A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
soteriologia

Pré-visualização | Página 1 de 3

SOTERIOLOGIA (Doutrina da Salvação)
	MÉDIO EM TEOLOGIA
	
	VIDA NOVA COMUNIDADE PENTECOSTAL
	
	PROJETO TEOLOGIA AO ALCANCE DE TODOS
	WWW.VNCP.COM.BR
	
�
SOTERIOLOGIA (Doutrina da Salvação)
INTRODUÇÃO
A soteriologia trata da comunicação das bênçãos da salvação ao pecador e seu restabelecimento ao favor divino e à vida de Íntima comunhão com Deus. Esta doutrina pressupõe conhecimento de Deus como a fonte da vida, do poder e da felicidade da humanidade,e da completa obediência em que o homem está de Deus, para o presente e para o futuro. Desde que ela trata de restauração, redenção e renovação, só pode ser apropriadamente compreendida à luz da condição originária do homem, criado à imagem de Deus, e da subseqüente perturbação da adequada relação entre o homem e o seu Deus, perturbação causada pela entrada do pecado no mundo.A Ordem da Salvação (A Ordo Salutis) A ordo salutis descreve o processo pelo qual a obra de salvação, realizada em Cristo, É concretizada objetivamente nos corações e vida dos pecadores. Visa a descrever, em sua ordem lógica e também em sua interrelação, os vários movimentos do Espírito Santo na aplicação da obra de redenção. A ênfase não recai no que o homem faz, ao apropriar-se da graça de Deus,mas no que Deus faz, ao aplicá-lo.Pode-se levantar a questão sobre se a BÍBLIA alguma vez indica uma ordo salutis definida. A resposta é que, embora ela não nos dê explicitamente uma ordem da salvação completa, oferece-nos base suficiente para a referida ordem. A melhor aproximação a algo como uma ordo salutis na Escritura é a declaração e Paulo em (Rm 8:29,30). Alguns teólogos luteranos baseavam artificialmente a enumeração dos vários movimentos na aplicação da redenção em (At 26:17,18). Mas, conquanto a BÍBLIA não nos dê uma nítida ordo salutis ela faz duas coisas que nos ajudam a elaborar uma ordem. (1) Dá-nos uma completa e rica e numeração das operações do Espírito Santo na aplicação da obra realizada por Cristo a pecadores individuais, e das bênçãos da salvação comunicadas a eles. (2) Ela indica, em muitas passagens e de muitas maneiras, a relação que os diferentes movimentos satuantes na obra de redenção os mantêm uns com os outros. Ela ensina que somos justificados pela fé, e não pelas obras (Rm3:30 ; 5:1 ; Gl 2:16-20), que, sendo justificados, temos paz com Deus e acesso a ele, (Rm 5: 1,2) ; que ficamos livres do pecado para tornar-nos servos da justiça e para colhermos o fruto da santificação (Rm 6:18,22) ; que quando somos adotados como filhos, recebemos o Espírito, que nos dá segurança e também nos tornamos co-herdeiros com Cristo (Rm 8:15-17 ; Gl 4:4-6), que a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus(Rm 10:17), que a morte para a lei redunda em vida para Deus(Gl 2:19,20), que, quando cremos, somos selados com o Espírito de Deus (Ef 1:13,14), que È necessário andar de modo digno da vocação com que somos chamados (Ef 4:1,2) que, tendo obtido a justiça de Deus pela fé, participamos dos sofrimentos de Cristo, também do poder da ressurreição (Fp 3:9,10), e que somos gerados de novo mediante a Palavra de Deus, ( 1 Pe 1:23).Estas passagens e outras semelhantes indicam a relação dos vários movimentos da obra redentora, uns com os outros, e, assim,dão base para a elaboração de uma ordo salutis.Operações do Espírito Santo em Geral. A escritura nos ensina a reconhecer certa economia na obra de criação e redenção e autoriza o que falamos do Pai e da nossa criação, do Filho e da nossa redenção, e do Espírito Santo e da nossa santificação. O Espírito Santo não somente tem uma personalidade que lhe é própria, mas também tem um método peculiar de trabalho, e, portanto, devemos distinguir entre a obra de Cristo merecendo a salvação e a obra do Espírito Santo aplicando-a. Cristo Satisfez as exigências da justiça divina e mereceu todas as bênçãos da salvação. Mas sua obra ainda não está terminada. Ele a continua no céu, a fim de dar àqueles por quem Ele entregou Sua vida, a posse de tudo quanto mereceu por eles. Cristo mesmo indica a Íntima conexão quando diz :quando vier, porém o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade ; porque não falará por si mesmo, mas dir· tudo o que tiver ouvido, e vos anunciar· as cousas que hão de vir.Ele me glorificar· porque há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar, ( Jo 16:13,14). O Espírito que permanece nas criaturas e do qual a sua própria existência depende, provém de Deus e as liga a Deus, (Jó 32:8 ; 33:4 ; 34:14,15 ; Sl 104:29 ;Ts 42:5 ). Deus é chamado Deus (ou Pai) dos espíritos de toda carne (Nm 16:22, 27:16 ; Hb 12:9). O Espírito de Deus gera vida e leva a completar-se a obra criadora de Deus, (Jó 33:4,34:14,15 ; Sl 104 : 29,30, Is 42:5). A Escritura diz repetidamente que o Espírito do Senhor veio (poderosamente) sobre elesî,( Jz 3:10; 6:34; 11:29; 13:25; 14:6,19; 15:14). Na verdade,há um espírito no homem, e o sopro do Todo - poderoso o faz entendido, (Jó 32:8). O EspÌrito do Senhor fala por meu intermédio, e a sua palavra está na minha língua, (2 Sm 23:2).A Doutrina da Graça. Os ensinos da Escritura acerca da graça de Deus ressaltam o fato de que Deus distribui suas bênçãos aos homens de maneira livre e soberana, e não em consideração a algum mérito dos homens, que os homens devem todas as bênçãos da vida a um Deus benigno, perdoador e longânimo ; e especialmente que todas as bênçãos da obra da salvação são dadas gratuitamente por Deus, e de maneira nenhuma são determinada pelos supostos méritos dos homens e expressa claramente com as seguintes palavras. Porque pela graça sois salvos, mediante a fé ; e isto não vem de nós é dom de Deus, não de obras, para que ninguém se glorie, (Ef 2:8,(). Ele deu forte ênfase ao fato de que a salvação não é pelas obras. (Rm 3:20-28; 4:16 ; Gl 2:16).A Graça de Deus na obra de redenção. Em primeiro lugar a graça é um atributo de Deus uma das perfeições divinas. É o livre, soberano e imerecido favor ou amor de Deus ao homem, no estado de pecado e culpa em que este se encontra, favor que se manifesta no perdão do pecado e no livramento de sua pena. A graça está relacionada com a misericórdia, de Deus, em distinção da Sua Justiça. Esta é a graça redentora no sentido mais fundamental da expressão. É a causa última do propósito eletivo de Deus, da justificação do pecador e da sua renovação espiritual; e È a prolífica fonte de todas as bênçãos espirituais e eternas. Em segundo lugar, o termo Graça é empregado como um designativo da provisão objetiva que Deus fez em Cristo para a salvação do homem. Cristo, como o mediador, È a encarnação viva da graça de Deus. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós cheio de graça e de verdade, (Jo 1:14). Paulo tem em mente a manifestação de Cristo, quando diz: Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens (Tt 2:11). Diz João : A lei foi dada por intermédio de Moisés ; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo, (Jo 1:17). Em terceiro lugar, a palavra graça é empregada para designar o favor de Deus como é demonstrado na aplicação da obra de redenção pelo Espírito Santo. É aplicada ao perdão que recebemos na justificação, um perdão dado gratuitamente por Deus, (Rm 3:24 ; 5:2,21; Tt 3;15). mas, em acréscimo a isso, também é um nome compreensivo, abrangendo todos os dons da graça de Deus, as bênçãos da salvação e as graças espirituais que são acionadas nos corações e vidas dos crentes pela operação do Espírito Santo, (At 11:23; 18:27 ; Rm 5:17 ; 1 Co 15:10 ; 2 Co 9:14 ; Ef 4:7 ; Tg 4: 5,6 ; 1 pe 3:7).O espírito é chamado Espírito da graça, (Hb 10:29).Processo da Ordem da Salvação Regeneração - A regeneração consiste na implantação do principio da nova vida espiritual no homem, numa radical mudança da disposição dominante da alma, que, sob, a influencia do Espírito Santo, dá nascimento a uma vida que se move em direção a Deus. Em principio, esta mudança afeta o homem completo, o intelecto ( 1 Co 2:14; 2 Co 4:6 ; Ef 1:18;Cl 3:10 ), a vontade (Sl 110:3 ; Fp 2:13 ;2Ts 3:5; Hb 13:21), e