A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
AV1 – Avaliação Virtual 1    Serviço Social   Ética, Política e Cidadania   2018   UNOPAR

Pré-visualização | Página 1 de 1

AV1 – Serviço Social - Ética, Política e Cidadania 
 
 
1) Friedrich Nietzsche critica a tradição da religião judaico-cristã e os pensamentos 
de Sócrates e Platão por terem desenvolvido uma razão e uma moral que 
subjugaram as forças instintivas e vitais do ser humano, a ponto de domesticar a 
vontade de potência do homem e de transformá-lo em um ser fraco e doentio. 
Analise as afirmações a seguir: 
 
I. A moral racionalista foi erguida com finalidade repressora e não para garantir o 
exercício da liberdade. 
II. Para Nietzsche, o super-homem deveria ter a missão de criar uma raça capaz de 
dominar a humanidade, sendo, por isso, necessário aniquilar os mais fracos. 
 
III. A moral racionalista transformou tudo o que é natural e espontâneo nos seres 
humanos em vício, falta, culpa, e impôs a eles, com os nomes de virtude e dever, 
tudo o que oprime a natureza humana. 
 
IV. Os valores que constituem a moral aristocrática de senhores são, para Nietzsche, 
eternos e invioláveis. Devem orientar a humanidade com uma força dogmática, de 
modo que o homem não se perca. 
 
Está correto apenas o que se afirma em: 
 
Alternativas: 
• b) I e III. 
2) Assinale a alternativa com a sequência de termos que preenchem corretamente 
as lacunas seguinte: 
 
O pensamento ___________, ao fundamentar e defender o direito à liberdade e a 
igualdade de direitos e a importância da razão, se contrapunha ao ___________ e 
estabeleceu as bases teóricas para as revoluções que levariam ao surgimento de 
governos representativos, além de contribuir significativamente para o avanço 
___________. 
 
Alternativas: 
• a) iluminista - absolutismo - científico. 
3) (UEM, 2013 Adaptada) Se Deus não existisse, tudo seria permitido. Eis o ponto 
de partida do existencialismo. De fato, tudo é permitido se Deus não existe, e, por 
conseguinte, o homem está desamparado porque não encontra nele próprio nem 
fora dele nada a que se agarrar. (...) Com efeito, se a existência precede a 
essência, nada poderá jamais ser explicado por referência a uma natureza humana 
dada ou definitiva; ou seja, não existe determinismo, o homem é livre, o homem é 
liberdade. Por outro lado, se Deus não existe, não encontramos, já prontos, valores 
ou ordens que possam legitimar a nossa conduta. Assim, não teremos nem atrás de 
nós, nem na nossa frente, no reino luminoso dos valores, nenhuma justificativa e 
nenhuma desculpa. Estamos sós, sem desculpas. É o que posso expressar dizendo 
que o homem está condenado a ser livre. (SARTRE, J. P. O existencialismo é um 
humanismo. Tradução de Rita Correia Guedes. São Paulo: Nova Cultural, 1987, p. 
9.) 
 
Com base no trecho, avalie as seguintes afirmações: 
 
I. O existencialismo é uma filosofia teológica que procura a razão de ser no mundo 
a partir da moral estabelecida. 
 
II. A afirmação o homem está condenado a ser livre é uma contradição, pois não há 
liberdade quando há a obrigação de ser livre. 
 
III. O existencialismo fundamenta a liberdade independentemente dos valores e 
das leis da sociedade. 
 
IV. Ser livre significa, rigorosamente, ser, pois não há nada que determine o ser 
humano, a não ser ele mesmo. 
 
V. A existência de Deus é necessária, pois, sem ele, o homem deixaria de ser livre. 
 
Está correto apenas o que se afirma em: 
 
Alternativas: 
• c) III e IV. 
4) A filosofia surgiu na Grécia, no século VI a.C. Seus primeiros filósofos foram os 
chamados pré-socráticos. Apesar das diferenças entre suas obras, o que eles 
apresentavam de comum? 
 
Alternativas: 
• b) A cosmologia como investigação sobre a origem e ordem do 
mundo. 
5) A Filosofia Medieval caracterizou-se pelo embate entre fé e razão, mas foi capaz 
de promover o sincretismo entre as crenças religiosas e o conhecimento clássico 
(ARANHA; MARTINS, 1986). Em linhas gerais podemos dividir esse período em 
duas escolas de pensamento, sendo eles: 
 
Alternativas: 
• c) Patrística e Escolástica.