A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
249 pág.
Nessahan Alita   Como lidar com mulheres (Ed. 2008)

Pré-visualização | Página 50 de 50

centrais. 
Fomos ensinados, desde a infância, que as mulheres são seres 
sensíveis aos quais deveríamos agradar por meio de esforços no sentido de 
atender a seus desejos. Fizeram-nos acreditar que assim elas retribuiriam o 
 187
amor com amor, a dedicação com dedicação, que nos amariam 
espontaneamente ao perceberem que as amamos e nos esforçamos para 
atender a seus gostos. Trata-se de uma mentira que ocasionou a adoção de 
padrões comportamentais errôneos. Agora, estamos condicionados e 
precisamos adotar um novo comportamento para atingir os fins que 
almejamos mas para tanto é necessário antes conhecê-lo com clareza. 
O que define o comportamento adequado para a conquista e a 
convivência são as estruturas do inconsciente feminino e não aquilo que é 
conscientemente dito e assumido. O amor, tal como nos foi ensinado, é uma 
mentira pestilenta que precisa ser abandonada. 
 188
27. Como ser fascinante aos olhos das mulheres 
 
Obs. Este ar t igo foi escr i to na década de 90 e não havia s ido publicado até a pr imeira 
edição vir tual des te l ivro. Revise i-o, deta lhei-o e c lar i f iquei os pontos que permit iam 
más interpre tações, le i turas tendenciosas e dis torções in tencionais . 
 
Vou escrever agora sem o menor pudor e sem nenhuma preocupação 
com as feministas1. 
Nossa cultura ocidental moderna nos meteu na cabeça a crença de que 
o amor da mulher vem por mera retribuição ao nosso amor e desejo. Deste 
modo, bastaria que as amássemos sinceramente para que fôssemos 
correspondidos. Este erro causou muito dano. 
Na verdade, a mulher, a não ser excepcionalmente, não ama nenhum 
homem em si e por si mesmo mas sim as características atraentes que ele 
possui. Quando o homem apresenta certos atributos que correspondem às 
loucuras femininas, a mulher diz que o adora. Na verdade, está fascinada 
pelos atributos que encontrou. Não somos amados pelo que somos mas pelo 
que elas desejam e imaginam que somos: 
“As mulheres são ps iquê vendo o seu amado mais como eros, no seu papel de 
deus do amor, do que como o homem que ela conhece e poder ia amar pelo que ele é .” 
(JOHNSON, 1987) 
Se surgirem na frente delas cem homens com os mesmos atributos (ou 
mais alguns ainda melhores aos seus olhos) serão todos amados 
alucinadamente e ao mesmo tempo. A traição não é exclusividade e nem 
maior propensão masculina, como todo mundo acredita. Isso é puro 
preconceito contra nós. Este preconceito dita que somos todos sem 
vergonhas enquanto elas são todas santinhas. 
Todas as fêmeas são altamente seletivas mas isto não significa que 
sejam naturalmente fiéis ou monogâmicas. Querem oferecer seu sexo apenas 
 
1
 Re f i ro-me às femin is tas rad ica is , dogmát icas , uni la te ra is e ex t remis tas e não às femin is t as 
esc la rec idas . 
 189
àqueles que parecem melhor aos seus olhos. São altamente criteriosas na 
escolha e ficam com o melhor que conseguem. Não são como nós, que 
parecemos porcos e comemos qualquer lixo. 
Para entender esta dinâmica temos que compreender quais são os 
critérios seletivos femininos. Prepare-se porque vou dissecá-los sem 
piedade. 
Quando a mulher é jovem e, ao mesmo tempo, estúpida2, seu principal 
critério seletivo é o destaque dado pela imprestabilidade, pela delinqüência, 
pelas marcas de roupas e de carro dos rapazes. O arquétipo do super-homem 
ainda não está amadurecido em sua imaginação e seu pobre cérebro3 a faz 
acreditar que os piores serão os melhores. Nesta fase, os bons e sinceros, 
que as amam de verdade, são rejeitados e ridicularizados. Quando acontece 
o milagre de serem aceitos, o são para apenas a função de escravos 
emocionais e mais nada, e porque realmente não houve nenhum playboy 
acessível por perto. Depois, futuramente, ela se dana, fica grávida, perde a 
beleza, a juventude e os atrativos e, é lógico, o cara que havia sido 
escolhido a troca por outra novinha em folha, abandonando-a sem amparo4. 
Então a mulher cairá na real mas, nesta altura dos acontecimentos, já estará 
mais “feia”5 e, portanto, menos exigente, aceitando os sinceros. Em outras 
 
2
 E não quando a mesma é jovem e in te l igente , fa to que t ambém se ve r i f i ca . Es ta es tupidez se 
re fe re exclus ivamente ao c r i t ér io se le t ivo amoroso e a nenhum out ro campo. Insp i re i -me em 
l iv ros femininos nos qua is es te obse rvação apa rece como expressão de ind ignação das mulhe res 
pelo fa to dos homens as va lo r izarem pe la be leza e p re fe r i rem as mais “bon i t as” , a despe i to da 
s incer idade . 
3
 Obviamente , aque las que não desprezam os bons e se recusam a admira r os piores não se 
enquadrar iam nes ta def ini ção . Por ou t ro lado, há homens jovens igua lmente tontos com 
cérebros igua lmente pobres . 
4
 Por tan to , e la é a maior pre judicada por sua p rópr ia fa l ta de bom senso . 
5
 Devo lembrar o le i to r que, como d isse Tols tó i , os c r i té r ios de be leza são re l a t ivos , não 
exis tem de um pon to de vi s ta obje t ivo e va r iam enorme mente ao longo do tempo, do espaço , das 
cul turas , do es tado emoc iona l e dos ind iv íduos . Entenda-se aqui por “ fe ias” aquelas que não se 
enquadram nos padrões di ta to r ia i s de beleza adotados pe los própr ios “p layboys” p re fer idos e 
que as desprezam pos te r io rmente . Ainda ass im, essas mesmas mulheres podem se r cons ideradas 
“boni tas” por homens que ado tem out ros c r i té r ios . A be leza exis t e apenas do pon to de v is ta 
sub je t ivo , em dependênc ia do es t ado in te r io r daquele que contempla . Não entendemos que 
fu lana é l i nda e s im o sen t imos pois a be leza não é a lgo rac iona l . “Bela” é a mulher por quem 
um home m se apaixonou, independentemente de suas formas “obje t ivas” (eu não cre io na 
obje t iv idade da matér ia ) . A pa ixão t ransf igura seu ob je to . Como d isse Schopenhauer (2004) , são 
os ins t in tos que l evam o homem a cons iderar be la a mulher , ou se ja , a mulher não é , em s i , be la 
ou fe ia . Uma mulher se rá cons iderada “bela” quando se ves t i r ou se compor ta r de dete rminados 
 190
palavras: os emocionalmente honestos comem o resto rejeitado pelos 
playboys e cafajestes. 
A propósito da altura: as mulheres nunca se fascinam por homens que 
lhes sejam inferiores. Isso se percebe, por exemplo, pelo seu gosto por 
homens que sejam mais altos ou, pelo menos, que tenham a mesma altura 
que elas. Homens que se casam com mulheres bem mais altas devem reunir 
uma grande soma de outros atributos para serem superiores aos grandões e 
evitar os chifres. Entre dois pretendentes absolutamente iguais em tudo, 
menos em altura, o preferido será o mais alto. 
Entretanto, não acredite que somente a altura basta. A fêmea é louca 
para dar seu sexo para homens superiores em qualquer sentido mas, se o 
cara for superior apenas na altura, também tomará chifre. A maioria das 
mulheres comprometidas que um colega meu conquistou pertenciam a 
homens grandes e ele era baixo. Acontece que muitas vezes elas se 
envolvem exclusivamente com os caras altos quando ainda são muito novas 
e, ao mesmo tempo, tolas mas depois descobrem que eles são seres humanos 
normais e podem ser algumas vezes tão infantilizados, estúpidos, grosseiros 
e desinteressantes quanto os baixos6. Como querem loucamente dar o sexo 
para um super-homem, metem chifre no gorila se aparecer um chimpanzé 
mais inteligente que saiba seduzí-las. 
O que