Modelo de Peças Trabalhistas Após a Reforma Trabalhista
45 pág.

Modelo de Peças Trabalhistas Após a Reforma Trabalhista


DisciplinaDireito do Trabalho I28.991 materiais486.030 seguidores
Pré-visualização12 páginas
01) RECLAMAÇÃO TRABALHISTA
AO DOUTO JUÍZO DA VARA DO TRABALHO DE FLORIANÓPOLIS/SC
TONASSI FININHO, garçom, qualificação e endereço completos, vem, respeitosamente, perante Vossa Excelência, por intermédio de seu advogado adiante assinado (procuração em anexo), com escritório profissional no endereço completo, onde recebe intimações ou notificações, com fulcro no art. 840 da CLT, PROPOR:
RECLAMAÇÃO TRABALHISTA, pelo rito ordinário
em face de HEART ATTACK GRILL LTDA., qualificação e endereço completos, pelas razões de fato e de direito a seguir expostas.
I \u2013 MÉRITO
1. Equiparação salarial
O reclamante foi contratado no mesmo dia que Juan para exercer a mesma função, na mesma filial, com a mesma produtividade e perfeição técnica, porém enquanto recebia 1.500,00 e ajuda de custo de 1.000,00, o seu colega recebia salário fixo de 2.500,00 por mês e ajuda de custo de R$ 1.000,00.
Nos termos do art. 461, caput e § 1o, da CLT, é devido o mesmo salário aos empregados que exerçam a mesma função, para o mesmo empregador, no mesmo estabelecimento comercial, com a mesma produtividade e perfeição técnica, entre pessoas cuja diferença de tempo de serviço para o mesmo empregador não seja superior a quatro anos e a diferença de tempo na função não seja superior a dois anos.
Diante do exposto, requer a condenação da reclamada ao pagamento das diferenças salariais, bem como de seus reflexos nas verbas contratuais e resilitórias.
2. Ajuda de custo
O reclamante recebia salário de R$ 1.500,00 e ajuda de custo de R$ 1.000,00, a qual não integrava o seu salário.
À luz do art. 457, § 2o, da CLT, as ajudas de custo que excedam a 50% do salário, como no caso em exame, integram o salário do reclamante.
Diante do exposto, requer a integração dos valores pagos ao reclamante a título de ajuda de custo para fins de gerar reflexos nas verbas contratuais e resilitórias.
3. Desconto salarial
A reclamada descontou do salário do reclamante um dia de trabalho no mês de janeiro do ano da extinção do contrato, em razão de o reclamante ter faltado ao trabalho para comparecer em juízo como parte no processo em que estava litigando contra seu antigo empregador, muito embora tivesse apresentado certidão da Justiça do Trabalho confirmando suas alegações.
Com base no art. 473, VIII, da CLT, o empregado poderá deixar de comparecer ao serviço sem prejuízo do salário pelo tempo que se fizer necessário, quando tiver de comparecer a juízo. Interpretando tal artigo, o TST consolidou na Súmula no 155 o entendimento de que as horas em que o empregado falta ao serviço para comparecimento necessário, como parte, à Justiça do Trabalho, não serão descontadas de seu salário.
Diante do exposto, requer a condenação da reclamada à devolução do dia de trabalho descontado de seu salário.
4. Intervalo intrajornada
O reclamante trabalhava de segunda a sexta-feira, 8 horas diárias, usufruindo de apenas 30 minutos de intervalo intrajornada.
Nos termos do art. 71, caput, da CLT, aqueles que laboram mais de 6 horas diárias fazem jus a um intervalo intrajornada de, no mínimo, 1 hora, o qual não era observado.
Diante do exposto, requer a condenação da reclamada ao pagamento do período suprimido, ou seja, de 30 minutos diários, acrescidos de 50%, à luz do art. 71, § 4o, da CLT.
5. Diferenças de FGTS
No curso do contrato, o empregador depositava apenas 4% do valor da remuneração do reclamante a título de FGTS, pois havia acordo coletivo de trabalho autorizando o recolhimento de apenas metade do valor.
Nos termos do art. 611-B, III, da CLT, é ilícita e, portanto, nula a cláusula de acordo coletivo de trabalho que implique redução do valor dos depósitos mensais do FGTS. Ressalte-se que, o art. 15 da Lei no 8.036/90 determina que os depósitos do FGTS devem ser de 8% da remuneração paga ou devida ao trabalhador no mês anterior.
Diante do exposto, requer a declaração de nulidade da cláusula do acordo coletivo de trabalho que estabelece a redução dos depósitos do FGTS e a condenação da reclamada ao pagamento das diferenças salariais.
6. Honorários advocatícios
Requer a condenação da reclamada ao pagamento de honorários advocatícios, no importe de 15%, sobre o valor que resultar da liquidação, à luz do art. 791-A da CLT.
II \u2013 PEDIDOS
Diante do exposto, requer:
a) a condenação da reclamada ao pagamento das diferenças salariais, bem como de seus reflexos nas verbas contratuais e resilitórias...................R$ ...;
b) a integração dos valores pagos ao reclamante a título de ajuda de custo para fins de gerar reflexos nas verbas contratuais e resilitórias...............R$ ...;
c) a condenação da reclamada à devolução do dia de trabalho descontado de seu salário............................................................................................R$ ...;
d) a condenação da reclamada ao pagamento do período suprimido, ou seja, de 30 minutos diários, acrescidos de 50%, nos termos do art. 71, § 4o, da CLT............................................................................................................R$ ...;
e) a declaração de nulidade da cláusula do acordo coletivo de trabalho que institui a redução dos depósitos do FGTS e a condenação da reclamada ao pagamento das diferenças salariais;
f) a condenação da reclamada ao pagamento de honorários advocatícios, no importe de 15%, sobre o valor que resultar da liquidação, à luz do art. 791-A da CLT.
III \u2013 REQUERIMENTOS FINAIS
Diante do exposto, requer:
a) a notificação da Reclamada para oferecer resposta à reclamação trabalhista, sob pena de revelia e confissão quanto à matéria de fato;
b) a produção de todos os meios de prova em direito admitidos, em especial a prova documental, o depoimento pessoal e a oitiva de testemunhas; e
c) por fim, a procedência dos pedidos com a condenação da reclamada ao pagamento das verbas pleiteadas, acrescidas de juros e correção monetária.
Atribui-se à causa o valor de R$ ..., correspondente à somatória dos valores dos pedidos.
Nestes termos,
Pede deferimento.
Local e data.
Advogado
OAB no
02) CONTESTAÇÃO
AO DOUTO JUÍZO DA 85a VARA DO TRABALHO DO RIO DE JANEIRO/RJ
Processo no 0055.2010.5.01.0.085
COMÉRCIO ATACADISTA DE ALIMENTOS LTDA., qualificação e endereço completos, vem, respeitosamente, perante Vossa Excelência, por intermédio de seu advogado adiante assinado (procuração anexa), com escritório profissional no endereço completo, onde recebe intimações e notificações, com fulcro no art. 847 da CLT, OFERECER:
CONTESTAÇÃO
à reclamação trabalhista que lhe move ANDERSON SILVA, já qualificado nos autos em epígrafe, pelas razões de fato e de direito a seguir expostas.
I \u2013 PRELIMINAR DE MÉRITO
1. Inépcia da petição inicial \u2013 ausência de causa de pedir
O reclamante postula o pagamento do 13o salário de 2008, porém não apresenta causa de pedir, uma vez que alega que não recebeu apenas o 13o salário do ano de 2009.
De acordo com o disposto no art. 330, § 1o, I, do CPC, a petição inicial é inepta, dentre outras hipóteses, quando lhe faltar a causa de pedir. No presente caso, é inepta quanto ao pedido de pagamento do 13o salário de 2008, pois o autor não apontou causa de pedir, uma vez que afirmou apenas que não recebeu o 13o salário do ano de 2009, não se referindo ao 13o de 2008.
Esclarece-se que a inépcia da inicial deve ser analisada em preliminar de contestação, à luz do art. 337, IV, do CPC.
Diante do exposto, requer a extinção do processo sem resolução do mérito, nos termos dos arts. 485, I, e 330, I, do CPC (indeferimento da petição inicial), em relação ao pedido de pagamento do 13o salário de 2008.
II \u2013 PREJUDICIAL DE MÉRITO
1. Prescrição quinquenal
O reclamante postulou em sua reclamação trabalhista, ajuizada em 10.01.2011, parcelas que retroagem à data de sua admissão, que ocorreu em 03.03.2002.
Com base nos arts. 7o, XXIX, da CF e 11 da CLT, o direito de ação quanto a créditos resultantes das relações de trabalho prescreve em 5 anos, contados