Desenvol. Id. adulta e t AULATerceira Idade 3

Desenvol. Id. adulta e t AULATerceira Idade 3

Pré-visualização1 página
Desenvolvimento da idade Adulta e terceira idade
Aspectos biopsicossociais do envelhecimento
Gláucia Braga
Estágios
8º IDADE \u2013 A partir dos 65 anos \u2013 Envelhecimento
Integridade X Desesperança
Desenvolvimento físico
Ocorre a diminuição na capacidade funcional dos sistemas orgânicos: taxa de metabolismo basal, índice cardíaco, capacidade respiratória, taxa de filtração renal.
Menor reserva de energia, diminuição da atividade, declínio na capacidade para trabalho físico.
Aumento na prevalência de doenças crônicas e disfunções metabólicas. 
Senescência - Processo de tornar-se senil.
Geriatria - especialidade médica que estuda e trata das doenças ligadas ao envelhecimento.
Gerontologia - ciência que estuda o processo de envelhecimento em suas dimensões biológica, psicológica e social.
Desenvolvimento da linguagem
Ocasionalmente inabilidade em relembrar palavras comuns ou referências.
Desenvolvimento cognitivo
Perda progressiva de memória.
Desenvolvimento afetivo e social
No momento da aposentadoria, a autoridade e status ficam diminuídos, ocorre uma revisão da vida em termos de sucessos e falhas, foco nos rituais de herança.
A adaptação ao processo de envelhecimento nem sempre é tranquila, há preocupação com medos de dependência e deterioração física e mental.
Ocorre limitação nas habilidades e mobilidade, restrição dos contatos habituais, perdas do cônjuge, dos irmãos, familiares, amigos.
Há uma mudança do senso de controle para a submissão às demandas do ambiente, senso de sabedoria, o amor afetivo domina o físico.
Raio de relações significantes: 
A humanidade como um todo e seu próprio grupo social.
Erikson - Integridade do Ego versus Desespero
Este estágio é caracterizado por "ter tomado conta de coisas e pessoas" e avaliar os sucessos e desapontamentos.
 Sentimento de que o tempo é curto para mudanças a fazer.
Algumas pessoas reagem bem frente ao estilo do estilo de vida adotado e apresentam um sentimento positivo quanto ao significado da vida, desenvolvendo até mesmo novos interesses. 
Outros diminuem sua autoestima e podem sentir desespero quanto às realizações e significado da vida, levando a um medo intenso da morte.
Como ajudar o idoso?
O foco da ajuda recai no suporte social.
É importante manter, restabelecer ou desenvolver rede de suporte social (religioso, social, familiar).
Importante:
Prover um nível de cuidados que não exceda a necessidade.
Explorar alternativas de cuidado em casa ou outras opções.
Encorajar o idoso a manter uma agenda sistemática de uso regular de medicação, ida ao dentista e outros cuidados.
Orientar a procurar grupos de autoajuda quando necessário.
Não tratar o idoso como criança ou deficiente mental.
Avaliar sempre a compreensão do idoso sobre as orientações recebidas.
Planejar a sua rotina diária com ajuda se necessário (banho, por ex.).
Conseguir ajuda para perdas sensoriais (ajudam auditiva, óculos, livros em cassetes, jornais em letras maiores).
Prover orientações tempo-espaço (grandes relógios, calendários, luzes à noite).
Prover cuidadores consistentes.
Estimular uma revisão positiva da vida passada e das realizações.
Compreender e apoiar perdas pessoais e físicas.
 
Próxima aula:
Síndrome da fragilidade