febre amarela
33 pág.

febre amarela


DisciplinaBiologia Celular e Metabolica14 materiais323 seguidores
Pré-visualização1 página
ESTUDO
 
DOS
ANIMAIS
 
FEBRE AMARELA 
1- O mosquito Aedes aegypti e as doenças causadas por ele no Brasil;
O Aedes aegypti é um pernilongo considerado doméstico e de vida urbana, sendo mais comum em áreas com grande concentração populacional. Mais de 80% dos seus criadouros são encontrados dentro das casas ou em seus arredores.
 
Dengue:É uma doença viral e febril transmitida pelo mosquito fêmea do Aedes aegypti e é considerada um dos principais problemas da saúde pública do mundo .
 sintomas:
 febre alta repentina, acima dos 39 graus ,dores atrás dos olhos, cabeça e articulações manchas vermelhas e coceira na pele e vômitos. Apenas os sintomas são tratados, já que não há medicamentos específicos para curar o vírus. 
 
 Zika: A maior preocupação com o zika vírus é a sua relação com casos de microcefalia e alterações neurológicas em bebes cujas mães tiveram contatos com o vírus durante a gravidez mesmo que não tenham manifestado sintomas , Não há um tratamento especifico para o vírus da zika e apenas os sintomas são tratados .
Sintomas: febre baixa machas vermelhas na pele , coceira ,dores leves nas articulações e olhos vermelhos ,em alguns casos também pode haver dor de garganta tosse vômitos e inchaços no corpo 
 Chikungunya : seu maior perigo é se tornar incapacitante causando dores articulares intensas por até seis meses após o contagio. Sintomas: 
 Febre , dores fortes na articulações , especialmente tornozelos ,joelhos e pulso , dores de cabeça; manchas vermelhas pelo corpo. Não há antiviral especifico , tratam se os sintomas com remédios para aliviar as dores além de repouso e da hidratação.
Febre Amarela :desde 1942, o Brasil não registra nenhum caso de febre amarela transmitida pelo Aedes aegypti , a chamada febre urbana os casos registrados são febre amarela silvestre. Sintomas: 
 Febre alta, pele e branco dos olhos amarelados ,hemorragia, cerca de 20% a 50% dos pacientes podem morrer , os sintomas são controlados com antitérmicos e analgésicos, a melhor forma de prevenção contra a febre amarela é a vacina .
2- Aspectos gerais da Febre amarela (ciclo; modos de transmissão; sintomas; tratamento; medidas preventivas); 
 Ciclo ; modo de transmissão : O vírus da febre amarela é transmitido pela picada dos mosquitos transmissores infectados. A doença não é passada de pessoa a pessoa.
 Sintomas: Os sintomas iniciais da febre amarela incluem o início , febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, fadiga e fraqueza. dores no corpo em geral
 tratamentos;medidas preventivas: O tratamento é apenas sintomático, com cuidadosa assistência ao paciente que, sobre hospitalização, deve permanecer em repouso, com reposição de líquidos. medidas preventiva, O Sistema Único de Saúde oferta vacina contra febre amarela para a população. Desde abril de 2017, o Brasil adota o esquema vacinal de apenas uma dose durante toda a vida, medida que está de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde. 
3-Origem da doença e hospedeiros; 
A descoberta de que algumas doenças eram causadas por seres minúsculos que só podiam ser vistos ao microscópio, era muito recente, da década de 1850 . O primeiro relato no Brasil foi em Jaú, SP, em 1896. A doença teve origem na África, de onde se espalhou para a América do Sul através do comercio de escravo . 
4-Debates atuais e controvérsias sobre os hospedeiros envolvidos; 
De acordo com o Ministério da Saúde, no período de 1º de julho de 2017 a 23 de janeiro de 2018, o Brasil registrou 130 casos de febre amarela e, desse número, 53 pessoas morreram. Analisando os dados por estado, São Paulo aparece com 277 casos notificados, sendo 132 descartados, 84 em investigação, 61 confirmados e 21 mortes. Minas Gerais apresentou 24 mortes e teve 50 casos confirmados da doença. 
 
 O surgimento desses vários casos de febre amarela fez a população das áreas mais afetadas lotar os postos de saúde em busca de vacinação e até mesmo matar macacos em uma tentativa frustrada de barrar a doença.
5-Ocorrência da febre amarela em outros países e soluções adotadas; 
 A epidemia de febre amarela que afeta as Américas há dois anos, tendo o Brasil como epicentro, pode se propagar para todos os países da bacia do Amazonas , diretor adjunto da OPS, pediu que se combata o mosquito 
 vetor em áreas urbanas, a exemplo da campanha de vacinação no Brasil, e alertou que matar macacos para evitar a febre amarela "é uma loucura total . 
6-Dados recentes sobre os casos de febre amarela no Brasil; 
 No período de monitoramento (de 1º de julho/2017 a 6 de fevereiro de 2018), foram confirmados 353 casos de febre amarela no país, sendo que 98 vieram a óbito. Ao todo, foram notificados 1.286 casos de febre amarela suspeitos, sendo que 510 foram descartados e 423 permanecem em investigação, neste período.
Pior surto registrado desde 1980
Minas Gerais
777 casos confirmados
 261 mortes
Julho de 2016 \u2013 Junho 2017
7-Soluções para conter o avanço da doença; 
 O Ministério da Saúde anunciou, que os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia Minas gerais terão doses fracionadas da vacina que previne a febre amarela. A medida emergencial serve para imunizar o maior número de pessoas em áreas de risco, prevenir a transmissão do vírus, é evitar as picadas de mosquitos, que habitam principalmente em áreas pantanosas e em florestas,
 A melhor forma de prevenir a febre amarela é a vacinação antes de viajar. Devido à gravidade desta doença e à facilidade de transmissão, é absolutamente recomendado que se imunize contra esta doença antes da viagem para países onde está presente a doença.
8- Levantamento da ocorrência da febre amarela na sua religião nos -últimos 3 anos.
 Na minha região nos últimos anos não foi registrado Nei um caso de febre amarela , Rondônia está entre os estados com baixo risco de contaminação por febre amarela, de acordo com os dados apontados pelo setor de estatísticas do Ministério da Saúde (MS). O último caso confirmado da doença em Rondônia foi registrado em 2001, em Porto Velho. \u201cNão há qualquer suspeita de que a doença, embora silvestre, tenha acometido animais e pessoas no Estado\u201d, afirma o secretário