mão de obra escrava. IV. Da cana-de-açúcar, além do açúcar, pode-se produzir combustível e aguardente. Assinale a alternativa CORRETA.
	
	
	
	 
	Apenas as afirmações I e IV são verdadeiras.
	
	
	Apenas a afirmativa I é verdadeira
	
	
	Apenas as afirmações II, III e IV são verdadeiras.
	
	
	Apenas as afirmações I e II são verdadeiras.
	
	 
	Apenas as afirmações I, III e IV são verdadeiras.
	
	
	
		
	
		8.
		Luis Felipe Alencastro, de certa maneira desconstrói o conceito de Pacto Colonial, pois segundo ele:
	
	
	
	
	As colônias passaram por ciclos econômicos, sendo que alguns foram capazes de produzir excedente de mercadorias, que por sua vez eram apropriados pelos portugueses.
	
	
	As riquezas encontradas nas colônias eram exclusivas da metrópole;
	
	 
	Havia excedente econômico na colônia, que fugia do controle metropolitano, que era apropriado pelos colonos;
	
	
	Nunca houve excedente na colônia, exceto no período aurífero, século XVIII;
	
	 
	A circulação de mercadorias, escravos, cana-de-açúcar e posteriormente o ouro, concentrou a riqueza nas mãos da metrópole, não deixando nenhum excedente, que fugisse ao controle de Portugal.
	
	
	
		1.
		No Brasil colônia, a pecuária teve um papel decisivo na:
	
	
	
	 
	Formação e exploração dos minifúndios.
	
	 
	Expansão para o interior.
	
	
	Fixação do escravo na agricultura.
	
	
	Expulsão do assalariado do campo.
	
	
	O cupação das áreas litorâneas.
	
	Gabarito Coment.
	
	
	
		
	
		2.
		Os traficantes de escravos da Bahia tinham em seu poder uma valiosa moeda de troca, utilizada para comprar os escravos na África: o fumo, produzido em larga escala no Reconcavo baiano. Em quais regiões da Costa Africana esses traficantes atuavam com maior intensidade?
	
	
	
	
	Sudão e Nigéria
	
	
	Costa do Ouro e Senegal
	
	
	Cabo Verde e Daomé
	
	 
	Costa da Mina e Guiné
	
	
	Guiné Bissau e Argelia
	
	
	
		
	
		3.
		NÃO podemos afirmar sobre a participação do escravo na economia açucareira do Brasil colônia:
	
	
	
	 
	A maioria dos negros africanos trazidos ao Brasil pertencia aos seguintes grupos étnicos: bantos, sudaneses e maleses, sendo este último grupo sempre lembrado por sua constante insubordinação e continuadas revoltas;
	
	
	Existiam três formas de tráfico de escravos no Brasil: escravos de ganho, escravos domésticos e escravos agrários.
	
	 
	O período da escravidão foi o de maior estabilidade no sistema social brasileiro, sem movimentos de resistência significativos e garantiram a organização do Império Português.
	
	
	O mais importante foco de resistência negra contra a escravidão foi o quilombo dos Palmares, o qual desenvolveu-s e numa comunidade auto-suficiente que produzia cana-de-açúcar, mandioca, milho, banana e que, durante um certo tempo, chegou a comercializar o excedente com as regiões vizinhas;
	
	
	Os escravos eram considerados simples mercadorias e trabalhavam na produção de açúcar e na lavoura sob a vigilância atenta de um feitor e debaixo de constantes castigos físicos;
	
	
	
		
	
		4.
		Luis Felipe Alencastro, ao estudar a economia colonial, de certa maneira desconstrói o conceito de Pacto Colonial, pois segundo ele:
	
	
	
	 
	A colônia era capaz de produzir excedente econômico, mas este era incorporado pelos portugueses.
	
	 
	Havia excedente econômico na colônia, mas este fugia do controle metropolitano
	
	
	Nunca houve excedente de produtos produzidos nas colônias, exceto no período aurífero (século XVIII).
	
	
	A circulação de mercadorias (escravos, cana-de-açúcar e posteriormente o ouro) concentrou a riqueza nas mãos da metrópole, não deixando nenhum excedente que fugisse ao controle de Portugal.
	
	
	As riquezas encontradas nas colônias eram exclusivas da metrópole.
	
	Gabarito Coment.
	
	
	
		
	
		5.
		O sistema colonial adotou, no Brasil, uma forma de plantio chamada plantation. Assinale, abaixo, a opção que corresponde à definição de plantation.
	
	
	
	 
	Pequena propriedade voltada para subsistência e troca dos produtos excedentes.
	
	
	Grande propriedade explorada em forma de cooperativa.
	
	
	Grande propriedade com plantio de um único produto por mão de obra assalariada.
	
	
	Grande propriedade com diversidade de culturas destinados ao mercado externo e interno e mão-de-obra assalariada.
	
	 
	Latifúndio, monocultura para exportação com mão-de-obra escrava.
	
	
	
		
	
		6.
		O Pacto Colonial, ou Exclusivo Colonial define as relações econômicas, políticas, sociais e culturais entre a Metrópole e sua colônia. Por ele, todas as riquezas existentes na colônia eram de propriedade da Metrópole. Entretanto, sabe-se que nem sempre esse Pacto foi respeitado. Escolha, dentre as alternativas abaixo, aquela que melhor explica o Pacto Colonial entre Brasil e Portugal.
	
	
	
	 
	Em virtude da economia colonial respeitar ciclos de produção (pau-brasil, cana-de-açúcar, mineração), o controle dessa produção e da exportação para a Metrópole ficava mais fácil de ser executado.
	
	 
	O excedente econômico produzido na colônia não era conduzido, necessariamente, para a Metrópole. Tanto poderia ser consumido localmente quanto muitas vezes era negociado entre as próprias colônias portuguesas, como Moçambique.
	
	
	Com exceção do pau-brasil, todos os demais produtos coloniais de extração possuíam safras pré-determinadas. Sabendo-se o período de cada safra, a administração colonial poderia atuar com mais precisão no controle dessa produção e da sua exportação para a Metrópole.
	
	
	A administração portuguesa falhou totalmente no controle da produção e exportação dos produtos coloniais tanto que, quando foi descoberto ouro em Minas Gerais, Portugal não teve quase nenhum lucro com essa descoberta, tal a monta dos desvios dessa produção.
	
	
	Portugal só exerceu um rígido controle sobre os produtos da colônia brasileira durante o ciclo do pau-brasil.
	
	Gabarito Coment.
	
	
	
		
	
		7.
		O Pacto Colonial, ou Exclusivo Colonial define as relações econômicas, políticas, sociais e culturais entre a Metrópole e sua colônia. Por ele, todas as riquezas existentes na colônia eram de propriedade da Metrópole. Entretanto, sabe-se que nem sempre esse Pacto foi respeitado. Escolha, dentre as alternativas abaixo, aquela que melhor explica o Pacto Colonial entre Brasil e Portugal.
	
	
	
	 
	O excedente econômico produzido na colônia não era conduzido, necessariamente,