A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
higiene vocal  - cuidando da voz - Polo Bage

Pré-visualização | Página 2 de 3

é um tratamento;
� Sucos cítricos, especialmente os de laranja e de limão: ajudam na absorção do excesso de secreção. Porém,
se ingeridos em excesso, podem provocar o refluxo gastresofágico;
� Hidratação: ingestão de muita água (lubrificação).
Sugestões
Falta de repouso adequado
• Sinais de fadiga vocal: produção vocal de baixa intensidade (voz baixa e fraca) e voz soprosa (ar na
voz).
• Em geral, precisamos de 8 horas de sono para a reposição de energias no organismo, mas esse
número pode variar entre 6h e 8h, dependendo do indivíduo.
• Um noite mal dormida pode ocasionar uma voz com rouquidão discreta, tornando-se mais
pesada, fraca e com presença de ar, velocidade de fala mais lenta e imprecisão na dicção.
• Dica: se precisar da voz de forma intensiva no dia seguinte, durma suficientemente à noite.
• Após o uso vocal prolongado, é necessário o repouso ou utilização limitada da voz. O repouso
deve compreender o mesmo número de horas em que a voz foi exigida. Se não for possível
realizá-lo, o repouso vocal relativo é recomendado e consiste em restringir a quantidade e a
intensidade da fala: falar baixo, pausadamente e com frases curtas.
• O risco de lesões nas pregas vocais, para profissionais da voz, é reduzido com o hábito de
realização de exercícios de aquecimento vocal.
• Alerta! O repouso vocal, porém, não cura o problema vocal já instalado.
Refluxo gastresofágico
• O refluxo gastresofágico corresponde à passagem do suco gástrico para o esôfago, que sobe em
direção à boca, atacando a laringe e as pregas vocais.
• Entre os sintomas estão: queimação no esôfago, azia, regurgitação de alimentos, pigarro constante,
sensação de corpo estranho ou bola na garganta, saliva viscosa, mau hálito, problemas digestivos.
• Substâncias que favorecem o refluxo: alimentos gordurosos e condimentados, cafeína, leite e
achocolatados, refrigerantes, bebidas gasosas, álcool, frituras, produtos dietéticos, sucos de frutas
cítricas.
• Dicas:
� Elevação da cabeceira da cama (uso de tijolos ou pedaços de madeira sob os pés da cama, na
cabeceira);
�Não dormir de estômago cheio; aguardar em torno de 3h para dar tempo de ocorrer a digestão.
Ar condicionado
• O resfriamento do ambiente é acompanhado por uma redução da umidade
do ar, o que provoca ressecamento das mucosas das pregas vocais.
• Dicas:
�No inverno, com o uso do ar quente, é conveniente colocar-se vasilhas com
água no mesmo ambiente do ar condicionado, pois o calor provoca a
evaporação da água, o que ajuda na umidificação do ar;
�Tanto com o uso de ar quente ou frio, deve-se tomar água para ajudar a
hidratar as mucosas do trato vocal.
Hidratação
Para que a voz seja produzida, a vibração das pregas vocais é muito rápida, de forma
que a mucosa deve estar solta e flexível. Para que essa vibração ocorra de modo livre, é
preciso que a laringe esteja bem hidratada.
• Quando se bebe água, a hidratação das pregas vocais ocorre de forma indireta, pois
o líquido passa pela faringe e pelo esôfago (tubos situados atrás da laringe) para
chegar ao estômago. A hidratação se faz pela corrente sanguínea;
• A hidratação é essencial também para o sistema de ressonância. Quando temos
gripe e dormimos de boca aberta – o que causa um ressecamento do aparelho
respiratório –, a voz só melhora depois de tomarmos alguns goles d’água.
• Dicas:
� Recomenda-se aos profissionais da voz (professores, cantores, locutores, atendentes
de tele-marketing, entre outros), tomar um copo d´água antes de fazerem uso
prolongado da voz, e se manterem hidratados bebendo, de quando em quando,
alguns goles;
�O controle do nível de hidratação pode ser feito por meio da urina, que deve ser
praticamente transparente. Urina escura, amarelada, indica falta de hidratação ideal;
� Para hidratação imediata, recomenda-se beber bebidas isotônicas (do tipo Gatorade),
que favorece a hidratação dos tecidos, ou ainda a água de coco, que hidrata
rapidamente;
�Hidratação por via direta: pode ser feita por meio da aspiração de gotas de água pelo
nariz, com o uso de um algodão embebido em água, ou ainda através de inalação de
vapor d’água ou sauna úmida.
Mudanças de temperatura
• O clima frio e úmido pode afetar o trato respiratório, favorecendo o aparecimento
de inflamações e infecções que impedem a livre produção vocal. Por outro lado,
climas excessivamente secos podem causar ressecamento do trato vocal; dessa
forma, é necessário manter uma boa hidratação.
• Correntes de ar frio podem ser perigosas, especialmente se o indivíduo estiver
transpirando ou pouco agasalhado. Para prevenir-se contra os resfriados aconselha-
se: descanso, alimentação equilibrada, proteção contra mudanças bruscas de
temperatura e evitar o contato com pessoas gripadas.
Vestuário
• Evitar a compressão na região do pescoço, onde se localiza a laringe, e no abdômen,
onde situa-se o músculo diafragma;
• Os alérgicos devem evitar roupas sintéticas e preferir os tecidos compostos de fibras
naturais; cuidar ainda os sabões e amaciantes utilizados na lavagem das roupas em
máquinas de lavar;
• A postura corporal é essencial para uma produção vocal adequada; assim, prefira os
sapatos confortáveis, de salto baixo (para as mulheres).
Esportes
• Indivíduos que têm boa forma física e que se dedicam a algum esporte mantêm suas
vozes jovens e sem sinais de envelhecimento ao longo dos anos;
• Os esportes mais indicados aos profissionais da voz são a natação e a caminhada,
pois ativam o corpo e melhoram a respiração. Ioga, alongamento corporal e Pilates,
além de massagem e técnicas de relaxamento podem ajudar no equilíbrio da
musculatura.
• Dica: Evitar realizar exercícios físicos e falar ao mesmo tempo, pois causa
sobrecarga ao aparelho fonador.
Alterações hormonais
• Puberdade: dos 11 aos 16 anos ocorrem alterações hormonais que provocam instabilidade vocal.
Esta dura, em média, 6 meses. Há crescimento das estruturas da laringe e a voz se estabiliza em uma
nova faixa de frequência.
• Menopausa e andropausa: há uma queda de hormônios. Nas mulheres há uma tendência à voz ficar
mais grave e, nos homens, à agudização. No entanto, em indivíduos que têm boa forma física e
possuem vozes treinadas, a tendência é a de mantê-las joviais e saudáveis por mais tempo.
• Período pré-menstrual: pode se manifestar discreta rouquidão, voz mais grave, cansaço vocal, perda
de potência na voz em razão do edema (inchaço) das pregas vocais causado pelas alterações
hormonais.
• Gestação: ao final da gestação e nos primeiros meses pós-parto podem ser observadas alterações
vocais em função das alterações hormonais ou mesmo por incoordenação da respiração.
Medicamentos
• São prejudiciais às pregas vocais:
�Analgésicos que contêm ácido acetilsalicílico (ex.: Aspirina), pois podem provocar hemorragia nas
pregas vocais. Opte por medicações que contenham paracetamol (ex.: Tylenol) ou a dipirona (ex.:
Novalgina);
�Antibióticos;
� Sprays nasais: devem ser usados apenas durante crises alérgicas, rinites ou gripes que provocam o
bloqueio das vias respiratórias. Seu uso não deve se estender por mais de 5 dias, pois a utilização
prolongada pode gerar o “efeito rebote”, que se caracteriza por um inchaço da mucosa quando da
interrupção da medicação, provocando obstrução nasal ainda mais intensa. Lembrar que os
descongestionantes têm, como efeito secundário, o ressecamento da mucosa do nariz e da laringe.
�Antitussígenos: suprimem a tosse, mas são altamente irritativos das pregas vocais; causam
ressecamento.
� Descongestionantes, anti-histamínicos e corticosteróides usados para alergias e inflamações provocam a diminuição
das secreções do trato respiratório, porém ressecam o nariz, a laringe e a boca;
� Antidiarréicos: efeito de ressecamento como o do quadro anterior;
� Diuréticos: reduzem a saliva, ressecamento