A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Anatomia das Aves

Pré-visualização | Página 1 de 4

ANATOMIA DAS AVES
CARACTERÍSTICAS EXTERNAS
PENAS 
Recobrem todo o corpo e auxiliam na transformação dos membros torácicos em asas. As penas tornam as aves mais leves em relação ao seu tamanho e possuem funções, como proteção, termorregulação e comunicação. 
PELE
Nas aves é fina, frouxa e se solta facilmente, mas não sangra tanto e é mais insensível quando comparado com mamíferos, tendo em vista o pobre suprimento sanguíneo e nervoso. A pele dos frangos é amarelada, porém pode apresentar uma pigmentação mais escura nas pernas e nos pés. 
PELE DA CABEÇA
As protuberâncias da pele da cabeça são: Crista, Barbela e lobos da orelha. Sua derme é espessa e vascularizada, mas a epiderme que a recobre é fina. 
BICO
Na boca das aves não há dentes, mas o bico substitui lábios e dentes e a forma do bico varia tremendamente entre as diversas espécies, dependendo de sua alimentação. Sendo ricamente inervado e com isso, bastante sensível. 
PERNAS E PÉS 
As escamas nos pés e pernas das aves são placas epidérmicas cornificadas similares às encontradas nos répteis. As esporas encontradas na superfície caudomedial das pernas de galos, usadas como defesa pelo animal possuem um núcleo ósseo dentro de um cone córneo e a remoção da papila da espora inibe seu crescimento. Os pés da maioria das aves encontram-se adaptados para permitir o empoleiramento ou agarrar presas.
GLÂNDULA UROPÍGEA
Existem somente três glândulas na pele, sendo a glândula uropigial (glândula de óleo ou da limpeza), sebácea, a glândula auricular e a glândula do vento. As aves, diferentemente dos mamíferos, não possuem glândulas sudoríparas, pois as penas cobrem uma área tão extensa no corpo que tais glândulas seriam ineficazes em sua função. Deste modo as aves perdem calor através da pele por evaporação pelo sistema respiratório. A Epiderme tem uma característica única que lhe permite agir como glândula sebácea holócrina, secretando um fino filme de lipídios que ajuda na manutenção da plumagem. 
SISTEMA ESQUELÉTICO
Nas aves o esqueleto é altamente especializado tanto para permitir o vôo como o caminhar destes animais. Muitas características contribuem para a leveza da estrutura esquelética, sendo estas: redução no número de ossos; fusão de ossos formando placas que fornecem movimentos resistentes e simplificados; modificação do membro torácico em asa; redução na densidade óssea; ausência de matriz óssea interna (ossos pneumáticos); sacos aéreos se estendendo até a cavidade medular nos maiores ossos.
Esqueleto Axial - Compreende a coluna vertebral, costelas e esterno e a pelve pode ser incluída por estar firmemente fixada ao sinsacro, formado pela fusão das vertebras lombares, sacrais e caudal. O esterno é um osso grande e não segmentado que em conjunto com os seus processos, forma uma parte considerável da parede corporal ventral. O esterno dos frangos é relativamente estreito e longo, e embora as galinhas tenham pequena capacidade de voo, apresentam a quilha proeminente (carina). 
Esqueleto Apendicular - É bastante modificado pela conversão dos membros torácicos em asas e pelos membros pélvicos assumirem toda a responsabilidade da locomoção em terra, empoleiramente e absorção do impacto do pouso.
Membros Torácicos - A escápula é uma haste chata localizada lateral e paralelamente à coluna vertebral e se estende caudalmente até a pelve. Está unida ao esqueleto axial por músculos e ligamentos, enquanto cranialmente está conectada à clavícula e ao coracoide. As clavículas se unem para formar a fúrcula onde conecta as articulações dos ombros como se fossem uma mola e auxilia a manter o cíngulo contra o esqueleto axial. 
Membro Pélvico - A tíbia se funde com os elementos do tarso, formando o tibiotarso e os elementos distais do tarso se fundem com o osso metatársico para formar o tarsometatarso. 
CRÂNIO
O crânio nas aves possui ossos mais finos e as mandíbulas prolongam-se em um bico queratinizado, não sustentando dentes pesados como nos mamíferos. A porção inferior do bico depende de um par de ossos pequenos e móveis, estes denominados de ossos quadrados. E a parte superior do bico possui um acessório um pouco flexível ao crânio o que permite discretos movimentos. Desta maneira as aves podem movimentar a parte inferior e superior do bico de forma independente, permitindo um melhor controle na manipulação de alimentos. Há uma grande área do crânio destinada a sustentar e proteger os globos oculares, localizada entre o crânio bulboso e a face piramidal, e estando delimitada por um anel de placas ósseas protetoras, nomeada de anel esclerótico. O osso occipital envolve o forame magno e um único côndilo occipital é observado, se articulando com o atlas. Formando assim uma articulação que permite à ave girar a cabeça sobre a coluna vertebral em uma extensão maior do que a dos mamíferos. Na parte mais baixa da parede lateral do crânio é observada uma depressão semiesférica que corresponde à cavidade timpânica. E sua margem limita o meato acústico externo que é fechado pela membrana timpânica em animais vivos. No fundo dessa depressão localizam-se as janelas cocleares e vestibulares as quais conduzem à orelha interna. A parte facial do crânio das aves é principalmente formada pelos ossos nasal e pré-maxilares que circundam a abertura nasal.
SISTEMA MUSCULAR
O músculo peitoral é o mais desenvolvido e mais superficial, por movimentar as asas, e desta maneira chega a representar até 20% da massa corpórea. Este músculo se origina mais precisamente da carina do esterno e da clavícula seguindo para se inserir na crista peitoral do úmero. Sua contração produz o poderoso batimento das asas. Já o segundo músculo que mais se destaca é um músculo profundo e menor, denominado de músculo supracoracóide. É um músculo que quando se contrai causa a elevação das asas durante o movimento para cima e por isso é utilizado para alçar vôo. Possui sua origem no esterno e na clavícula. Seu tendão passa dorsalmente pelo canal triósseo para se inserir no tubérculo dorsal do úmero.
SISTEMA DIGESTIVO
Nas aves o sistema digestivo exibe uma variação entre as espécies menor do que é encontrada nos mamíferos. Os órgãos deste sistema são relativamente leves, o que contribui para a leveza essencial para o vôo das aves, e são altamente eficientes em liberar rapidamente a energia proveniente dos alimentos, provendo assim uma alta taxa metabólica nas aves.
Orofaringe - Cavidade em comum para o sistema digestivo e respiratório, que vai do bico até a entrada do esôfago. As aves não possuem palato mole. O teto da orofaringe, a qual é achatada dorsoventralmente, é formado pelo palato duro e o seu assoalho é formado pela mandíbula, língua e monte laríngeo. O palato duro é incompleto, pois apresenta uma longa fissura mediana (coana) a qual se conecta com a cavidade nasal. Caudalmente à coana observa-se uma fissura menor, a fissura infundibular, que constitui a abertura comum das tubas auditivas (tubas faringotimpânicas). Salienta-se que no periquitoaustraliano tanto a coana como a fissura infundibular se abrem juntas. O monte laríngeo encontra-se caudal à base da língua e possui uma fenda mediana, a glote, a qual não é guardada pela epiglote. A parede da orofaringe é preenchida por diversas papilas mecânicas, tanto dispersas na forma individual como organizadas em linhas transversais. Todas essas papilas estão dirigidas caudalmente e desta forma auxiliam no movimento do bolo alimentar em direção ao esôfago quando da deglutição.
Esôfago - Possui uma localização anatômica inicial entre a traquéia e os músculos cervicais, porém logo desvia para a direita, mantendo esta posição por todo o comprimento do pescoço. Dentro da cavidade corporal o esôfago passa sobre a bifurcação da traquéia, entre a superfície ventral do pulmão e a base do coração, e funde-se ao proventrículo diretamente à esquerda do plano mediano. O esôfago é capaz de grandes distensões e sua lâmina própria apresenta diversas glândulas mucosas com a função de produzir um muco auxiliando a passagem do bolo alimentar.