A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
Michelin,Simone. Utopia - Atopia – Heterotopia - Teletopia

Pré-visualização | Página 6 de 6

do Arte/Cidade que atraiu principalmente a 
participação de jovens artistas. Paralelamente a esses projetos mais oficiais e com maior 
visibilidade, movimentos efêmeros promovidos por artistas em grupos ou individualmente, 
como táticas de guerrilha urbana, encenando performances, promovendo ações e ocupações 
em partes da cidade quer seja com o corpo, ou no combate corpo-a-corpo ou por 
representação através de imagens veiculadas e produzidas de todos os modos possíveis em 
cartazes lambe-lambe, outdoors, mobiliário e sinalização urbanos, painéis eletrônicos, 
muros pintados ou grafitados, como ocorre ciclicamente desde a década de 1970. Algumas 
dessas iniciativas, eventualmente, são absorvidas por patrocinadores interessados em 
ampliar o público de seus próprios produtos ou serviços. Atualmente as operadoras de 
telefonia celular e seus fabricantes cooptaram avassaladoramente o movimento popular de 
música eletrônica a cena dos DJs e VJs que tantaliza a juventude do planeta.
Fig. HO MAM 1970 área de água
 
 Weltanschaung: Visão de mundo.
 Foucault localiza o começo desta construção no século XVII, “o que é surpreendente nas mutações 
epistemológicas e transformações do século XVII é ver como a espacialização do conhecimento foi um dos 
fatores na constituição desse conhecimento como uma ciência.” Os métodos de classificação das coisas 
baseavam-se no espaço “o objeto era espacializado” (Foucault, 1984/2002:377).
 Lefebvre, para quem o conhecimento não poderia restringir-se a uma linguagem bem projetada, ataca Julia 
Kristeva, Derrida (Gramatologia) e a Semiologia Geral de Roland Barthes “um corpo incompleto de 
linguagem expandindo-se sem noção de seus limites” (:7) por continuar a promover essa fetichização. 
Guattari em Caosmose faz crítica semelhante aos mesmos autores, especialmente a Barthes “foi um grave 
erro da corrente estruturalista pretender reunir tudo o que concerne à psique sob o único baluarte do 
significante linguístico” (2000:15).
 “Laclau e Mouffe usam o termo antagonismo para designar o relacionamento entre uma identidade 
social e um ‘lado-de-fora constitutivo’ que bloqueia sua compleição” (idem).
 Vide entre outros o texto Gesamdatenwerk: connectivity, transformation and transcendence, de 1989, 
publicado no livro Ars Electronica: Facing the Future, ed. Timothy Druckey, MIT Press, 1999. 
 Bibliografia Arlen, Lacy, Deutsche, Kwon, Mitchell, Wilson
 referência ao livro clássico adotado pela crítica dos anos 1980s The White Cube, the ideology of the 
gallery space, Brian O’Doherty, San Francisco, The Lapis Press:1976
 ver também onde Buren discute os problemas em torno da arte pública pegando com 
estudo de caso a última edição do Sculpture Projects in Münster, de 1997
 que é colocado em um local real porém como uma “produção (artificial) e consumo (de massa) de 
diferença (pela diferença em si)“ ( : 54 )
 como o caso de um dos presidentes da fundação bienal de são paulo, o banqueiro edmar cid ferreira, dono 
do banco santos, que claramente usava a arte para lavar dinheiro, obviamente ele não inventou esse tipo de 
estratégia.
 http://www.publicartfund.org/pafweb/projects/98/whiteread_98.html
 Creative Time: “presents the most innovative art in the public realm. From our base in New York, we 
work with artists who ignite the imagination and explore ideas that shape society. We initiate a dynamic 
conversation among artists, sites, and audiences, in projects that enliven public spaces with free and 
powerful expression; commissions, produces, and presents adventurous, temporary public artworks of all 
disciplines throughout New York City” HYPERLINK "http://www.creativetime.org/" http://
www.creativetime.org/. Public Art Fund: “is New York's leading presenter of artists' projects, new 
commissions, and exhibitions in public spaces. For over 25 years the Public Art Fund has been committed 
to working with emerging and established artists to produce innovative exhibitions of contemporary art 
for neighborhoods throughout New York City. By bringing artworks outside the traditional context of 
museums and galleries, the Public Art Fund provides increased access to the art of our time -dismantling 
any barriers to the accessibility of contemporary art - and provides artists with a unique opportunity to 
expand their artistic practice.” HYPERLINK "http://www.publicartfund.org/index.htm" http://
www.publicartfund.org/index.htm 
 “espaços reais e efetivos que estão delineados na própria instituição da sociedade, mas que constituem 
uma espécie de contra-organização, de utopia efetivamente realizada, no qual organizações reais que 
podem ser encontradas dentro da sociedade, estão de uma vez e ao mesmo tempo representadas, 
desafiadas e derrubadas (anuladas): uma espécie de lugar que situa-se fora de todos os locais e ainda é 
de fato localizável” (Foucault, 2002:352).
PAGE 
PAGE 1
sub-capítulo da tese Domínio Público, 2006; autor: Simone Michelin

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.