A3 Neurotransmissão 2018.1 %5bModo de Compatibilidade%5d
27 pág.

A3 Neurotransmissão 2018.1 %5bModo de Compatibilidade%5d


DisciplinaPsicofarmacologia @emunys12 materiais51 seguidores
Pré-visualização1 página
FUNDAMENTOS DA 
NEUROTRANSMISSÃO
Faculdade da Cidade do Salvador
Curso: Psicologia
Prof.ª Angelita Peixoto
Qual a relação do estudo da neutransmissão
para psicofarmacologia?
A maior parte dos psicofármacos exerce seus efeitos 
por modificar a atividade sináptica, logo o 
conhecimento da estrutura e funcionamento da conhecimento da estrutura e funcionamento da 
sinapse é fundamental na psicofarmacologia.
(GRAEFF e GUIMARÃES, 2012)
Neurônio
\ufffd É considerada como unidade fundamental, com 
a função básica de receber, processar e enviar 
informações. (Machado, 2000)
Fonte: http://janelambulante.blogspot.com.br/2012/05/licao-do-neuronio.html
Neurônio
\ufffd Os neurônios recebem estímulos, convertendo-
os em cargas elétricas que serão transmitidas 
para outras células. (CUNHA, 2011)
O que é sinapse?
Sinapse
É junção especializada em que um terminal 
axonal faz contato com outro neurônio ou tipo axonal faz contato com outro neurônio ou tipo 
de célula. 
(BEAR; CONNORS; PARADISO, 2002)
Sinapse 
http://www.infoescola.com/sistema-nervoso/sinapse-quimica/
Tipos de sinapses
\ufffd Sinapses elétrica: permite a transferência direta de
substâncias entre as células, inclusive íons.
\ufffd Sinapses Química: permite a liberação de
substâncias química - neurotransmissores
Tipos de Sinapses
Fonte: https://sinapsaprender.wordpress.com/
Tipos de sinapses
A. Uma sinapse 
axodendrítica.
B. Uma sinapse 
axossomática.
C. Uma sinapse 
axoaxônica. 
Fonte: 
http://www.cerebromente.org.br/n12/fundamentos/neurotransmissores/neurotransmitters2_p.html
Neurotransmissores
\ufffd São mediadores químicos responsáveis pela
transmissão do impulso nervoso através das
sinapses. (MENEZES, 2011)
\ufffd A depender do neurotransmissor e dos
receptores da membrana pós-sináptica, a
passagem do impulso pela sinapse pode
provocar excitação ou inibição na célula
seguinte, isto é existem sinapse excitatórias e
inibitórias. (COSENZA, 2012)
Neurotransmissores 
\ufffd Sinapses excitatórias tornam mais provável que um
neurônio dispare e que um potencial de ação viaje
pelo axônio.
\ufffd Nas sinapses inibitórias fornecem informaçõesNas sinapses inibitórias fornecem informações
químicas que impedem a probabilidade de que o
neurônio dispare. (RENNER, et al, 2012)
Exemplos de neurotransmissores
\ufffd Acetilcolina (movimento muscular)
\ufffd Glutamato (memória e aprendizagem)
\ufffd Ácido Gama-Aminoburítico (GABA) (alimentação, sono)\ufffd Ácido Gama-Aminoburítico (GABA) (alimentação, sono)
\ufffd Dopamina ( atenção, prazer e recompensa)
\ufffd Serotonina (sono, humor, dor, depressão)
\ufffd Endorfinas (supressão da dor e apetite)
(RENNER, 2012)
Categoria dos neurotransmissores
\ufffd Os neurotransmissores aminoácido e aminas são
pequenas moléculas orgânicas armazenadas e
liberadas de vesículas sinápticas. (BEAR; CONNORS;
PARADISO, 2002)
\ufffd Os neurotransmissores peptídicos constituem-se de
grandes moléculas armazenadas e liberadas de
grânulos secretores. (BEAR; CONNORS; PARADISO,
2002)
Princípios da Transmissão Sináptica 
Química
Bear; Connors e Paradiso (2002) consideram como
requisito básico para transmissão sináptica química:
\ufffd Mecanismo de síntese dos neurotransmissores \u2013 seu
empacotamento.empacotamento.
\ufffd Mecanismo de liberação de neurotransmissores das
vesículas na fenda sináptica.
\ufffd Mecanismo de produção de resposta ao
neurotransmissor no neurônio pós-sináptico.
\ufffd Mecanismo de remoção dos neurotransmissores da
fenda sináptica
Síntese e Armazenamento de 
Neurotransmissores
\ufffd Neurotransmissores peptídicos:
(1) Um peptídio precursor é sintetizado no retículo
endoplasmático rugoso (2) O precursor peptídico é
clivado no aparelho de golgi, resultando em um
neurotransmissor ativo (3) os grânulos secretores sãoneurotransmissor ativo (3) os grânulos secretores são
transportados até o terminal axônico, onde serão
armazenados. (BEAR; CONNORS; PARADISO,
2002)
Síntese e Armazenamento de 
Neurotransmissores
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfvNQAI/3-sinapse?part=2
Síntese e Armazenamento de 
Neurotransmissores
\ufffd Neurotransmissores aminoácidos e aminas
(1) Enzimas convertem moléculas precursoras em
neurotransmissores no citosol (2) Transportadores
protéicos carregam os neurotransmissores paraprotéicos carregam os neurotransmissores para
dentro da vesícula sináptica no terminal axonal onde
ficam armazenadas. (BEAR; CONNORS; PARADISO,
2002)
Mecanismo de liberação de neurotransmissores das 
vesículas na fenda sináptica
\ufffd Quando o impulso nervoso atinge a membrana do
elemento pré-sináptico, origina uma pequena
alteração no potencial de membrana capaz de abrir
canais de cálcio, o que determina a entrada do íon.
O aumento desse íon culmina com a fusão deO aumento desse íon culmina com a fusão de
vesículas sinápticas com a membrana pré-sináptica.
Ocorre assim a liberação de neurotransmissor na
fenda sináptica. (MACHADO, 2000)
EXOCITOSE
Mecanismo de liberação de neurotransmissores das 
vesículas na fenda sináptica
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/FisiologiaAnimal/nervoso3.php
Potencial de Ação
\ufffd É uma inversão
transitória da
polaridade da
membrana.membrana.
\ufffd Potenciais de ação são
causados pela
despolarização da
membrana além do
limiar.
http://www.lookfordiagnosis.com/mesh_info.php?term=Transmiss%C3%A3o+Sin%C3%A1ptica&lang=3
Mecanismo de produção de resposta ao 
neurotransmissor no neurônio pós-sináptico
Os neurotransmissores liberados na fenda sináptica
podem se ligar a receptores específicos localizados
pré ou pós sinapticamente. Os receptores pré-
sináptico podem alterar a síntese e a liberação do
neurotransmissor, constituindo-se em mecanismo deneurotransmissor, constituindo-se em mecanismo de
autorregulação. A atuação do neurotransmissor em
receptores localizados na membrana pós-sináptica
altera suas propriedades elétricas, facilitando ou
dificultando a geração do potencial de ação.
(GRAEFF e GUIMARÃES, 2012)
http://www.cerebromente.org.br/n12/fundamentos/neurotransmis
sores/neurotransmitters2_p.html
Mecanismo de remoção dos 
neurotransmissores da fenda sináptica
\ufffd Por degradação enzimática na própria fenda 
sináptica
\ufffd Por recaptação da membrana pré-sináptica\ufffd Por recaptação da membrana pré-sináptica
Mecanismo de remoção dos neurotransmissores 
da fenda sináptica
Fonte: http://fach-uefs-mascarenhasrb.blogspot.com.br/
Referências 
\ufffd BEAR, Mark F.; CONNORS, Barry W.; PARADISO, Michael A. Neurociências 
Desvendando o Sistema Nervoso. 2ªed. Porto Alegre: Artmed, 2002.
\ufffd COSENZA, Ramon M. Fundamentos de Neuroanatomia. 4ª ed. Rio de Janeiro: 
Guanabara Koogan, 2012.
\ufffd GRAEFF, Frederico G. E GUIMARÃES, Francisco S. Fundamentos da \ufffd GRAEFF, Frederico G. E GUIMARÃES, Francisco S. Fundamentos da 
Psicofarmacologia. 2ª Ed. São Paulo: Atheneu, 2012
\ufffd MACHADO, A. Neuroanatomia Funcional. São Paulo: Atheneu, 2000.
\ufffd MENEZES, Murilo S. Neuroanatomia Aplicada. 3ª Ed. Rio de Janeiro. Guanabara 
Koogan, 2011.
\ufffd RENNER, Tanya et al. Psico. Porto Alegre: AMGH, 2012.