A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
38 pág.
Introdução a Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva - KABAT

Pré-visualização | Página 1 de 2

Introdução a Facilitação 
Neuromuscular Proprioceptiva – 
Método Kabat 
 
 
Filosofia 
 Todo ser humano, incluindo aqueles 
portadores de deficiências, tem um potencial 
ainda não explorado. 
 
 As partes mais fortes do corpo fortalecem as 
mais debilitadas. 
 
 A repetição é a base da memória. 
 Facilitação: o ato ou efeito de facilitar a passagem 
do influxo nervoso, produzido por um segundo 
estímulo, através de uma via ou de um centro 
nervoso que foi previamente percorrido por um 
primeiro estímulo. 
 
 Neuromuscular: o que pertence aos nervos e aos 
músculos. 
 
 Proprioceptiva: relativo às sensações dos 
movimentos e das posições das diferentes partes do 
corpo. 
Kabat – FNP 
Definição 
 
 É um conjunto de técnicas que promovem e 
aceleram as respostas dos mecanismos 
neuromusculares através da estimulação 
dos proprioceptores ou todos os receptores 
possíveis. 
Princípios Básicos 
 
1. O enfoque terapêutico é sempre positivo 
 
2. Facilitar o paciente a alcançar seu mais 
alto nível funcional 
 
3. Abordagem global 
Objetivo 
 
 Promover o movimento funcional por meio 
da facilitação, da inibição, do fortalecimento 
e do relaxamento de grupos musculares. 
Elementos de Trabalho 
1. Padrões de Facilitação 
 
- Característica espiral; 
- Característica diagonal – utilização de 2 planos (1-flexor e 
extensor e 2-abdutor e adutor); 
- Necessário para a diagonal – eixo rotador; 
- Trajeto ótimo do padrão – máximo; 
- Estiramento ao máximo encurtamento; 
- 1 diagonal – 2 padrões de movimentos antagonistas entre si; 
- Componentes musculares principais. 
Elementos de Trabalho 
2. Estímulo de Estiramento 
 
- Máximo alongamento dos componentes musculares principais do 
padrão; 
- Respeitar componentes rotadores. 
 
Contra Indicações 
 
- Pós cirurgias quando não pudermos alongar partes moles; 
- Fraturas sem consolidação; 
- Espasticidade severa (pode ser). 
 
 
Elementos de Trabalho 
3. Tração/Aproximação 
 
-Tração: afastar as articulações dentro de um padrão em diagonal e espiral, 
utilizando encorajar o movimento. 
Contra-indicação: fraturas recentes ou não consolidadas. 
Indicação: reumatologia e traumatologia com melhora da dor e informações 
sinestésicas. 
 
 
-Aproximação: aproxima as articulações, utilizada para auxiliar a estabilização de 
uma parte do corpo. 
Contra-indicação: qualquer processo de erosão da cartilagem hialina da 
superfície articular. 
Indicação: Melhora do tônus extensor. 
 
Elementos de Trabalho 
4. Reflexo de Estiramento 
- Mais intenso que o estímulo de estiramento; 
- Rápido e breve; 
- Acompanha comanda verbal; 
- Estímulo manual de fusos musculares para iniciar e/ou manter 
resposta muscular; 
- O estímulo pode ser aplicado com o músculo encurtado 
(concêntrico) ou alongado. 
 
Contra-indicações: 
- Espasticidade severa; 
- Cicatriz com dor; 
- Dores em geral; 
- Parkinson 
 
Elementos de Trabalho 
5. Contatos Manuais 
 
- Realizado pela mão do terapeuta em contato com a pele do 
paciente; 
- Utilizado para dirigir, guiar e resistir o movimento; 
- Os contatos precisam ser firmes porém sem muita resistência; 
- Considerar a gravidade na influência do movimento; 
- O terapeuta posicionado dentro da diagonal do movimento; 
- Dois tipos de contato: proximal e distal; 
- Contato proximal terá o controle dos movimentos mais amplos; 
- Contato distal é feito pela ação dos músculos lumbricais da mão do 
terapeuta, para orientar, dirigir e dar propriocepção. O polegar 
servirá de apoio e os quatro dedos os da prorpiocepção. 
Elementos de Trabalho 
6. Estímulo Visual 
 
- Áreas auditivas e ópticas no tronco encefálico tem conecção 
reflexa com os núcleos dos nervos motores; 
 
- A visão facilita os movimentos dos nervos motores; 
 
- O terapeuta deve dirigir o olhar para o paciente durante o 
comando verbal. 
Elementos de Trabalho 
7. Comando Verbal 
 
- Comando explicativo; 
 
- A entonação do comando será uma referência para 
o paciente entender a intensidade do movimento q 
deverá realizar; 
 
- Sempre que correto, dar um “feedback” positivo ao 
paciente. 
Elementos de Trabalho 
8. Tipos de Contração Muscular 
 
- Isotônica: é a mais primitiva, relacionada 
com o movimento. 
 
- Isométrica: é posterior a isotônica, quando 
irá aprender a sustentar uma postura. 
Elementos de Trabalho 
9. Máxima Resistência 
 
- Trabalhar sobre os fusos neuromusculares mantendo a 
estimulação constante em todo o percurso do padrão; 
 
- Isotônica concêntrica: a facilitação apropriada é a quantidade 
de exigências que ainda assim permita um movimento suave e 
coordenado através de uma ADM desejada ou permitida; 
Elementos de Trabalho 
10. Seqüência de Movimentos 
 
- A seqüência das contrações musculares que resulta 
em um movimento coordenado; 
 
- Qualquer alteração em um dos componentes 
musculares irá interferir na seqüência de 
movimento. 
 
 
 
Padrões de Facilitação 
D1 – Diagonal Funcional 
 
- Porque muitas atividades de 
vida diária são feitas a partir 
desta diagonal; 
 
- Possui padrão flexor e 
extensor. 
D2 – Diagonal Primitiva 
 
- Todos seus movimento se 
iniciam na posição fetal; 
 
- É usada em todos os 
pacientes com lesão 
neurológica central por ser a 
mais antiga 
filogeneticamente. 
 
- Possui um padrão extensor 
e um flexor. 
MEMBRO SUPERIOR 
 UTILIZAÇÃO: 
 Tratar disfunções por fraqueza muscular 
 Incoordenação 
 Limitações articulares 
 Exercitar o tronco 
 MEMBROS INFERIORES 
 Os membros inferiores possuem 3 funções 
básicas: 
 1. Sustentação do peso do corpo; 
 2. Equilíbrio; 
 3. Locomoção. 
 PADRÃO DE FLEXÃO DA 
DIAGONAL PRIMITIVA 
 FLEXÃO- ABDUÇÃO- ROTAÇÃO EXTERNA 
 
– COMPONENTE MUSCULAR PRINCIPAL: 
 Ombro: fibras médias deltóide, supra e infra espinhoso, 
redondo menor 
 Antebraço: supinador longo 
 Punho: extensor radial do carpo 
 Dedos: extensor comum dos dedos, extensor do indicador, 
interrosseos dorsais e lumbricais. 
 Polegar: extensor longo e curto, abdutor longo. 
 CONTATO MANUAL: 
– Distal: 4 dedos do terapeuta são colocados no 
dorso do lado radial e o polegar no lado ulnar. 
– Proximal: apóia na face anterior do antebraço. 
 COMANDO VERBAL: 
– Levante os dedos e a mão, vire o polegar para 
cima e leve o braço em direção a cabeça. 
FLEXÃO - ABDUÇÃO - ROTAÇÃO EXTERNA 
 
 PADRÃO DE EXTENSÃO DA 
DIAGONAL PRIMITIVA 
 EXTENSÃO – ADUÇÃO- ROTAÇÃO INTERNA 
 
– COMPONENTE MUSCULAR PRINCIPAL: 
 Ombro: subescapular, fibras externas peitoral maior 
 Antebraço: pronador redondo 
 Punho: palmar longo 
 Dedos: flexor comum superficial e profundo, lumbricais, 
interrosseos palmares. 
 Polegar: flexor longo e curto, oponente. 
 CONTATO MANUAL: 
– Distal: os Quatro dedos apoiados na palma da 
mão do lado radial e o polegar apoia-se no lado 
ulnal. 
– Proximal: face anterior, terço médio do antebraço. 
 COMANDO VERBAL: 
– Aperte minha mão dobre o punho e leve em 
direção ao quadril oposto. 
EXTENSÃO - ADUÇÃO - ROTAÇÃO INTERNA 
PADRÃO DE FLEXÃO DA 
DIAGONAL FUNCIONAL 
 FLEXÃO - ADUÇÃO - ROTAÇÃO EXTERNA 
 
– COMPONENTE MUSCULAR PRINCIPAL: 
 Ombro: fibras claviculares do peitoral maior, fibras anteriores 
do deltóide, coracobraquial, porção longa do bíceps. 
 Antebraço: supinador curto. 
 Punho: palmar longo e curto. 
 Dedos: flexor comum superficial e profundo, flexor curto

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.