A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
133 pág.
Ensino de Habilidades Básicas para Pessoas com Autismo

Pré-visualização | Página 28 de 28

apanhará menos do
adversário; 6- se o lutador escolhesse aprender a lutar em contexto natural, ao invés dos
treinamentos artificias, provavelmente ele não passaria do primeiro minuto da luta; 7- ao ver o
lutador fazendo uma excelente luta não achamos que ele virou um robô por repetir os golpes; ao
contrário, tendemos a achar que todo o esforço valeu a pena. Dessa maneira podemos perceber
que em muitos contextos o ensino artificial pode ser vantajoso. No caso de crianças com
autismo, os contextos artificiais e repetitivos também podem ser benéficos, pois são situações
planejadas e protegidas de aprendizagem. Ensinar habilidades básicas a crianças com autismo
sem um bom planejamento, estruturação e sistematização é como colocá-las em um ringue de
luta e esperar que elas aprendam a lutar sozinhas.
As atividades desse manual foram organizadas, de maneira estruturada e sistemática, para
auxiliar no ensino de habilidades básicas. As tarefas e os protocolos foram planejados para que
você consiga ensinar com qualidade e simultaneamente muitos comportamentos fundamentais
para sua criança com autismo. Apesar de o ensino sistemático ser benéfico, essa não precisa ser
a única forma de aprendizagem; o educador pode combinar o ensino em situações artificiais
com situações naturais para obter resultados mais satisfatórios.
Desejamos que esse material possa auxiliar no desenvolvimento de sua criança com autismo
e que ela possa aprender comportamentos cada vez mais complexos, que contribuirão para que
ela se torne um adulto mais independente, incluído socialmente e feliz!
 
 
REFERÊNCIAS
AIELLO, Ana Lúcia Rossito. Identificação precoce de sinais de autismo. In: GUILHARDI, H. J. et al. Sobre comportamento e
cognição: contribuições para construção da Teoria do Comportamento. Santo André: ESETec Editores Associados, p. 13-29, 2002.
BAER, Donald M.; WOLF, Montrose M.; RISLEY, Todd R. Some still-current dimensions of applied behavior analysis. Journal of
Applied Behavior Analysis, v. 20, n. 4, p. 313, 1987.
BONDY, Andrew S.; FROST, Lori A. The Picture Exchange Communication System. Focus on Autism and Other Developmental
Disabilities, v. 9, n. 3, p. 1-19, 1994.
FERSTER, Charles B. Positive reinforcement and behavioral deficits of autistic children. In: Conditioning Techniques in Clinical
Practice and Research. Springer Berlin Heidelberg, 1964. p. 255-274.
GOMES, Camila G. S. Ensino de Leitura para Pessoas com Autismo. Curitiba: Appris, 2015.
HOME, C. D. C. Prevalence of Autism Spectrum Disorder Among Children Aged 8 Years. Autism and Developmental Disabilities
Monitoring Network, 11 Sites, United States, 2010.
LEON, Viviane de, et al. Propriedades psicométricas do Perfil Psicoeducacional Revisado: PEP-R. Avaliação psicológica, v. 3, n. 1, p.
39-52, 2004.
LOVAAS, O. Ivar. Behavioral treatment and normal educational and intellectual functioning in young autistic children. Journal of
consulting and clinical psychology, v. 55, n. 1, p. 3, 1987.
MOREIRA, Márcio Borges; DE MEDEIROS, Carlos Augusto. Princípios básicos de análise do comportamento. Porto Alegre:
Artmed, 2007.
PEETERS, Theo. Autismo: entendimento teórico e intervenção educacional. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 1998.
SCHOPLER, E., et al. Individualized assessment of autistic and developmentally disabled children: Psychoeducational Profile
Revised (PEP-R). Austin, TX: Pro-Ed, 1990.
SIDMAN, M. Coerção e suas implicações (Tradução de Maria Amália Andery & Teresa Maria Sério). Campinas: Editora Livro Pleno.
(Obra original publicada em 1989), 1995.
SMITH, Tristram; BUCH, Gregory A.; GAMBY, Tanya Evslin. Parent-directed, intensive early intervention for children with pervasive
developmental disorder. Research in developmental disabilities, v. 21, n. 4, p. 297-309, 2000.
WARREN, Zachary et al. A systematic review of early intensive intervention for autism spectrum disorders. Pediatrics, v. 127, n. 5, p.
1303-1311, 2011.
WILLIANS, L. A.; AIELLO, A. L. R. Inventário Portage Operacionalizado. São Paulo: Mennon, 2001.
 
1GOMES, Camila G. S.; SILVEIRA, Analice D. Ensino de habilidades básicas para pessoas com autismo. Curitiba: Appris, 2016. p. 45.
2SCHOPLER et al., 1990.
3Todas as figuras foram elaboradas pelo ilustrador Daniel Augusto Ferreira e Santos, especialmente para este livro.
4Há muitos outros conceitos e aspectos importantes a respeito de esquemas de reforçamento. Optou-se nesse livro por simplificar a explicação, porém maiores
informações podem ser encontradas em Moreira e Medeiros (2007).
5SIDMAN, 1995.
6PETEERS, 1998.
7WILLIAMS; AIELLO, 2001.
8SCHOPLER et al., 1990.
9LEON et al., 2004.
10GOMES, 2015.
	Capa
	Sumário
	1 Avaliação do Desenvolvimento
	2 Princípios Básicos de Análise do Comportamento
	3 Como Utilizar este Manual
	4 Protocolos de Registro
	5 Habilidades de Atenção
	6 Habilidades de Imitação
	7 Habilidades de Linguagem Receptiva
	8 Habilidades de Linguagem Expressiva
	9 Habilidades Pré - Acadêmicas
	10 Uso do Manual por Cuidadores de Crianças com Autismo : Estudos de Caso
	Considerações Finais
	Referências