TEORIA DA PERSONALIDADE
7 pág.

TEORIA DA PERSONALIDADE

Disciplina:Psicologia Psicodinâmica94 materiais3.929 seguidores
Pré-visualização2 páginas
BACHARELADO EM PSICOLOGIA

PRODUÇÃO ÚNICA - ESTUDO DIRIGIDO DE CASO
Texto dissertativo apresentado no curso de Psicologia como um dos pré-requisitos para obtenção da nota parcial nas disciplinas
Tuma: 1º 2018.1
Turno: Calendário Alternativo

	CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA
PRODUÇÃO ÚNICA
	PONTUAÇÃO MÁXIMA
	PONTUAÇÃO OBTIDA

	1. ESTRUTURA
( ) Introdução
( ) Desenvolvimento
( ) Conclusão
	0,10
	

	2.CORRESPONDÊNCIA DO TEXTO COM O CASO/PROBLEMA
	0,10
	

	3. CONTEÚDO APRESENTADO
	1,0 SENDO =

	3.1.Introdução
	0,10
	

	3.2.Desenvolvimento
( ) Resumo dos Problemas
( ) Fundamentação Teórica e Discussão
	0,80
	

	3.3.Conclusão
	 0,10
	

	4. VOCABULÁRIO ADEQUADO E GRAMÁTICA
( ) Vocabulário (variedade e científico)
( ) Gramática (acentuação, ortografia, regência, emprego adequado dos pronomes, conjunções, tempos e modos verbais, preposições e pontuação)
	0,20
	

	5. COESÃO (construção de períodos – repetições de palavras e frases incompletas)
	0,20
	

	6. COERÊNCIA (encadeamento de ideias)
	0,20
	

	7. NORMAS TÉCNICAS (ABNT)
	0,20
	

	TOTAL
	2,00
	

Paripiranga/BA
 Maio de 2018
INTODUÇÃO

O caso relata sobre um jovem de apenas 19 anos de idade, de prenome Carlos, o mesmo teve uma vida conturbada na infância, pois sofria agressões psicológicas e físicas (pelo seu padrasto), devido ser filho do amante da sua mãe, Carlos além de sofrer abusos vivenciava o sofrimento da mãe. contudo cresceu um jovem violento devido aos traumas de infância, mas no fundo tinha um coração bondoso, este jovem após ter aprontado muito agora está sendo encaminhado para uma prisão afim de educa-lo socialmente, e resgatar os seus valores morais.

DESENVOLVIMENTO

2.1 Resumo dos problemas

 O caso mostra as consequências que pode trazer a uma criança que sofre maus tratos em seu habito familiar, trazendo fatores desastrosos como abalo psicológicos.
 Alguns problemas emocionais só são constatados quando se nota alguns comportamentos diferentes, esses comportamentos que são manifestados na juventude é consequência de uma cruel infância.
 Esses problemas os maiores causadores são seus responsáveis ou até mesmo seus pais, muita das vezes por não ser de pretendida aquele ser humano ter vindo fazer parte de sua vida eles á rejeitam.
 E com tudo isso essas crianças violentadas procuram resguardo em outros meios ou pessoas como por exemplo escolas, vizinhança entre outros locais, e é nesse momento que quando notado esse comportamento diferente procurar ajuda de outros setores.
 2.2 Fundamentação teórica.

 Sabe- se que o caráter de um indivíduo é construído pela família, amigos e sociedade e quando um desses três pilares não exerce sua função corretamente certamente trará consequências negativas futuramente. Traumas, violência seja elas físicas ou psicológicas pode influenciar na conduta e comportamento de uma pessoa em frente a sociedade.
A violência sofrida no âmbito familiar principalmente contra crianças e adolescentes tem se tornado grande fonte de pesquisas cientificas, tanto pelo numero de fatos registados bem como pelas consequências que a mesma traz consigo. (BÉRGAMO, 2012).
Segundo Ribas (2006), após avaliar o bem-estar emocional de um determinado grupo de pessoas, pode-se confirmar que alguns sintomas da depressão esta interligados com o pensamento negativo decorrente dos familiares.
Os maus-tratos contra crianças e adolescentes vem tendo um lugar de destaque na saúde pública, tornando-se um dos principais agravos na infância, sendo elas de diversas formas tanto a violência física ao abuso psicológico, sexual e negligência. (Santos, 2015).
Diante dos fatos abordados por Barros (2015) podemos confirmar que as consequências devido a maus tratos e violência, deixam consequências desastrosas, ocasionando sentimento de insegurança e desamparo no indivíduo agredido, muitas vezes é necessário sofrer em silencio e continuar vivendo os mesmos problemas, dessa forma traz consigo agravos na construção de sua personalidade.
Alguns estudos apontam os responsáveis como os principais agressores, ainda apontam a gravidez indesejada, partos prematuros, deficiências (mentais ou físicas), depressão ou distúrbios psiquiátricos, alcoolismo, má comportamento da vítima, e ate mesmo dificuldade socioeconômica dos familiares, como os principais fatores de abusos e maus tratos. (KIM-COHEN, 2006).
Em confirmação com Adorno (2010) podemos afirmar que a sociedade muitas vezes tem se calado diante das violências, algumas vezes por medo do agressor e outas por achar que a agressão é a única maneira de educar, desta forma faz com que essas atitudes seja continua permanecendo assim um histórico cultural justificando a violência como um ato de ensino.
Diante dos fatos analisados entende-se que para a amenização ou até mesmo a resolução desses problemas é necessário um trabalho em coletividade onde envolverá educadores, profissionais da área de saúde e jurídicos e até mesmo da sociedade. (Garbin, 2017).
Devido ao número de casos registado foi implantado o Estatuto Da Criança e Adolescente (ECA), onde impõem como papel da escola os cuidados pelas crianças e adolescentes, e nesta função colher informações de sinais de violência, e quando isto for identificado deve acionar outras instancias. (Waiselfisz, 2012).
Quando se sente desprezados pelos de casa as crianças quando não se reprimem vão procurar refúgio em pessoas fora, por passarem muito tempo com os professores muitas vezes encontra nele seu abrigo, diante disso o educador precisa ser instruído e ter um olhar diferenciado afim de ajudar solucionar os problemas daquela vítima afim de evitar problemas futuros. (Granville-Garcia, 2009).

Conclusão

Com tudo entende-se que violência psicológica e física compromete a formação do caráter de um ser humano, diante disso podemos afirmar que o âmbito familiar tem função significadamente na formação do mesmo. Neste contexto é necessário também, uma contribuição social (como uma boa educação, e uma boa saúde).
O caso supra-citou a vida de Carlos que foi agredido durante sua infância, e quando jovem tornou-se uma pessoa violenta, embora alguns relatava que o mesmo tinha um coração bondoso, diante disso podemos concluir que os maus tratos têm poder de transformar o ser humano. Calos já possui 19 anos, a escola durante a infância não acionou nenhum registro de maus tratos e violência, seja ela por falta de conhecimento ou por não querer compromete-lo sua imagem, deixando assim o problema a se agravar, contudo os profissionais de educação não pode, mas o ajuda-lo agora resta medidas socioeducativa e ajuda da sociedade na qual está inserido.

Referência

BÉRGAMO, Lilian Paula D. et al. Abuso físico infantil: avaliando fatores de risco psicológicos em cuidadores notificados. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 25, n. 2, p. 256-264, 2012.

Ribas, A. F. P., Ribas, R. C., Jr., & Valente, A. A. (2006). Bemestar emocional de mães e pais e o exercício do papel parental:
Uma investigação empírica. Revista Brasileira Crescimento
e Desenvolvimento Humano, 16(3), 28-38.

SANTOS, J.S.; YAKUWA, M.S.A, Estratégia saúde da família frente a violência contra criança, revisão integrativa. Revista da sociedade brasileira de enfermeiros pediatras. São Paulo, v,15, n. 1. p. 38-43, 2015.

KIM-COHEN, J. et al. The caregiving environments provided to children by depressed mothers with or without an antisocial history. American Journal of Psychiartry, Arlington, v. 163, n. 6, p.1909-1918, 2006. Doi: https://doi.org/10.1176/ajp.2006.163.6.1009.

ADORNO, S. A violência na sociedade brasileira: juventude e delinquência como problemas sociais. Revista brasileira adolescência e conflitualidade, São Paulo, v, 2, n. 2, p. 1-11, 2010.

GARBIN, Cléa Adas Saliba et al. Avaliação do conhecimento de educadores sobre violência intrafamiliar: uma abordagem realizada em escolas municipais de ensino básico. Revista de Educação Popular, v. 16, n. 2, p. 70-81,