Memórias Quase Póstumas de Machado de Assis

Memórias Quase Póstumas de Machado de Assis


DisciplinaLiteratura22.582 materiais95.373 seguidores
Pré-visualização30 páginas
Memórias
quase póstumas
de Machado
de Assis
qollless
FTD
Copyright O Álvaro Cardoso Gotnes, 2014
Todos os direitos reservados à
EDITORA FTD S.A.
Matriz: Rua Rui Barbosa, 156 \u2014 13ela Vista \u2014 São Paulo \u2014 SP
CEP 01326-010 -Tel. (0-xx-11) 3598-6000
Caixa Postal 65149 - CEP da Caixa Postal 01390-970
Internet: www.ftd.com.br \u2014 E-tnail: projetos@ftd.com.br
Diretora editorial Silmara SapienseVespasiano \u2022 Gerente editorial Ceciliany Alves \u2022 Editora
Cectha Bassarant \u2022 Editor assistente Luiz Gonzaga de Almeida \u2022 Assistentes de produção Ana
Paula lazzetto, Lilia Pires \u2022 Assistentes editoriais Tássia Regiane Silvestre de Oliveira,Thalita R.
Morseteti\u2022 Preparadora Bruna Perrella Brito \u2022 Revisora Regina C. Barrozo \u2022 Coordenador
de arte Eduardo Rodrigues \u2022 Editora de arte Andréia Crema \u2022 Projeto gráfico Andréaa
Cretna. Fabiano dos Santos Mariano \u2022 Diagramação Sheila Moraes Ribeiro \u2022 Supervisão
iconográfica Célia Rosa \u2022 Pesquisa iconográfica Etoile Shaw \u2022 Escâner c tratamento
de imagens Ana Isabela Pithan Maraschin \u2022 Diretor de produção gráfica Reginaldo Soares
Da:nasceno
Alvaro Cardoso Gomes é professor universitário,
ensaísta, romancista e escritor para crianças e jovens.
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Gomes, Alvaro Cardoso
Memórias quase pósturnas de Machado de Assis / Álvaro
Cardoso Gornes; ilustrações Alexandre Camanho. \u2014 1. ed. \u2014
Sio Paulo : FTD, 2014.
Bibliografia
ISBN 978-85-322-9284-1
l. Assis, Machado de, 1839-1908 2. Romance biográfico
\u2014 Literatura juvenil I. Catnanho, Alexandre. II. Título.
14-00934
índices para catálogo sistemático:
l. Biografia romanceada : Literatura juvenil ()28.5
O grande Machado, nosso igual
Apresentação
TJIII caderno de memórias
Ao leitor
Capitulo Saldo de duas vidas
Olhos de cigana oblíqua e dissimulada
Capítulo 11 0 filho da lavadeira
Incidente com Hermenegildo
À velha casa
Anica doente
Os arrufos de Carola
Capítulo Um ajudante muito especial
São os homens animais?
O bruxo do Cosme Velho
Capítulo IV Ganhei um secretário'
Por favor, senhor diretor,
lavre o parecer
Diálogo com um leitor curioso
Capítulo v O crente e o descrente
\u2022 11
\u2022 15
\u2022 18
\u2022 20
\u2022 33
. 46
. 52
\u2022 55
\u2022 57
\u2022 62
\u2022 64
\u2022 70
\u2022 73
\u2022 76
. 81
\u2022 84
94
\u2022 112
capítulo VI Uma noite de autógrafos
Infância e juventude
capítulo De médico e de IOUCO
As virtudes de Carola
Crendices
A cartomante
Capítulo Cartas de amor
A difícil corte
FaustO e Mefistófeles
capít,no A teoria do tijolinho
A teoria do tijolinho II
Vaidade das vaidades
Capítulo x Ao pé do leito derradeiro
A vida sem Carolina
Um epílogo escrito
por Outra mão
Fotocronologia da vida
e da obra de Machado de Assis
Créditos das imagens
Bibliografia
\u2022 114
\u2022 119
. 128
\u2022 143
\u2022 146
\u2022 148
\u2022 160
\u2022 168
\u2022 171
\u2022 180
\u2022 190
\u2022 198
\u2022 206
\u2022 211
\u2022 213
\u2022 218
\u2022 232
\u2022 233
O grande 
Machado r
nosso igual
ao poucos os escritores contemporâneos, no
Brasil, que têm uma obra tão vasta e diver-
sa quanto a de Alvaro Cardoso Gomes. Nisso,
curiosalllente, ele se irmana a Machado de Assis. Am-
bos são autores de romances, ensaios críticos, cro-
nicas, volurnes de poesia, contos etc. Quase não há
oênero que não tenham tentado \u2014 e realizado bem.
Nunia época em que a especialização literária marca
carreiras e pune a ousadia de autores, Alvaro Cardoso
G01nes continua falando as várias línguas do espírito
po em que pratica sua imensa variedade de opções.
Mas há, tannbém, outra questão que os aproxima,
Os dois autores cultivam a rabula, adoram a ironia,
abraçanl a paródia, incorporam em sua ficção o diá-
logo conl obras de matrizes diversas e não evitam
os géneros populares. A ilnaginação alegórica \u2014 que,
aliás, define boa parte da contribuição de ambos
6
nos convida a ver o mundo, tão familiar, como algo
estranho. E não é estranho que nosso Realismo li-
terário comece, justamente, por um romance conta-
do a partir da perspectiva do além-túmulo? MemÓrias
póstuntas de Brás Cubas (1881) é a prova de que, se a
literatura de qualquer tempo quiser permanecer fiel à
sua capacidade de invenção, ela não pode abandonar
a ousadia: dela colhemos os melhores frutos de uma
fantasia crítica.
Pois as Menlórias quase pÓstumas de Macllado de
Assis, a despeito de sua aparente simplicidade, é obra
de ousadia. Alvaro Cardoso Gomes nos conduz a um
Machado de Assis outonal; ele está no auge de sua
carreira e quase no fim da vida. Mesmo assim, não
é um Machado impaciente para com aqueles que o
acompanham. Muito pelo contrário. Quando a histó-
ria que vocês estão prestes a ler começa, encontramos
Machado revisando trechos importantes de Dom Cas-
illtlrro (1899) em companhia de Carolina, sua esposa,
de quem ele recebe repelões de consciência e estilo.
Uma relação afetuosa, de imensa cumplicidade entre
marido e esposa, marca essas Memórias quase póstumas
do início ao fim. Carola \u2014 tal como Machado costuma
7
chamar a esposa \u2014 acompanha nosso herói-escritor
enquanto viva e ainda lhe sobrevive, após sua morte
na saudade. No início do livro, ambos vão ao morro
do Livramento, berço \u2014 por assim dizer \u2014 do próprio
Machado, onde encontram o jovem Hermenegildo,
que servirá de secretário e nova companhia ao escri-
tor. E Hermenegildo quem lê, passa a limpo e prefa-
cia essas memórias de Machado. Ao mesmo tempo,
Hermenegildo é também leitor curioso, uma espécie
de jovem Machado, que se dedica a desvendar o sen-
tido dos textos lidos. Hermenegildo foi Machado \u2014 e
somos nós. Além dele, também farão companhia ao
velho autor Joana e Raimundo, nos serviços da casa,
e o padre Siqueira, nas partidas de xadrez. Temos, en-
tão, um cenário íntimo completo. Porém, ninguém
duvide de que Carola seja mesmo a presença mais
fundamental em cena.
Essas Memórias quase póstumas não evitam o tema
do preconceito nem as dificuldades de se lidar com
os colegas de profissão. Detalhes biográficos de Ma-
chado de Assis são intercalados com grande sutileza a
trechos de sua própria ficção, fazendo homem e obra
comparecerem sem receio nem monumentalização.
8
Hermenegildo discute com Machado suas opiniões
sobre a leitura dos contos e dos romances do autor,
ao mesmo tempo em que também se familiariza com
outros escritores do século XIX. Alvaro Cardoso Go-
mes, inventor de Hermenegildo, casa com grande as-
túcia fragmentos dos textos do próprio Machado com
a recriação de episódios importantes da vida do autor.
Vemos, por exemplo, instantâneos da formação
do escritor em sua projeção no jovem Hermenegildo,
o dificil noivado com Carolina, os rituais de contato
e socialização com outros escritores, além dos grandes
temas da ficção machadiana, tais como a vaidade e as
determinações de várias ordens, que, supostamente,
explicariam o comportamento humano. E, ao lon-
go do livro, Carola cobra do marido uma visão mais
atenta à mulher e uma perspectiva menos cáustica da
condição humana.
O resultado é uma história na qual o grande Ma-
chado de Assis se humaniza imensamente. Ele convive
com seus acompanhantes e com as próprias memórias
sem exigir deles nenhuma "chave"; ele tem prazer nas
conversas com Hermenegildo e nas partidas de xa-
drez com o padre Siqueira sem, tampouco, perder a
9
Nach.\u2022Ao Aaotn
oportunidade de transtortná-la« instantes de cs-
clarecttncnto de tetnas cruci.11K. Neqsas Alentórias (lilase
Machado «e torna no«o igual, ouvindo
aparvntc Itupacléncta a própria eqpo«a, cultivan-
do anugos c lidando cotil a frágil questão da
Alvaro Cardoso Gonies convida a considerar
.Machado dc ASSIS tnais pró.xitno a nós, leitores, e
para a Itnaglnaçio
Ana Angélica
Ana Angélica fez um comentário
ão estou conseguindo acessar , baixar
1 aprovações
Carregar mais