Resumo Matéria Direito Civil II   das Obrigações (Parte 06)

Resumo Matéria Direito Civil II das Obrigações (Parte 06)


DisciplinaDireito Civil II10.255 materiais116.856 seguidores
Pré-visualização1 página
Matéria Civil II (Direito das Obrigações) parte 06 
Autor: René Antunes Moreira Neto 
 
Transmissão da Obrigações 
 
Transmitir para outra pessoa (acessório as chamadas obrigações) 
 
-> Negócio jurídico em abstrato: sem necessariamente um contrato (nós combinamos alguma 
coisa) 
 
Obs.: abstrato: amplo serve para várias situações. 
 
-> Mudança do titular 
 
-> sem causar a extinção da obrigação 
 
1. Cessão de crédito 
 
2. Cessão de débito (= assunção de dívida (débito)) 
 
3. Cessão de contrato: pode ser que haja um contrato 
 
Obs.: titularidade: quem é o dono do assunto 
 
Bens corpóreo: têm existência material, perceptível pelos nossos sentidos, como os 
bens móveis (livros, joias etc.) e imóveis (terrenos etc.) em geral. 
 
Em contraposição aos mesmos, encontram-se os: 
 
Bens incorpóreos: abstratos, de visualização ideal (não tangível), patentes, 
desenhos industriais, marcas etc. 
 
- Cessão de crédito: passa para outra pessoa para outro titular (pode ser só corpóreo) 
 
Art. 286. O credor pode ceder o seu crédito, se a isso não se opuser a natureza da obrigação, a lei, ou a 
convenção com o devedor; a cláusula proibitiva da cessão não poderá ser oposta ao cessionário de boa-fé, se não 
constar do instrumento da obrigação. 
 
É a transmissão, gratuita ou onerosa, de um direito de crédito a outrem, que, ingressando na 
relação originária, poderá exigir do devedor a prestação. 
 
Ex.: que A seja credor de B na quantia de R$ 100.000,00, que deverá ser paga em 60 (sessenta) 
dias. 
A, precisando imediatamente de dinheiro, transfere o seu crédito a C, pessoa estranha à relação 
obrigacional, pelo valor de R$ 90.000,00. 
B, uma vez notificado, terá que pagar a dívida a C, que passou, pela cessão, a ser o credor. 
Perceba que a cessão onerosa de crédito permite especulação, o que a torna atraente sobretudo 
ao comércio. Por conta disso, há, inclusive, atividades empresariais voltadas à negociação de 
créditos, como as factorings. 
 
- Voluntaria ou convencional: 
Voluntaria: por minha vontade. 
Convencional: unir o útil ao agradável. 
 
- Necessária ou legal: 
Necessária: não é a lei quem faz a previsão mas precisa estar prevista em lei. 
Legal: prevista no ordenamento jurídico. 
 
- Judicial: determinado pelo poder judiciário. 
 
- Gratuita ou onerosa: (ligada a voluntaria) 
Gratuita: não tem ônus para ninguém. 
Onerosa: é a mais comum tem custa de alguma coisa. 
 
- Total ou Parcial: 
Total: passando tudo 
Parcial: alguma coisa a receber dividida em partes eu recebo uma parte e ela outra. 
 
 
Não confundir \u201cCessão de Crédito\u201d com: 
a) Compra e venda 
-> pode ser corpóreo / incorpóreo 
-> somente duas pessoas comprador / Vendedor. 
-> só incorpóreo 
-> cedente / Cessionário / Cedido 
b) Novação subjetiva 
(Zera a situação muda a classificação da obrigação) 
Novação: extinção da obrigação anterior -> novo crédito. 
Obs.: A cessão não extingue a obrigação 
c) \u201cSub-rogação\u201d -> pressupõe o cumprimento por um terceiro, envolve uma terceira 
pessoa. 
Ex.: comissão de formatura envolve várias pessoas, os membros sub-rogam a administração 
para o presidente da comissão; substabelecer uma procuração para outra pessoa. 
-> pode decorrer da lei 
-> Sempre onerosa: desgaste de energia um mínimo de obstáculo. 
A cessão pode ser gratuita ou onerosa. 
A cessão de crédito é sempre voluntária 
 
Requisitos de cessão de crédito 
Como negócio jurídico que é, a cessão, para ser válida, precisa preencher os requisitos do art. 
104, CC: A validade do negócio jurídico requer: 
I - Agente capaz; 
Capacidade das partes. Lembre-se que as partes na cessão são o cedente (Credor originário) 
e cessionário (terceiro ou credor derivado). Ambos devem ser capazes ao tempo da cessão. 
 
II - Objeto lícito, possível, determinado ou determinável; 
O crédito tem que ser transmissível. A regra é que todos os créditos podem ser cedidos. 
III - forma prescrita ou não defesa em lei. 
Como regra, a cessão de crédito é negócio jurídico informal, ou seja, possui forma livre. 
 
Assunção de dívida ou Cessão de débito: Obrigação permanece é a mesma 
Ex.: financia uma casa e passa a dívida para outra pessoa. 
Características: 
- Bilateralidade: Cessão de débito é o negócio bilateral consensual pelo qual o devedor 
(cedente) transfere a um terceiro assuntor ou assumente (cessionário) o débito que tem junto a 
um credor (cedido). 
- Necessidade de anuência expressa por parte do credor. A lei exige que o credor 
expressamente consinta com a assunção de dívida (art. 299, caput, CC). 
 
Art. 299. É facultado a terceiro assumir a obrigação do devedor, com o consentimento expresso do 
credor, ficando exonerado o devedor primitivo, salvo se aquele, ao tempo da assunção, era insolvente e o credor o 
ignorava. 
 
Não confundir \u201cCessão de Débito\u201d com: 
a) Assunção de cumprimento: é o momento em que o credor está liberando o devedor. 
Transferência do débito, porque aí um terceiro se coloca no lugar do devedor, e, liberado este, 
solve por ele. 
Ex.: Você compra e não paga, seu pai vai lá e paga por você. 
b) Estipulações em favor de terceiro: nessa situação o estipulante cria a favor de um 
terceiro benificiário uma nova prestação, aqui tem-se uma nova obrigação. 
 
Requisitos da Sessão de débito: 
1. Pode ser dividida, presente e futuras, pode ser um objeto que nem exista. 
2. Não se admite em regra anuência tácita. 
3. O silencio do credor pode ser considerado como recusa. 
4. O novo devedor precisa ser solvente (precisa ter condições de resolver a obrigação, pagar a 
dívida) 
Características da sessão de débito: 
1. O novo devedor não pode se opor ao credor: 
Art. 302. O novo devedor não pode opor ao credor as exceções pessoais que competiam ao devedor primitivo. 
(Original), não pode usar as mesmas desculpas, cada um com suas, não pode alegar as mesmas 
coisas. 
2. Uma vez anulada a cessão restaura-se o débito novamente. 
Ex.: fraude a credores (relacionado coma a boa-fé) 
3. A lei não admite a exoneração do devedor se quem assumiu a dívida fora insolvente, se 
o credor por acaso não sabia. 
Cessão de contrato (relação contratual) 
É a transferência da inteira posição ativa e passiva do conjunto de direitos e obrigações de que 
uma pessoa é titular. 
Esse tipo de cessão não está prevista no código civil ela foi criada pela doutrina. 
Ex.: A transferência de um mandato, substabelecimento de uma procuração; 
Dentro de um hospital um ou mais médicos podem ser responsáveis pela obrigação de cuidar 
do paciente. 
Características das chamadas cessão de contrato. 
- Se for uma cessão voluntaria exigirá o consentimento que pode ser prévio, concomitante ou 
posterior. 
Obs.: (AV2) A cessão pode ocorrer com ou sem a liberação do cedente: \u201cnão precisa OK da 
parte contraria\u201d. 
- A transferência do contrato acarreta a exoneração de devedores e obrigações contidas na 
posição cedida. 
Ex.: Transferir agora o problema é seu, a batata quente é sua.