A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
249 pág.
Nessahan Alita   Como lidar com mulheres (Ed. 2008)

Pré-visualização | Página 4 de 50

r ( JUNG, 1995 e JUNG, 1996) . 
4
 E , por tan to , não são infer iores como supõem os machis tas dogmát icos rad ica is , mas 
s implesmente d i fe rentes . 
 14
21. Desistem dos jogos de engano e manipulação quando as 
ludibriamos habilmente, deixando-as supor que realmente o estão 
conseguindo. 
22. Simulam fragilidade para ativar o instinto protetor masculino. 
23. Jogam com o nosso medo de entristecê-las e desagradá-las. 
24. São pacientes. 
25. Testam e observam reações. 
26. São irresistivelmente atraídas por homens que lhes pareçam 
destacados, melhores do que os outros e, ao mesmo tempo, 
desinteressados. 
27. Costumam comportar-se como se fossem desejadas. 
28. Amam e se entregam totalmente aos cafajestes experientes5. 
29. Desejam um homem na mesma proporção em que outras mulheres 
o desejam. 
30. Preferem aqueles que se aproximam fingindo não ter interesse. 
31. Querem que o homem esconda seu desejo sexual até o momento 
da entrega. 
32. Simulam indiferença para sugerir que estão interessadas em 
outro. 
33. Têm verdadeira loucura por homens que compreendam seu 
mundo. Chamam-no de “diferente”. 
 
5
 In fe l izmente . Nessahan Al i ta não gosta di sso mas nada pode faze r a não ser denunciar pa ra o 
bem de todos . 
 15
34. Tornam-se inacessíveis após a conquista para que o homem 
preserve o sentimento que geraram6. 
35. Tentam descobrir o que sentimos nas várias situações. 
36. Costumam “amarrar” o homem, repudiando-o e evitando-o. 
37. Temem o ódio masculino real, sem mescla alguma de afeição7. 
38. Afastam-se para verificar se iremos atrás ou não. 
39. Constantemente observam e avaliam se, como e quanto 
necessitamos delas emocionalmente. 
40. Provocam “perseguições” atraindo e em seguida repudiando. 
41. Nos frustram dando e desfazendo esperanças de sexo. 
42. Negam-nos a satisfação sexual plena para acender o nosso 
desejo. 
43. Nunca permitem que saibamos se fogem porque querem ser 
deixadas em paz ou porque querem ser perseguidas. 
44. Impressionam-se com homens decididos que não temem tomar 
atitudes enérgicas e as surpreendem. 
45. Levam os bobos que as perseguem para onde querem. 
 
6
 Es ta carac te r í s t ica é exaus t ivamente t ra tada por Francesco Albe roni (1986 /sem data ) . Grande 
par te das caract er í s t i cas que apontadas nes te cap í tu lo são na verdade apenas ampl iações e 
impl icações obr iga tór ias de sua teor ia da cont inuidade . Pa ra Alberoni , a mulher busca 
incessantemente a cont inuidade do in t e res se mascul ino , i s to é , se r i n in te r rup tamente amada e 
dese jada . Assim, o e rot i smo fe minino ser ia con t ínuo , enquanto o e rot i smo mascul ino ser ia 
descont ínuo, já que o home m perde temporar iamente o in t e resse pe la mulher após o a to sexua l . 
A descont inu idade do mascul ino te r ia o e fe i to de fe r i r a mulhe r nos sen t imentos . 
7
 E o fazem com razão pois a perda do cont ro le emoc iona l por par te do homem o t rans fo rma em 
um mons t ro suic ida . Daí a impor tânc ia das le i s que defendam a in tegr idade f í s ica da mulhe r . 
Es tamos ca ren tes , porém, de le i s que pro te jam a in teg r idade emocional dos homens . Os casos de 
homens casados ou sepa rados que seques t ram e assass inam suas esposas e f i lhos , su ic idando-se 
em seguida , ou de jovens so l te i ros que ma tam vá r ios colegas de escola (nos per igosos sur tos da 
“ba t te red man syndrome”) apon tam pa ra essa necess idade urgente . Se nada for fe i to , esses casos 
 16
46. Fogem e resistem para evitar que sua entrega provoque o 
desinteresse do “perseguidor”. 
47. São irresistivelmente atraídas por aqueles que provocam 
emoções fortes. 
48. Assediam aqueles que marcam sua imaginação como diferente e 
especial e, ao mesmo tempo, deixe entrever que está 
desinteressado. 
49. Concluem que precisamos delas quando as procuramos e 
perseguimos. 
50. Sentem-se seguras de seu poder de sedução quando são 
assediadas8. 
51. Têm necessidade de levantar a auto-estima assediando ou 
depreciando o homem que as rejeita. 
52. Acham que estão sendo desejadas quando um homem as observa 
detidamente ou toma a iniciativa do contato. 
53. São física e psiquicamente lentas (resistentes ao tempo)9 em 
certas situações: demoram para serem encantadas, para terem o 
orgasmo, para tomarem decisões, para sentirem falta de sexo, 
suportam esperar muito tempo, são pacientes etc. 
54. Não se compadecem por nosso sofrimento emocional. 
 
i r ão se in tens i f ica r pe r igosamente . O mal ins i s te e se faz no ta r a t é que se j a enca rado 
f ron ta lmente . 
8
 E is um dos mot ivos pe lo qua is reprovo to ta lmente a conduta mascu l ina assediadora . O 
assed iador obtém resu l tados opos tos aos a lme jados . 
9
 Entretanto, são extremamente rápidas para reagirem corre tamente às suas própr ias 
necessidades emocionais . 
 17
55. Não se compadecem pelo sofrimento masculino ocasionado pela 
insatisfação sexual (consideram "frescura" ou "sem-
vergonhice"). 
56. Uma vez relacionadas com um homem, ficam atrás dele somente 
se ele resistir mais do que elas, evitando buscar contato e sexo. 
57. Tornam-se emocionalmente dependentes de homens protetores, 
seguros, decididos e que, ao mesmo tempo, não dependem delas 
emocionalmente. 
58. Concebem o homem ideal como seguro, forte, distante, decidido 
e calmo. 
59. Sonham em “domar” os cafajestes porque sua conversão seria 
uma prova inequívoca de amor. 
60. Simulam desinteresse para não serem desprezadas como "fáceis". 
61. São atraídas pelo macho "diferente" que seja superior aos outros 
em vários sentidos, principalmente na possibilidade de oferecer 
segurança. 
62. Cultivam no homem a dependência. 
63. Observam e testam continuamente os nossos sentimentos até o 
limite de romper a relação. 
64. Instrumentalizam nossos erros em seu favor. 
65. Jogam a culpa dos erros delas em nós. 
66. Sempre possuem uma desculpa para as falhas. 
67. Dobram e manipulam o homem quebrando sua resistência através 
da fragilidade. 
 18
68. Nos submetem e manipulam sem percebermos. 
69. Nunca admitem que dão abertura para que outros a cortejem. 
70. Juram fidelidade de sentimento mas se contradizem com atitudes 
suspeitas e “sem intenção”. 
71. Não têm medo de jogar até o limite porque consideram que, se o 
cara romper a relação, a ruptura aconteceu porque ele já não 
prestava mesmo. 
72. São afetadas pela nossa perda apenas depois que ela realmente se 
efetiva. 
73. Jogam com ambigüidades e evitam assumir as conseqüências. 
74. São incapazes de visualizar a dor da insatisfação afetivo-sexual 
masculina. 
75. Descobrem os limites do homem jogando com seus sentimentos. 
76. Sentem um alívio em sua angústia de não serem amadas quando 
descobrem que alguém sofre por elas. 
77. Querem ser amadas por aqueles que sejam melhores em todos os 
sentidos. 
78. Quase nunca estão satisfeitas com os homens com os quais 
contraem matrimônio10. 
79. Gostariam de ter um homem que correspondesse à satisfação de 
todos os seus desejos conflituosos e contraditórios11. 
 
10
 Es ta é uma