Plano de aula Luma Filiolli Apis Tutelas Provisórias PDF
8 pág.

Plano de aula Luma Filiolli Apis Tutelas Provisórias PDF


DisciplinaDireito Processual Civil I41.294 materiais727.182 seguidores
Pré-visualização2 páginas
FACULDADE DAMÁSIO 
DIREITO PROCESSUAL CIVIL 
CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL 
 
 
 
 
 
LUMA FILIOLLI APIS 
 
 
PLANO DE AULA 
 
 
TURMA: 1ª SÉRIE 
ANO: 2018 
SEMESTRE: 1º 
HORÁRIO:19h às 20h30min 
 
 
 
 
 
 
 
 
TEMA 
Tutelas provisórias 
 
OBJETIVOS 
Proporcionar aos alunos entendimento acerca das tutelas provisórias e a diferença 
entre elas. 
 
CONTEÚDOS 
-Artigos 294 a 311 do CPC. 
1-Conceito 
Tutela provisória é a medida concedida antes do fim do processo, por meio de um 
provimento jurisdicional provisório. 
2- Classificação 
2.1- Quanto ao fundamento ou requisito: 
a)Tutela de urgência: pressupõe perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo, 
e elementos que evidenciem a probabilidade do direito. 
 
As tutelas de urgência se dividem ainda em: 
a.1) Tutela cautelar 
a.2) Tutela antecipada 
Observação importante: a diferença entre a tutela cautelar e a tutela antecipada é o 
tipo de risco de dano. 
As tutelas urgência cautelar e antecipada dividem-se, em relação ao momento do 
requerimento: 
-Tutela de urgência antecedente: será antecedente quando requerida ANTES DE 
FORMULADO O PEDIDO PRINCIPAL. 
-Tutela de urgência incidente: é aquela requerida APÓS O PEDIDO PRINCIPAL (na 
própria inicial ou em momento posterior). 
b)Tutela de evidência: Não exige demonstração de perigo de dano ou risco ao 
resultado útil do processo. O requisito é o direito parecer evidente, é a probabilidade do 
direito. 
3-Características comuns das tutelas provisórias: 
a) Provisoriedade: Provisoriedade inclui a idéia de que ela é: 
I-Temporária 
II- Modificável 
III- Revogável; 
IV- ou será substituída pela tutela definitiva 
b)Cognição sumária: Toda tutela provisória tem cognição sumária, a cognição do juiz 
é superficial, fundamentada em indícios da existência do direito. 
c) Não gera coisa julgada: Não são definitivas, pois o juiz nem sempre terá todas as 
provas para dar o seu parecer definitivo. 
d)Competência funcional: Cabe ao juiz competente para o pedido principal julgar a 
tutela. 
 Quem analisa as tutelas provisórias é o juiz competente para analisar o pedido 
principal. 
3.1- Características comuns das Tutelas de URGÊNCIA (tutela cautelar e tutela 
antecipada): 
a) Urgência: porque exigem o risco de dano. 
b) Podem ser incidentes ou antecedentes. 
c)Permitem exigir caução: Diante de um pedido de tutela de urgência, o juiz pode 
exigir caução antes de conceder, para ressarcis os possíveis danos que a outra parte possa 
sofrer. A caução pode ser dispensada se a parte for hipossuficiente 
d)Podem ser precedidas de audiência de justificação prévia. Quando a parte precisa de 
uma liminar, mas não tem prova documental do risco de dano, ou seja, da urgência, pode 
pedir para o juiz marcar uma audiência em qualquer momento para provar a urgência e 
conseguir a liminar. 
e) Fungibilidade entre as tutelas. 
 
4-Diferenças entre tutela antecipada e tutela cautelar 
 
Tutela Antecipada Tutela cautelar 
Satisfativa \u2013 porque sempre gera satisfação 
fática antes do fim do processo. O beneficiado 
usufrui do direito antes de ter certeza jurídica se 
é dele. 
Garantidora ou Assecuratória da utilidade 
do processo. 
 
Típica do processo de conhecimento. É só no 
processo de conhecimento. Nos outros pode até 
ter uma cautelar, uma medida urgente na 
execução, mas não é tutela antecipada, porque o 
direito já está definido no título. 
No processo de conhecimento e no 
processo de execução, ou seja, em qualquer 
processo, inclusive no cumprimento de 
sentença. 
A tutela antecipada é medida de apoio à parte. É 
algo que favorece a parte. 
A tutela cautelar é medida de apoio ao 
processo. Toda liminar é instrumental, é o 
instrumento pelo qual se antecipa uma 
medida provisória. A tutela cautelar ajuda 
o processo a ter efetividade. 
 
 
5- Características específicas da Tutela de Evidência: 
a) É satisfativa. 
b) É típica do processo de conhecimento. 
c) Ela é sempre incidente. 
d)Não exige urgência, basta que o direito da parte pareça evidente, seja pela qualidade 
da prova, seja pela conduta das partes ou precedentes. 
 
Tutela Provisória: 
1- Beneficiário da tutela provisória: quem pode conseguir uma liminar para si \u2013 o 
autor e também o réu. 
Algumas hipóteses de tutela de evidência são típicas para o autor, são aquelas que a 
própria lei diz que podem ser concedidas liminarmente. 
 
2-Momento: pode ser em qualquer fase durante o processo, antes do provimento 
final/principal/definitivo. 
 
Pode ser: 
a)Na inicial 
b)No 1º grau antes da sentença 
c)Na sentença. 
d) Na fase recursal. Nesse caso, quem tem o poder de decidir sobre tutela provisória é 
o relator no Tribunal 
 
Tutela antecipada 
-Tutela Antecipada: tradicionalmente, ela era só incidente, ou seja, requerida na inicial 
ou depois, mas sempre já tinha o pedido principal. 
A novidade é a tutela antecipada antecedente\u2013 artigos 303 e 304 do CPC. 
1-Tutela Antecipada Antecedente: 
Petição Inicial provisória, em que deve descrever os requisitos da tutela antecipada 
(verossimilhança e urgência).Deve também pedir a tutela antecipada e mencionar/indicar 
qual será o pedido principal. 
O juiz poderá 
a)Deferir a liminar: Nesse caso o autor terá 15 dias ou mais para aditar a inicial, 
formulando o pedido principal,sob pena de extinção sem mérito e revogação da liminar(a 
liminar perde a eficácia). O juiz fixará um prazo, que é de no mínimo 15 dias, podendo ser 
maior, para o autor aditar a inicial formulando o pedido principal. 
O réu, após o aditamento, será citado para audiência do artigo 334 do CPC, para tentar 
conciliação ou mediação.Depois disso, segue o procedimento comum. Caso seja uma ação de 
procedimento especial, segue o procedimento especial. 
Se o réu não recorrer da liminar (se o réu não agravar), haverá a estabilização da tutela 
antecipada antecedente. Isto é, a decisão se torna imutável e será extinto o processo sem 
mérito. 
Não gera coisa julgada (a cognição foi sumária e não exauriente), mas as partes podem 
dentro de 02 anos (prazo decadencial) ajuizar ação no 1º grau para ANULAR, REVER ou 
REFORMAR a decisão. 
Após esse prazo decadencial, a decisão se torna indiscutível. 
b) Indeferir a liminar: o autor terá que emendar (corrigir) em 05 dias, sob pena de 
indeferimento da inicial. 
Observação: Antes de deferir ou indeferir, o juiz poderá marcar audiência de 
justificação prévia. Não é obrigatório. 
 
2-Tutela Cautelar Antecedente: 
-Artigo 305 e seguintes. 
 Ao tratar da tutela cautelar antecedente, a lei nos referidos artigos tratou de um 
verdadeiro procedimento cautelar antecedente, isto é, a lei prevê uma sequência de atos até 
chegar na decisão que dá uma cautelar antecedente. 
 
 Procedimento cautelar antecedente: porque envolve uma sequência de atos. 
a) Inicial provisória: descreve os requisitos da cautelar,pede a cautelar e indica o 
pedido principal. 
b) O réu será citado 
c) É possível contestação em 05 dias. 
d) Se necessário, haverá instrução, ou seja, é possível produzir prova só quanto aos 
requisitos da cautelar. 
e) Decisão. Essa decisão pode: 
1-Conceder a medida cautelar \u2013 nesse caso, está previsto na lei que o autor terá 30 dias 
para efetivar a medida. Depois ele terá mais 30 dias da efetivação para aditar a inicial, sob 
pena de extinção. 
Após o aditamento, como o réu já estará citado, ocorrerá a audiência do artigo 334 do 
CPC, e segue o procedimento comum. 
2-Negar a medida \u2013 a lei nada fala da