ESTAGIO Mancha branca ativa e inativa
16 pág.

ESTAGIO Mancha branca ativa e inativa


DisciplinaDentística5.226 materiais104.210 seguidores
Pré-visualização1 página
Mancha branca ativa e inativa: Etiologia, diagnóstico e tratamento
Introdução
Manchas brancas sobre as superfícies de esmalte dentário constituem opacidades que determinam alterações no aspecto de normalidade desse tecido. Vários fatores podem determinar o seu surgimento, dentre eles a cárie dentária, a fluorose e a hipoplasia, as quais são caracterizadas pela diminuição ou perda local da translucidez, e motivadas por fatores ambientais, idiopáticos ou hereditários. 
As manchas brancas por lesão de cárie, possuem a superfície externa intacta com a região imediatamente abaixo solubilizada pelos ácidos. 
Esse tipo de lesão é bem definida, ligeiramente mais corada que o restante dos dentes, sendo encontrada nas áreas de maior acumulo do biofilme dental ( cervical, proximal e oclusal). 
A primeira atitude ao se detectar visualmente uma mancha branca é evitar fazer a inspeção dela com a sonda exploradora, uma vez que os cristais de esmalte já fragilizados podem ser fraturados neste procedimento, e o que era apenas uma mancha torna-se cavitação.
Características da lesão
 Cárie ativa
 Aspecto em esmalte: Mancha branca, rugosa e opaca 
 Cárie ativa
 Aspecto em dentina: Tecido amolecido de cor marrom clara 
 Cárie inativa
Aspecto em esmalte: Mancha branca, lisa, brilhante e polida
 Cárie inativa
Aspecto em dentina: Tecido duro e escurecido
Diagnóstico diferencial
A mancha branca por cárie: Está relacionada com a perda de mineral pelo esmalte, após os eventos físico-químicos ocorridos entre o esmalte e os ácidos produzidos pelas bactérias. Quando diagnosticada em sua fase inicial, ainda apresenta-se parcialmente desmineralizada sendo passível de remineralização.
 
\u201c Mancha branca é o estágio inicial da lesão de cárie não cavitada, sendo uma desmineralização superficial do esmalte\u201d.
Diagnóstico diferencial
Fluorose: Provocada pela exposição excessiva dos dentes permanentes ainda em formação ao flúor. Isso ocorre devido a ingestão de produtos com flúor por um tempo prolongado.
Diagnóstico diferencial
Hipoplasia: É uma má formação do tecido, podendo acontecer no final da gestação ou durante o primeiro ano de vida.
Tratamento
Em mancha branca ativa deve ocorrer a remoção do agente etiologico. 
Mancha ativa: Requer remineralização que pode ser alcançada por aplicações de verniz fluoretado. 
Recomenda-se que após a aplicação do verniz o paciente não ingira alimentos no mínimo por 2 horas;
A escova pode ser liberada somente 12 horas após a aplicação;
Mancha inativa: Deve ser aplicado fluor em gel.
Aplicação do gel em moldeiras por arcada ou com uso de cotonetes, deixar por 1min. 
Não ingerir alimentos ou agua por 30min.
Prevenção
Realizar duas ou mais aplicações de verniz fluoretado ao ano são suficientes para prevenção de cárie, tanto na dentadura decídua como na permanente.
Escovação dos dentes duas vezes por dia, com uma pasta contendo flúor.
Usar dentifrícios fluoretados após a erupção dos primeiros dentes;
É necessário enfatizar ao paciente e aos seus responsáveis a necessidade de dar maior atenção à higiene oral, indicando os locais onde a escovação não está adequada e o que esta falta de cuidado está causando.
14
Referencias 
http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2008/anais/arquivosINIC/INIC1143_01_O.pdf
http://ortociencia.com.br/Materia/203/Como-eliminar-lesoes-de-mancha-branca-no-esmalte-dental-durante-o-tratamento-ortodontico
http://www.lopesodonto.com.br/pacientes/sera-que-eu-tenho-carie/
Odontopediatria na Primeira Infância - 3ª Edição - Corrêa, M.S.N
Bruna Silva 067
Caetano Ribeiro 558
Evandro Rissato 059
Isabela Goes 050
Jessie Medeiros 062
João Gabriel Vieira 068