A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
118 pág.
historia colonial

Pré-visualização | Página 8 de 14

para a Metrópole. Tanto poderia ser consumido localmente quanto muitas vezes era negociado entre as próprias colônias portuguesas, como Moçambique.
	
	
	Portugal não exercia controle sobre a produção e exportação dos produtos da metrópole bem como sobre as rotas comerciais percorridas por esses produtos e qualquer desvio era severamente punido.
	
	
	Com exceção do pau-brasil, todos os demais produtos coloniais de extração possuíam safras pré-determinadas. Sabendo-se o período de cada safra, a administração colonial poderia atuar com mais precisão no controle dessa produção e da sua exportação para a Metrópole.
	
	
	A administração portuguesa falhou totalmente no controle da produção e exportação dos produtos coloniais tanto que, quando foi descoberto ouro em Minas Gerais, Portugal não teve quase nenhum lucro com essa descoberta, tal a monta dos desvios dessa produção.
	
	
	Em virtude da economia colonial respeitar ciclos de produção (pau-brasil, cana-de-açúcar, mineração), o controle dessa produção e da exportação para a Metrópole ficava mais fácil de ser executado.
	
	
	
		
	
		8.
		Apesar da cana-de-açúcar, borracha e ouro serem sempre citados quando falamos da produção colonial, não podemos esquecer da importância da pecuária que teve um papel de grande importância na história da nossa colonização. Assinale, a seguir, a opção que melhor define o papel da pecuária na colonização:
	
	
	
	 
	A pecuária, pelo seu desenvolvimento extensivo, acabou por superar o ouro em termos de ganhos para a Coroa portuguesa.
	
	
	A pecuária acabou por superar a importância da cana-de-açúcar na pauta de exportações do Brasil colonial.
	
	
	Apesar de economicamente secundária, a pecuária revestiu-se de uma considerável importância econômica na pauta de exportação do Brasil.
	
	
	A pecuária atingiu um tão grande grau de importância que, ao contrário do que acontecia antes do seu desenvolvimento, os donos de engenho permitiram que se criasse gado de corte perto das plantações de cana-de-açúcar.
	
	 
	Devemos à pecuária o início do desbravamento e ocupação de vastas áreas do interior do Brasil atual, visto que, antes dela, apenas o litoral era povoado.
	
		
	
		1.
		Quais as razões para as dificuldades econômicas e financeiras que Portugal viveu no século XVIII?
	
	
	
	 
	a perda de domínios na África e na Ásia e o baixo preço do café no mercado internacional.
	
	 
	A perda de domínios na África e na Ásia e o desenvolvimento econômico inglês;
	
	
	o estabelecimento de novas colônias na África e na Ásia e o desenvolvimento econômico inglês;
	
	
	o desenvolvimento inglês e a invasão holandesa no Nordeste brasileiro;
	
	
	o desenvolvimento inglês e a União Ibérica;
	
	Gabarito Coment.
	
	
	
		
	
		2.
		Sabemos que a mineração foi responsável pela mudança do cenário da economia colonial. São características desse período, EXCETO:
	
	
	
	 
	a criação de pequenas cidades no caminho entre Minas Gerais e Rio de Janeiro, encurtando as distâncias entre as diversas cidades;
	
	
	o crescimento do eixo econômico do Nordeste para o centro-sul, incluindo a transferência da capital da colônia de Salvador para o Rio de Janeiro, em 1793;
	
	
	o aumento do tráfico interno de escravos, sendo que alguns foram deslocados das regiões menos prósperas para as mais ricas.
	
	 
	a evangelização dos africanos recém chegados à minas, feita pelos jesuítas, com a finalidade de torná-los mais aptos ao trabalho;
	
	
	a mudança do tráfico negreiro, uma vez que a necessidade de mão-de-obra aumentou;
	
	Gabarito Coment.
	
	
	
		
	
		3.
		Durante o processo o colonial, o período de maior relevância para os interesses portugueses foi sem dúvida, o ciclo do ouro. A extração aurífera no Brasil redefine o sistema colonial português. Que elementos são mais característicos deste período?
	
	
	
	
	O abandono por completo de outras atividades produtivas em detrimento da exploração aurífera, a exclusiva utilização da mão de obra negra no garimpo, o deslocamento do eixo econômico do nordeste para o sudeste da colônia.
	
	
	A definição de uma política fiscal que cobrava o quinto do ouro explorado, a proibição do uso do ouro na ornamentação de igrejas nas áreas mineiras, prioridade de concessão das minas aos desbravadores que as descobriram.
	
	
	A montagem de um sistema mais eficiente de fiscalização da base produtiva da colônia, o abandono da região Nordeste, que quase foi dominada pelos holandeses, políticas migratórias para povoar a área de produção de ouro.
	
	 
	A criação das Casas de Fundição para facilitar o recolhimento do quinto da Coroa Portuguesa, deslocamento do eixo do tráfico de escravos do Nordeste canavieiro para o sudeste aurífero, conflitos entre paulistas e portugueses pelo controle das minas.
	
	
	A valorização do porto de Salvador para o embarque do ouro e o desembarque de escravos para as áreas de minas, deslocamento do eixo de tráfico de escravos do sul para o norte, estímulo a novas expedições de sondagens em outras áreas do território.
	
	Gabarito Coment.
	
	
	
		
	
		4.
		Para cada capitania em que fosse encontrado ouro era criada a Intendência de Minas, onde havia um superintendente responsável pela sua fiscalização e direção. O superintendente deveria ser informado de cada jazida encontrada, assim poderia requisitar a seus funcionários, os guarda mores, que realizassem a demarcação das datas para que, em seguida, fossem distribuídos entre os mineradores. O descobridor da jazida possuía o direito de escolher duas datas (lotes) enquanto o guarda mor escolhia outra para a Fazenda Real, a ser vendida em leilão. De forma geral, a distribuição era feita da seguinte forma:
I) Proporcionalmente ao número de escravos que o minerador possuísse. Aos que possuíssem de 12 a mais escravos recebiam o que era chamado de ¿data inteira¿, cerca de 3 mil metros quadrados.
II) Aos senhores com quantidade inferior de escravos era concedida apenas uma pequena parte de uma data.
III) Os outros lotes eram sorteados entre interessados na exploração, porém sob o prazo de quarenta dias para o início da extração, quem não cumprisse poderia perder a posse da terra.
Assinale a resposta CORRETA:
	
	
	
	
	apenas a afirmativa I está correta;
	
	
	apenas a afirmativa II está correta;
	
	 
	Todas as afirmativas acima estão corretas;
	
	
	apenas a afirmativa III está correta.
	
	 
	apenas as afirmativas II e III;
	
	Gabarito Coment.
	
	
	
		
	
		5.
		Podemos afirmar que a afirmativa correta, sobre o Brasil colonial, no período da mineração é:
	
	
	
	 
	o ouro beneficiou apenas a Inglaterra, que financiou sua exploração.
	
	
	atraídos pelo ouro, vieram para o Brasil aventureiros de toda espécie, que inviabilizaram a mineração.
	
	
	a mineração deu origem a uma classe média urbana que teve papel decisivo na independência do Brasil.
	
	 
	a mineração contribuiu para interligar as várias regiões do Brasil e foi fator de diferenciação da sociedade.
	
	
	a exploração das minas de ouro só trouxe benefícios para Portugal.
	
	
	
		
	
		6.
		Quando da descoberta do ouro na região das Minas Gerais, de forma geral, a distribuição das datas era feita da seguinte forma:
	
	
	
	 
	de acordo com a cobrança do quinto sobre o ouro que o minerador encontrasse.
	
	
	de acordo com o cargo ocupado pelo patrão do minerador;
	
	
	de acordo com a oferta feita pelo minerador, vencia aquele que desse o maior lance;
	
	 
	de acordo com o número de escravos que o minerador possuísse;
	
	
	De acordo com a quantidade