A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
WEB 01 EMPRESARIAL (1)

Pré-visualização | Página 1 de 1

WEB AULA 01 ( DIREITO EMPRESARIAL II) 
Caso concreto 
Fernando emitiu um título de crédito em favor de Renata, o qual circulou 
através de diversos endossos até o atual portador. Após o prazo de 
vencimento, o portador decidiu executar um dos endossantes, tendo em vista 
que o título não foi pago pelo devedor original. Todavia, ao ser executado, o 
endossante alegou em sua defesa que não poderia ser executado, haja vista 
que recebeu o título de um menor, o qual não teria capacidade civil, e o que 
tornaria nula a cadeia de endossos. Diante dessa situação hipotética, pergunta-
se 
a)Tem fundamento a defesa apresentada pelo endossante? 
R: Não, pois ao lançar sua assinatura o endossante vincula sua obrigação de 
pagar como garantidor, sendo que as obrigações são autônomas e 
independentes. 
b) Qual o princípio que pode ser aplicado no caso em tela? 
R: Principio da autonomia; aplicáveis a espécie os princípios da autonomia com 
relação as demais independentemente da situação do obrigado e o da inoponibilidade 
das exações pessoais ,cuja relação pessoal com qualquer dos obrigados não pode ser 
alegada como defesa (artigo 7 e 17 LUG 57663/1966). 
 
 DOUTRINA 
 Fábio Ulhoa Coelho define o princípio da autonomia como sendo: 
“Pelo princípio da autonomia das obrigações cambiais, os vícios que 
comprometem a validade de uma relação jurídica, documentada em título de 
crédito, não se estendem às demais relações abrangidas no mesmo 
documento.” 
 (COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial, volume 1: 
direito de empresa. 18º ed. São Paulo: Saraiva, 2014. Pág. 449). 
 
 O autor Ricardo Negrão ao tratar do assunto aduz: 
“A autonomia é a característica dos títulos de crédito que garante a 
independência obrigacional das relações jurídicas subjacentes, simultâneas ou 
sobrejacentes à sua criação e circulação e impede que eventual vício em uma 
relação se comunique às demais ou invalide a obrigação literal inscrita na 
cártula.” 
(NEGRÃO, Ricardo. Manual de Direito Comercial e de Empresa, volume 2: 
Títulos de Crédito e Contratos Empresariais. 4ª ed. São Paulo: Saraiva, 
2014. Pág. 40). 
 
O princípio da autonomia se desdobra em dois outros subprincípios, 
o da abstração e o da inoponibilidade das exceções pessoais aos terceiros de 
boa-fé. De forma didática o autor Ricardo Negrão aduz: 
 
“Por força da ABSTRAÇÃO as obrigações mantêm-se independentes umas 
das outras e, por decorrência da INOPONIBILIDADE das exceções pessoais, 
os devedores não podem alegar vícios e defeitos de suas relações jurídicas 
contra o portador de boa-fé que não participou do negócio jurídico do qual 
resultou a dívida que lhes é exigida.” 
 
(NEGRÃO, Ricardo. Manual de Direito Comercial e de Empresa, volume 2: 
Títulos de Crédito e Contratos Empresariais. 4ª ed. São Paulo: Saraiva, 
2014. Pág. 42). 
 
 JURISPRUDÊNCIA 
Tribunal de Justiça de Minas Gerais 
Número do 1.0145.15.011391-1/001 Númeração 0113911- 
Relator: Des.(a) Cabral da Silva Relator do Acordão: Des.(a) Cabral da Silva 
 Data do Julgamento: 26/09/2017 
 Data da Publicação: 06/10/2017 
EMENTA: CHEQUE. CIRCULAÇÃO. EXCEÇÕES PESSOAIS. TERCEIRO DE 
BOA FÉ. INOPONIBILIDADE. Se o cheque foi colocado em circulação, tendo 
em vista o principio da autonomia e da abstração, e sendo e portador terceiro 
de boa-fé, as exceções pessoais originárias do negócio jurídico que ensejou a 
sua emissão são inoponíveis, sendo devido o pagamento da cártula. 
APELAÇÃO CÍVEL Nº. 1.0145.15.011391-1/001 - COMARCA DE JUIZ DE 
FORA - APELANTE(S): CLINICA VESTHA MEDICINA E CIRURGIA 
ESTETICA LTDA - APELADO(A)(S): PEDRO HENRIQUE CARVALHO 
VASCONCELOS. 
A C Ó R D Ã O 
Vistos etc., acorda, em Turma, a 10ª CÂMARA CÍVEL do Tribunal de Justiça do 
Estado de Minas Gerais, na conformidade da ata dos julgamentos, em NEGAR 
PROVIMENTO AO RECURSO. 
DES. ÁLVARES CABRAL DA SILVA 
RELATOR. 
DES. ÁLVARES CABRAL DA SILVA (RELATOR) 
 
QUESTÃO OBJETIVA 1: 
 São princípios gerais dos títulos de crédito: 
 a) literalidade, forma e causa. 
 b) forma, causa e abstração. 
 c) negociabilidade, anterioridade e literalidade. 
d) modelo, cártula e autonomia 
e) cartularidade, literalidade e autonomia 
 
 
QUESTÃO OBJETIVA 2: 
 Quanto à classificação dos títulos de crédito, é incorreto afirmar: 
a) Quanto ao modelo, os títulos podem ser classificados como livres (letra de 
câmbio e nota promissória) e vinculados (cheque e duplicata). 
 b) quanto à estrutura, os títulos se classificam como ordem de pagamento ou 
promessa de pagamento. 
c) como exemplo de ordem de pagamento, temos a letra de câmbio, e como 
promessa de pagamento a nota promissória. 
 d) quanto às hipóteses de emissão, os títulos de créditos podem ser 
classificados em causais e não causais. 
e) todos os títulos de crédito existentes no Brasil podem ser 
considerados não causais, visto que não dependem de causa específica 
para serem emitidos.