A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
ExercíciosAula2(1)

Pré-visualização | Página 1 de 1

1a Questão
	
	
	
	Sabe-se da importância da questão do tráfico de escravos no relacionamento Brasil-Inglaterra no Império. Assinale a partir de que momento no Brasil o tráfico foi declarado ilegal.
	
	
	1824 (Constituição)
	
	1845 (Lei Aberdeen)
	
	1831 (Lei visc. de Barbacena)
	 
	1850 (Lei Eusébio de Queiroz)
	
	1888 (Lei Áurea)
	2a Questão
	
	
	
	Sobre as alforrias assinale a(s) afirmativa(s) correta(s):
I - ocorriam quando o escravo ou um terceiro comprava sua liberdade.
II - ocorriam somente quando o senhor decidia libertar o escravo.
III - Até 1865, a alforria mediante pagamento ou garantia podia ser revogada pelo antigo senhor.
IV - Os libertos não tinham condição identica à da população livre.
	
	
	Somente II e III.
	
	Somente II, III e IV.
	
	Somente I.
	 
	Somente I, III, e IV.
	
	Somente II.
	
Explicação:
As alforrias ocorriam quando o escravo ou um terceiro comprava sua liberdade, ou quando o senhor decidia libertá-lo, como observa Bóris Fausto, em História concisa do Brasil, 2002.
	3a Questão
	
	
	
	Sabe-se que o governo imperial sofria pressão internacional para por fim a escravidão no Brasil. Assinale a lei que suprimiu definitivamente o comércio de escravos para o Brasil.
	
	
	1885 (Lei do Sexagenário)
	
	1888 (Lei Áurea)
	 
	1850 (Lei Eusébio de Queiroz)
	
	1845 (Lei Aberdeen)
	
	1871 (Lei do Ventre Livre)
	4a Questão
	
	
	
	Sabe-se que no processo da Independência discutiu-se a questão da escravidão. Sobre a problemática da escravidão no processo da independência assinale a afirmativa INCORRETA.
	
	
	José Bonifácio visava o fim da escravidão para a constituição de uma nação, com os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade.
	
	José Bonifácio considerava a escravidão como um "cancro que rói as entranhas do Brasil".
	 
	As ideias de José Bonifácio contribuíram para por fim a escravidão no Primeiro Reinado.
	
	José Bonifácio como abolicionista usava argumentos de ordem moral e econômico para por fim a escravidão no Brasil.
	
	José Bonifácio apresentou Representação a Assembleia Legislativa e Constituinte do Império do Brasil sobre a escravatura (1823)
	5a Questão
	
	
	
	Sobre o relacionamento Brasil-Inglaterra no processo da Independência assinale a(s) afirmativa(s) correta(s):
I - A Inglaterra condicionou o reconhecimento da Independência a extinção do tráfico.
II - A Inglaterra exigiu também, primeiramente, o reconhecimento da Independência da parte do governo joanino (português).
III - A Inglaterra não fez exigência de reconhecimento primeiro da  parte do governo português.
IV - A Inglaterra reconheceu a independência em 1826.
	
	
	Somente I e III.
	
	Somente I, III, IV.
	 
	Somente I, II e IV.
	 
	Somente I e II.
	
	Somente I.
	
Explicação:
Somente I, II e IV. 
A Inglaterra condicionou também o reconhecimento da Independência a reconhecimento do governo português. Até porque seria uma indelicadeza diplomática para com d. João, que sempre esteve ao lado da Inglaterra.
	6a Questão
	
	
	
	Sabe-se que a questão do tráfico dominou o relacionamento Brasil-Inglaterra, nas décadas de 1830-1840. A partir de que momento o governo brasileiro passou a combater e fiscalizar, realmente, a prática do comércio de escravos.
	
	
	Lei de 1831.
	
	Bill Aberdeen, 1840.
	 
	Lei Euzébio de Queiroz, 1850.
	
	Lei Palmerston, 1839.
	
	Tratado Brasil-Inglaterra de 1826, ratificado em 1827.
	7a Questão
	
	
	
	Sobre a Lei Eusébio de Queirós (1850) assinale a afirmativa INCORRETA:
	
	
	O projeto de Lei Eusébio de Queirós (1850) reforçava a lei de 1831.
	
	As pressões inglesas contribuíram para que o governo brasileiro redigisse lei extinguindo o tráfico.
	 
	Findou com o tráfico transatlântico, bem como com o tráfico interno de escravos no Brasil.
	
	Extinguiu o tráfico transatlântico de escravos.
	
	Foi uma lei brasileira sobre o tráfico de escravos.
	8a Questão
	
	
	
	Sobre o processo de desagregação do sistema escravista no Brasil assinale a afirmativa INCORRETA:
	
	
	A Revista Illustrada de Angelo Agostini foi considerada por contemporâneos como um importante veículo de difusão de ideias abolicionistas.
	
	A lei Eusébio de Queirós (1850) pôs fim ao tráfico transatlântico de escravos.
	
	Haviam políticos brasileiros, como Joaquim Nabuco, que atuaram na defesa da Abolição.
	
	O projeto da abolição gradual da escravidão foi vontade do Estado Imperial brasileiro.
	 
	As pressões inglesas sobre o governo brasileiro não contribuíram para a extinção do tráfico.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.