caso concreto 4 pratica simulada I - modificado
4 pág.

caso concreto 4 pratica simulada I - modificado


Disciplina<strong>processo Civiliii</strong>12 materiais6 seguidores
Pré-visualização1 página
Iran Barros da Silva \u2013 matricula 201408273829
Caso concreto 4 modificado \u2013 pratica simulada 1
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA....VARA CÍVEL DA COMARCA DE PETRÓPOLIS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
 JOAQUIM MARANHÃO, nacionalidade...., estado civil...., profis- são......., portador dacarteira de identidade nº........, expedida pelo......, inscrita no CPF/MF sob o nº......., endereço eletrônico ....., domiciliado em Nova Friburgo/RJ, residente a rua....., nº...., cep nº.....,e
ANTÔNIO MARANHÃO,nacionalidade......, estado civil....., pro- fissão...., portador da carteira de identidade nº....., expedida pelo...., inscrito no CPF/MF sob o nº......., endereço eletrônico....., domiciliado em Nova Friburgo/RJ, residente a rua...., nº....., cep nº.....,e.
MARTA MARANHÃO, nacionalidade......., estado civil......., profi- ssão....., portador dacarteira de identidade nº....., expedida pelo......, inscrita no CPF/MF sob o nº.......,endereço eletrônico....., domiciliada em Nove Friburgo/RJ, residente a rua...., nº......., cep nº......, estãorepresentados por seu advogado, com endereço profissio- nal, a rua......, nº......., cidade......, estado......., cep nº......, endereço eletrônico........, para fins do Art. 77, V, do CPC, vem a este Juizo, propor.
 AÇÃO DE ANULAÇÃO DE NEGÓCIO JURÍDICO
Pelo procedimento comum, em face de MANUEL MARANHÃO, nacionalidade........,estado civil......., profissão........, portador da carteira de identidade nº......., inscrito no CPF/MF sob o nº.....,endereço eletrônico........, domiciliado........., residente a rua ......, nº......., cep nº........, e
FLORINDA MARANHÃO,nacionalidade....., estado civil....., profissão...., carteira de identidade nº......, expedida pelo....., inscrita no CPF /MF sob o nº....., endereço eletrônico......, domiciliado......., residente a rua....., nº........., cep nº.........., e
 RICARDO MARANHÃO, nacionalidade....., estado civil......., profi- ssão...., carteira de identidade nº....., expedida pelo......, inscrito no CPF/MF sob o nº.....,endereço eletrônico......., residente a rua....., nº....., cep nº......, pelos fatos e fundamen-tos jurídicos que passo a expor.
DA GRATUIDADE DE JUSTIÇA
O Autor encontra-se com insuficiência derecurso para pagar as custas, as despesasprocessuais e os honorários advocatícios, sem prejuízo do seu sustento e de sua família, (Art. 98. Caput/ CPC).
DOS FATOS
Ocorre que os Réus MANUEL MARANHÃO e FLORINDA MARANHÃO, pais dos Autores,com objetivo de ajudar o neto e Réu, RICARDO MARANHÃO, filhode MARTA MARANHÃO umados Autores, celebraram entre si um contrato de compra e venda, de um sítio situado à rua Bromélia, nº 138, centro de Petrópolis/RJ, por preço certo eaju- tado em R$ 200.000,00 ( duzentosmil reais), embora o valor do imóvel é de 350.000,00 (trezentos e cinquenta mil reais), como o acordado no contrato de compra e venda, sen- do assim, não corresponde o valor real do imóvel.
 Como, também, venda consagrada através de escritura pública, lavrada nodi- a 20/09/2015, no cartório do 4º ofício da de Nova Friburgo/RJ e devidamente transcrito no registro de imóveis competentes.
 Embora, o negócio jurídico fora celebrado sem aanuência expressa dos de- mais filhosacerca do referido contrato de compra e venda, é o que se tem de mais im- perioso a recair, portanto, requer anulação do negócio jurídico consagrado ou um pedido alternativo a compensação do valor restante do imóvel.
DOS DIREITOS E FUNDAMENTOS
 Faltou condição essencial para validade do negócio, anuência por parte dosdemaisherdeiros(a) e o Artigo 496 do CC, trás esta alusão, vejamos:
\u201cé anulável a venda de ascendente a descendente, salvo se os outros descendentes eo conjuge do alienante expressamente houverem consentido.\u201d
De acordo com a jurisprudência do STJ:
RECURSO ESPECIAL Resp 58470 \u2013 ES 1994/0040671-1
Data de publicação: 30/08/1999Ementa: PROCESSO CIVIL. 
AÇÃO DE ANULAÇÃO DE VENDA DE DESCENDENTE A ASCENDENTE. A ação de anulação de venda realizada pelo ascendente a descendente pode ser proposta por quaisquer dos lesados, independentemente do consentimento dos demais; se procedente a demanda, os efeitos da sentença aproveitarão ao espólio, refletindo-se, pela sobrepartilha, nos outros interessados, embora inertes, por se tratar de litisconsórcio unitário. Recurso especial conhecido e provido.
 Ainda, o Doutrinador Carlos Roberto Gonçalves, determina que:
(...) acabou prevalecendo a tese da anulabilidade,ao fundamento de que os tribunais admitiam a confirmação do ato pelo descendente \u2013 e somente a nu- lidade relativa pode ser sanada. Além disso, nãose o anulava quando se de- monstrava a inexistência de artifício fraudulento e a autenticidade da venda, sendo justo o preço pago pelo descendente-adquirente. [2]GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro, volume 3: contratos e atos unilaterais - 7ª ed. São Paulo: Saraiva. 2010.
O CC/2002, desta forma, adotou, corretamente, a corrente que entendia que o caso se tratava de ato anulável, sendo necessário para a sua nulidade a iniciativa dos outros descendentes, que foram prejudicados.
DO PEDIDO 
Diante do exposto, os Autores requerem a este juízo a designaçãode audiência de mediação e conciliação; Art.334 \u2013 CPC;
Gratuidade de justiça;
A citação das partes Rés para integralizarem a presente demanda;
Em pedido alternativo a compensação do valor;
Seja julgado procedente o pedido de anulação donegócio jurídico celebrado entre ascendentes e descendentes ou seja entres as partes;
A condenação dos Réus ao ônus de sucumbência.
DAS PROVAS
Requer a produção de todas as provas de direito admitidos na amplitude do Art.369 do CPC, em especial documental superveniente, testemunhal, pericial e depoimento pessoal dos Réus.
DO VALOR DA CAUSA
 Dá-se o valor da causa em moeda corrente, no valor de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais).
Termos em que. 
 Pede deferimento.
 --------------/................/....................
.................................................
 Advogado
OAB nº...................