Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
ANATOMIA TOPOGRFICA DO DORSO

Pré-visualização | Página 1 de 4

Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● ANATOMIA TOPOGRÁFICA 
1 
 
www.medresumos.com.br 
 
INTRODUÇÃO AO DORSO E COLUNA VERTEBRAL 
 
O dorso compreende a face posterior do tronco, inferior ao pescoço e 
superior às nádegas. As estruturas que compõem o dorso são: Pele; Tela 
subcutânea; Músculos e fáscia muscular; Coluna vertebral e seus ligamentos; 
Parte vertebral das costelas; Medula espinal e parte proximal dos nervos 
espinais; e Vasos. 
O seguinte estudo detalha a estrutura e componentes da coluna 
vertebral. A coluna vertebral é uma estrutura segmentar que abrange a região 
cervical, o dorso (porção torácica e lombar da coluna vertebral), o sacro e o 
cóccix. É definida por uma sucessão de ossos (vértebras) no eixo supero-
inferior que suporta parte do peso corporal, protege a medula espinal e 
participa no movimento do corpo e na postura, sustenta o crânio. 
 
 
 
 
 
A coluna vertebral de um adulto é formada normalmente por 33 
vertebras organizadas em cinco regiões: 7 cervicais, 12 torácicas, 5 
lombares, 5 sacrais e 4 coccígeas. 
 Só há movimento significativo entre as 25 vértebras superiores: 
das 9 vértebras inferiores, 5 vértebras sacrais estão fundidas no adulto 
formando o sacro e 4 vértebras coccígeas se fundem para formar o 
cóccix. 
 A coluna vertebral é flexível porque é formada por vértebras 
relativamente pequenas, separadas por discos intervertebrais (IV) 
elásticos. As 25 vértebras cervicais, torácicas, lombares e a primeira 
sacral também se articulam nas articulações dos processos articulares. 
 
 
CURVATURAS DA COLUNA VERTEBRAL 
 A coluna vertebral do adulto possui 4 curvaturas: cervical, 
torácica, lombar e sacral. As curvaturas torácicas e sacral (cifoses) são 
côncavas anteriormente, enquanto as curvaturas cervical e lombar 
(lordoses) são côncavas posteriormente e convexas anteriormente. 
 As curvaturas primárias (torácica, Sacral e coccígea), com a 
concavidade anterior, se desenvolvem na vida intrauterina. 
 As curvaturas secundárias (cervical e lombar), com a 
concavidade posterior, são adquiridas em relação à postura humana ereta 
com o passar dos anos. 
 As curvaturas proporcionam flexibilidade adicional à coluna 
vertebral, aumentando ainda mais aquela proporcionada pelos discos 
interverterbais. Quando a carga sustentada pela coluna vertebral é muito 
aumentada, os discos IV e as curvaturas flexíveis são comprimidos. A 
sustentação de peso adicional anterior ao eixo gravitacional normal do 
corpo (por exemplo, mamas muito grande) também tendem a aumentar 
essas curvaturas. 
 
 
 
OBS: Curvaturas anormais na coluna: 
 Cifose: curvatura acentuada da porção torácica. 
 Hiperlordose: curvatura acentuada da porção lombar 
e lombo-sacral. 
 Escoliose: curvatura lateral anormal. 
 
 
 
Arlindo Ugulino Netto. 
ANATOMIA TOPOGRÁFICA DO DORSO 2016 
Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● ANATOMIA TOPOGRÁFICA 
2 
 
www.medresumos.com.br 
 
 
VÉRTEBRAS 
Apresentam como característica um corpo, um arco (pedículos e lâminas) e processos. 
O corpo vertebral é a parte anterior do osso, maior, aproximadamente cilíndrica, que confere resistência à 
coluna e sustenta o peso do corpo. 
O arco vertebral está situado 
posteriormente ao corpo vertebral e consiste em 
dois pedículos e uma lâmina. O arco vertebral e a 
superfície posterior do corpo formam o forame 
vertebral. A sucessão desses forames forma o 
canal vertebral (canal medular), que contém a 
medula espinal e as raízes dos nervos espinais que 
dela emergem. As incisuras vertebrais são 
entalhes observados em vistas laterais das 
vértebras acima e abaixo de cada pedículo. Os 
entalhes vertebrais superiores e inferiores de 
vértebras adjacentes se unem para formar os 
forames intervertebrais. 
Sete processos originam-se do arco vertebral: um processo espinhoso (mediano, que se projeta 
posteiormente), dois processos transversos (projetam-se posterolateralmente a partir da junção dos pedículos com a 
lâmina), quatro processos articulares (dois superiores e dois inferiores, em que cada um sustentam uma face articular). 
 
OBS: Como diferenciar as vértebras: 
 As vértebras cervicais são menores formando o esqueleto ósseo do pescoço. Possui o forame transverso ou 
forame do processo transverso (por onde passam as artérias vertebrais, ramos das subclávias, que sobe até a 
cabeça para irrigar o encéfalo). Em C7 esses forames são menores ou inexistentes. As vértebras cervicais 
possuem as características de vértebras cervicais típicas com exceção e C1 e C2. 
 C1 ou Atlas é um osso em forma de anel e sustenta o crânio (Atlas, segundo a mitologia grega, foi um titã 
condenado por Zeus a carregar o globo terrestre com as costas). Seus processos articulares articulam-se com 
os côndilos occipitais. O atlas não possui processo espinhoso, nem corpo. 
 C2 ou Axis é a mais forte vértebra cervical. Possui duas superfícies planas de articulação onde gira o Atlas. Sua 
principal característica é um dente projetado para cima a partir do corpo. 
 As vértebras torácicas diferem das demais por possuir faces costais para articulação com as costelas. Há uma 
ou mais faces em cada lado do corpo. Nos processos transversos há faces para articulação com os tubérculos 
costais. Seus processos espinhosos são longos e delgados. As vértebras de T4 a T8 são típicas. De T1 a T4 
existem algumas características de vértebras cervicais. E as vértebras de T9 a T12 possuem tubérculos 
semelhantes às vértebras lombares. 
 As vértebras lombares têm processos espinhosos visíveis com a flexão da coluna. Possuem corpos maciços e 
ausência de fóveas costais. Seus corpos têm forma de rim e seus forames vertebrais variam de ovais a 
triangulares. A maior de todas as vértebras, L5 é a responsável pelo ângulo lombossacral. 
 
 
Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● ANATOMIA TOPOGRÁFICA 
3 
 
www.medresumos.com.br 
 
 
 
 
 
 
 
 
Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● ANATOMIA TOPOGRÁFICA 
4 
 
www.medresumos.com.br 
 
OSSIFICAÇÃO DAS VÉRTEBRAS 
 Três centros primários (infância): 
o Um para o corpo (centro endocondral) 
o Dois para o arco (centro pericondral) 
 
 Cinco centros secundários (adolescência e adulto). 
o Um na extremidade do processo espinhoso. 
o Dois na extremidade dos processos transversos. 
o Dois nas epífises anulares (placas de crescimento epifisais) 
 
 Nove centros secundários (adolescência e adulto). 
o Um no processo espinhoso. 
o Dois dos processos transversos. 
o Dois nas epífises anulares. 
o Dois nos processos articulares superiores. 
o Dois nos processos articulares inferiores. 
 
 
ARTICULAÇÕES DA COLUNA VERTEBRAL 
 Com o occipital (articulações atlantoccipitais). 
 Entre o atlas e áxis (articulações atlantoaxiais). 
 Entre os corpos vertebrais (sínfise intervertebral). 
 Entre os processos articulares (articulações dos processos articulares). 
 Com as costelas (articulações costovertebrais). 
 Entre o sacro e o cóccix (articulação sacrococcígea). 
 Com o ílio (articulações sacroilíacas). 
 
ARTICULAÇÕES ATLANTOOCCIPITAIS 
Entre as faces articulares superiores do atlas e os côndilos do occipital. 
o Membrana atlantoccipital anterior 
o Ligamento atlantoccipital anterior 
o Membrana atlantoccipital posterior 
o Ligamento atlantoccipital posterior 
 
ARTICULAÇÕES ATLANTOAXIAIS 
 Entre as faces articulares inferiores do atlas e os processos 
superiores do áxis (atlantoaxiais laterias) e entre a fóvea para o dente 
do áxis (no atlas) com o dente do áxis (atlantoaxial mediana). 
o Ligamentos alares. 
o Ligamento do dente do áxis. 
o Ligamento cruciforme do atlas. 
 Fascículo longitudinal. 
 Fascículo transverso do atlas. 
 Membrana tectórica. 
 
SÍNFISE INTERVERTEBRAL 
 Entre os corpos vertebrais adjacentes, formada pelo disco intervertebral. 
 Anel fibroso (conexão anular 
fibrosa que consiste em fibras 
oblíquas, em direções 
alternadas, e cartilagem). 
 Núcleo pulposo (massa gelatinosa, 
semilíquida, que forma o centro 
do
Página1234