A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
trabalho de história

Pré-visualização | Página 1 de 1

Em busca da educação e da saúde do povo... Os “olhares” se voltam para a educação física 
 Nos últimos anos do império, a nova classe dirigente, mais identificada com as ideias de progresso e de desenvolvimento, passa a vincular a essas ideias a necessidade de uma educação publica e estatal para povo,uma vez que a ignorância deste impedia a entrada do país no mundo da modernidade.
 Uma economia urbano -comercial é desenhada,uma elite com ideias “burguesas”, europeias se projeta. 
A miséria e a prostituição crescem nas cidades; as doenças e as epidemias, de mãos dadas com morte, são o cartão de visita dos portos... O Capitalismo está nascendo no Brasil.
Rui Barbosa como representante das elites ressaltava:
 A ideia de educação como algo capaz de transformar a sociedade.
Surge a ideia da saúde e de
 como ser saudável. 
Para alcançar esse “ser”saudável 
 seria necessário recorrer à HIGIENE
 e, sobretudo,acentuar a sua
 importância na escola.
 
 É importante ressaltar que por parte da elite Brasileira houve entendimento semelhante das teorias sociais que se encontravam plenamente desenvolvidas na EUROPA do século XIX.
 Nesse quadro de assimilação seletiva e hierarquizada do ideário europeu,o liberalismo representa a própria visão de mundo da burguesia e é traduzido por diferentes correntes tais como o positivismo,evolucionismo,organicismo, os quais tiveram maior ou menor espaço na construção da sociedade BRASILEIRA. 
 
 A educação e a saúde, como práticas sociais, foram fortemente influenciadas por estas correntes de pensamento e receberam funções muito importantes no processo de transformação da sociedade brasileira.
 
 Para a elite dirigente a Educação física ministrada nas escolas contribuiria para forjar o indivíduo forte, robusto, saudável e disciplinado de que tanto necessitava a sociedade brasileira em formação.
 
 A educação física no Brasil, em suas primeiras tentativas para compor o universo escolar, surge como promotora da saúde física, da higiene física e mental, da educação moral e da reconstituição das raças.
 Para Rui Barbosa, os benefícios que se podia obter através da ginástica eram de enorme importância para a “educação” não apenas “física” do povo brasileiro, mas para a sua “educação plena”, ou seja, moral e intelectual.
Das inúmeras reformas do ensino que buscaram incorporar a ginástica nos currículos escolares, é preciso destacar o decreto n 7.247 de 19 e abril 1879 assinada por Carlos Leôncio de Carvalho, trazia já em sua grade curricular o espaço obrigatório para o ensino da ginástica nas escolas primárias e secundárias do município da Corte .
Em seu parecer de n 224 proferido pela câmara dos deputados em 2 de setembro 1882 sobre a reforma de Leôncio de Carvalho, Rui Barbosa sintetiza o conjunto de medidas que considera necessárias para que a ginástica se integre aos currículos escolares:
Evidência o caráter obrigatório, distingue-a das horas de recreio,estende a ginástica a ambos sexos.
A ginástica destinada as mulheres,devia acentuar suas formas feminis, pelo seu papel na sociedade “mulher/mãe” reprodutora da pátria.
 Rui Barbosa teve habilidade, diplomacia e “competência” para transformar a ginástica em conteúdo de ensino integrado aos currículos escolares. Procurou sempre, em nome do novo, do moderno, do científico, colocar a ginástica como potencialmente capaz desenvolver corpos saudáveis em meio á miséria física e social do povo, em meio a doenças, epidemias e morte. 
 
 Spiess, contribuiu para o desenvolvimento científico da ginástica.