Princípio da cronologia - Resumo
2 pág.

Princípio da cronologia - Resumo

Pré-visualização2 páginas
1
Processo Civil - Resumo
PRINCÍPIO DA CRONOLOGIA
O novo CPC de 201 5 dispôs sob re a observânci a da ordem cron ológica à qual
estariam vi nculados os ju ízes e os Trib unais, para p roferir sentença ou acórdão, s alvo
nos casos e xcepcionados p elo próprio c ódigo.
Tal disposi tivo gerou inúmeras d iscussões na doutrina acerca de seu
conteúdo, s endo ele derru bado pela Lei 13.256/16. A nova di sposição es tabelece que
a ordem cron ológica dos ju lgamentos d eve ser seg uida apenas em caráter
preferencial.
“Art. 12. Os juízes e os tr ibunais deverão obedecer à ordem cronoló gica de
conclusão para proferir sentença ou acórdão.
Art. 12. Os juízes e os tribunais atenderão, preferencialmente, à ordem
cronológica de conclusão para proferir sentença ou acórdão.
(Redação dada pela Lei nº 13.256, de 2016) (Vigê ncia).”
No mesmo sent ido, o art. 15 3, CPC, dispõe sobre o escr ivão e o chefe de
secretaria que dever ão publicar e cumprir os pronunciame ntos judic iais
preferencial mente na ord em em que fo rem recebidos no cartório, salvo os c asos
urgentes e quando das p referências l egais.
“Art. 153. O escrivão ou o che fe de sec retaria aten derá, p referencialm ente, à
ordem cronológica de recebimento para publicação e efetivação dos
pronunciamentos judiciais.
2
§ 2o Estão excluídos da regra do caput:
I - os atos urgentes, assim reconhecidos pelo juiz no pronunciamento judicial a
ser efetivad o;
II - as prefer ências legai s.”
A regra anterior foi uma ótima i niciativa par a evitar a preter ição dos pro cessos,
porém se const atou que o pro cedimento ju dicial seria ma is lento do qu e
necessariamente eficaz. Sem dúvidas, a escolha dos processos preferenciais não deve
ficar ao arb ítrio do juiz, sendo necessário a existência d e parâmetr os para que h aja
lógica na devol ução dos proce ssos pelo gab inete do juiz ao cartório. Porém, exigir o
julgamento pelo magistrado dos processos a ele c onclusos ex atamente na ordem
recebida é, sem dúvida, sem pert inência e op osto ao es perado ant e os casos urgente s
que demandam uma interve nção mais ráp ida.
Essa ordem cronológic a foi uma in ovação traz ida pelo CP C/2015, em relação
ao código a nterior. Ela constitui u ma realidad e que deve ser seguida sempre que for
viável, vis to que a lista de processos c onclusos ao juiz é elaborada e divulgada no
cartório e na internet , disponív eis para c onsulta públic a (art. 12, § 1º, CPC). A referida
lista é feit a por cada ór gão jurisdici onal (câmara, vara, trib unal...).