A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
higiene vocal  - cuidando da voz - Polo Bage

Pré-visualização | Página 1 de 3

Higiene Vocal
Cuidando da voz
BEHLAU, Mara; PONTES, Paulo. Higiene Vocal: cuidando da voz. 4. ed. Rio de 
Janeiro: Revinter, 2009.
Compilação: profa. Lúcia Teixeira
PROJETO MÚSICA NAS ESCOLAS DO RS – Polo Bagé/Alegrete
Profa. Luana Zambiazzi dos Santos
Profa. Lúcia Teixeira
Profa. Maria Alice Severo
Profa. Niandra Lacerda
• Uma definição:
• “Higiene vocal consiste em normas básicas que auxiliam a preservar a saúde vocal e a
prevenir o aparecimento de alterações e doenças”.
• Pontos importantes:
• “compreender como a voz é produzida e quais os órgãos envolvidos nesse processo”;
• “saber quais são os inimigos de uma boa voz, ou seja, os hábitos nocivos que prejudicam
e colocam em risco a saúde vocal”
• “saber quais são os procedimentos básicos para mantermos nossa emissão saudável por
toda a vida”.
Higiene Vocal
Fumo
• O fumo é altamente nocivo, pois a fumaça quente agride todo o sistema respiratório, e, principalmente, as
pregas vocais;
• Mucosa: tecido que reveste a laringe e as pregas vocais. Possui cílios móveis cuja função é deslocar o muco
(secreção) para fora do trato vocal. Somente as bordas livres das pregas vocais não possuem cílios, em razão
de sua vibração no momento da fonação.
• A fumaça age diretamente sobre a mucosa, provocando duas reações: uma de defesa, através da descarga
intensa de muco; outra, envolve a parada da movimentação ciliar, o que ocasiona um depósito de muco,
provocando o pigarro. Assim, as toxinas do cigarro são diretamente depositadas sobre as pregas vocais,
favorecendo o aparecimento de alterações provocadas pela irritação do trato vocal, tais como laringites
crônicas.
Álcool
• Produz desidratação e irritação do aparelho fonador;
• Causa imunodepressão, ou seja, uma redução nas respostas de defesa do organismo.
• A sensação de melhora vocal aparente, em algumas pessoas, ocorre porque, nas primeiras doses, há
uma redução de controle cortical do cérebro, fazendo com que o indivíduo sinta-se mais solto; ocorre
uma leve anestesia da faringe e, com a redução de sensibilidade nessa região, os abusos vocais são mais
frequentes.
• Bebidas alcoólicas fermentadas: cerveja, champanhe e vinho;
• Bebidas alcoólicas destiladas: uísque, vodca, cachaça, conhaque.
• As bebidas destiladas irritam e agridem mais intensamente o trato vocal, especialmente quando
associadas às fermentadas.
Drogas
• O uso de drogas inalatórias ou injetáveis tem ação direta sobre a laringe e a voz.
• Maconha: provoca irritação da mucosa das pregas vocais pela inalação da fumaça e pelas toxinas liberadas
na queima do papel onde a erva é enrolada. Em indivíduos que usam maconha, percebe-se uma voz mais
grave, imprecisão na articulação dos sons da fala e alterações no ritmo e na fluência da comunicação.
• Cocaína: a aspiração de cocaína em pó lesa diretamente o trato vocal, irrita e provoca vasoconstrição
(contração dos vasos sanguíneos = aumento da pressão arterial). Efeitos comuns: ulcerações na mucosa
das pregas vocais, perfuração do septo nasal, abuso vocal provocado pela redução do controle vocal,
hipotonia muscular (fraqueza).
Hábitos vocais inadequados
• Abusos que podem provocar lesão nas pregas vocais:
� Pigarrear;
� Tossir (tosse seca constante e sem secreção);
� Competir com o ruído ambiente.
• Dicas: 
� Pigarro persistente e muco viscoso são sinais de hidratação insuficiente. Beba muita água!
�Quando houver secreção persistente, respire profundamente pelo nariz e degluta em seguida. Isso 
auxilia no deslocamento da secreção da área vibratória das pregas vocais.
• A competição sonora é uma resposta à poluição auditiva. É comum querermos
manter a conversação em ambientes ruidosos. No entanto, é aconselhável manter a
intensidade vocal em nível moderado em todas as situações de comunicação.
• Falar sussurrado também deve ser evitado, pois provocamos esforço vocal excessivo,
já que bloqueamos a livre vibração das pregas vocais e o som é produzido pela fricção
do ar.
Observação: A resistência vocal depende do metabolismo de cada organismo.
Posturas corporais inadequadas
• Comunicamo-nos utilizando não somente a voz, mas o corpo todo. Assim, alguns desvios de
postura devem ser evitados:
� Cabeça elevada ou inclinada para os lados;
� Tensão no rosto com articulação travada;
� Peito comprimido;
�Ombros erguidos ou rodados para a frente.
• Dica: Manter um eixo vertical (alinhamento da coluna)
Poluição
• A poluição do ar que respiramos pode provocar alterações vocais e laríngeas. Um dos
principais agentes da poluição atmosférica são os automóveis, que emitem monóxido
de carbono, chumbo, óxidos de nitrogênio, ozônio e outras emissões tóxicas.
• Também a fumaça, o vazamento de vapores químicos, o gelo seco, a queima de fogos
de artifício projetam toxinas químicas no meio ambiente;
• Poluição auditiva: provoca o Efeito Lombard (competição com o ruído ambiente).
Alergias
• A alergia é uma sensibilidade elevada do organismo em resposta à exposição a determinadas substâncias. Pode
ocorrer em reação a algo que foi inalado, injetado, ingerido ou absorvido pela pele.
• Alergias frequentes das vias respiratórias: bronquite, asma, rinite e laringite. O edema (inchaço) das mucosas das vias
respiratórias dificulta a livre vibração das pregas vocais. A presença constante de catarro também pode provocar
irritação da laringe.
• Efeitos da alergia para o cantor: dificuldades para alcançar notas agudas, quebras no som e menor agilidade vocal.
• Efeito adicional: os próprios remédios empregados para o tratamento da alergia, tais como descongestionantes e
anti-histamínicos, ressecam a mucosa das pregas vocais, prejudicando a produção vocal.
Alimentação inadequada
“Muitos indivíduos estressados acabam buscando compensação na alimentação, atirando-se de forma
indiscriminada e descontrolada sobre qualquer alimento. Isso é especialmente prejudicial se você usa
sua voz profissionalmente. Por outro lado, dietas absurdas e modismos alimentares também podem
colocar sua voz em risco.”
• Profissionais da voz devem estar bastante atentos à sua alimentação. De modo geral, devemos
compor nosso cardápio com um consumo elevado de carboidratos, grãos, vegetais, legumes e
frutas, baixos níveis de gordura e muitas fibras. As proteínas (leite, queijo, carnes, ovos e legumes)
são as principais responsáveis pela massa muscular. Como a produção vocal requer alto gasto
energético, a ingestão de proteínas é fundamental. Ex: Cantores líricos chegam a perder um quilo
após um concerto.
• Alimentos pesados ou muito condimentados tornam a digestão mais lenta e dificultam a livre movimentação do diafragma, músculo
essencial para a respiração. Assim, grande parte da energia corporal passa a ser utilizada no processo digestivo, prejudicando a função
vocal.
• Evitar:
� Ficar muito tempo sem se alimentar;
� Ingerir excesso de cafeína (café, chimarrão, chá preto e refrigerantes feitos à base de cola);
� Alimentar-se tarde da noite, antes de dormir;
� Ingerir muitos condimentos, pois favorecem o refluxo gastresofágico;
� O consumo de chocolate, leite e derivados antes do uso intensivo da voz, pois aumentam a produção de muco, prejudicando a
ressonância e favorecendo o aumento da produção de pigarro;
� Bebidas gasosas, pois favorecem a flatulência (distensão gástrica ou intestinal por gases), prejudicando o controle da voz;
� Ingestão de bebidas ou alimentos muito gelados ou muito quentes (choque térmico).
Alimentação inadequada
• Pastilhas, sprays e balas podem atenuar as sensações desagradáveis na voz, mas mascaram a dor ou o
esforço vocal, prejudicando ainda mais o estado das mucosas.
• Para limpeza do trato vocal recomenda-se:
� Maça: possui ação adstringente (diminui o excesso de secreção), contribui na limpeza da boca e da faringe.
Porém, não