A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
60 pág.
Apostila de Direito nas Organizações  quarto semestre 2018

Pré-visualização | Página 1 de 21

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES 
 
 
 
 
 
 
 
 
Professor: Pedro R. Campanini 
Curso: Administração 
 
 
 
 
 
1. Direito Tributário 
1.1. Teoria da Imposição Tributária 
1.2. Princípios Constitucionais Tributários 
1.3. Normas de Direito Tributário 
1.4. Espécies Tributárias 
1.5. Obrigação Tributária 
1.6. Crédito Tributário 
1.7. Prescrição e Decadência 
1.8. Tributos em espécie 
A – Da União 
B – Dos Estados 
C – Dos Municípios 
1.9. Crimes contra a ordem tributária 
 
2. Direito do Trabalho 
2.1. Teoria Geral do Direito do Trabalho 
2.2. Trabalho Autônomo e Subordinado 
2.3. Direito Constitucional do trabalho 
 
3. Direito da Empresa 
3.1. Do Empresário 
3.2. Constituição das Sociedades 
3.3. Empresa Individual de Responsabilidade Limitada 
3.4. Da Sociedade 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Araraquara 
 2 
Capítulo I 
Imposição Tributária 
 
I. DIREITO TRIBUTÁRIO 
 
- Conceito de Direito Tributário: ramo do Direito Público que trata do conjunto de normas 
e proposições que disciplina a atividade do Poder Público de criação, fiscalização e 
arrecadação de tributos. 
- Objetivo principal: arrecadar tributos. 
- Antes da CF/88 o tributo era usado conforme conviesse, agora precisa seguir o sistema 
tributário constitucional (CF arts. 145/156). 
 
 
II. TRIBUTO 
 
- Tributo 
Art. 3º, CTN - Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor 
nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada 
mediante atividade administrativa plenamente vinculada. 
 
Prestação = obrigação. 
Pecuniária = que tenha expressão monetária, tradução em dinheiro. 
Compulsória = obrigação (redundância do CTN). 
Em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir = redundância. 
Que não constitua sanção de ato ilícito = pena pecuniária (multa) é diferente de 
tributo. 
Instituída em lei = art. 5o, II, CF: ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer 
alguma coisa senão em virtude de lei. 
Cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada = não se cobra 
de qualquer forma; o tributo só pode ser exigido mediante lançamento (ato 
jurídico-administrativo que viabiliza a cobrança do tributo – art.172, CTN). 
 
 
- Função dos Tributos 
 
 1 – Fiscal: quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros 
para o Estado. 
 
2 - Extrafiscal, quando seu objetivo principal é a interferência no domínio 
econômico, buscando um efeito diverso da simples arrecadação de recursos financeiros. 
Ex: Alíquotas de importação. 
 
3 - Parafiscal, quando seu objetivo é a arrecadação de recursos para o custeio de 
atividades que, em princípio, não integram funções próprias do Estado, mas este as 
desenvolve através de entidades específicas. Quando terceira pessoa, diversa da que 
criou o tributo, o arrecada, desde que tenha obtido autorização legal para isso. É a 
delegação de capacidade tributária ativa que a pessoa política, por meio de lei, faz a 
terceira pessoa, a qual, por vontade desta mesma lei, passa a dispor do produto 
arrecadado. Ex.: OAB, SESI. 
 
- Tipos de tributo (espécies tributárias): 
- Imposto 
o Art. 16, CTN: Imposto é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador 
uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, 
relativa ao contribuinte. 
o Independe de qualquer atividade ou serviço do poder público em relação 
ao contribuinte. Aplica-se para custeio da administração e para serviços 
em benefício da comunidade. 
 3 
- Taxa 
o Art. 77, CTN: As taxas cobradas pela União, pelos Estados, pelo Distrito 
Federal ou pelos Municípios, no âmbito de suas respectivas atribuições, 
têm como fato gerador o exercício regular do poder de polícia, ou a 
utilização, efetiva ou potencial, de serviço público específico e divisível, 
prestado ao contribuinte ou posto à sua disposição. 
o Tributo relacionado com a prestação de algum serviço público para um 
beneficiário identificado ou identificável. 
o O serviço pode ser efetivo ou potencial, ou seja, posto à disposição e não 
utilizado. Ex: taxa de consumo mínimo de água. 
o Também pode estar relacionado como poder de polícia da atividade 
estatal: fiscalização e licenciamentos. 
- Contribuição de melhoria 
o Art. 81, CTN: A contribuição de melhoria cobrada pela União, pelos 
Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios, no âmbito de suas 
respectivas atribuições, é instituída para fazer face ao custo de obras 
públicas de que decorra valorização imobiliária, tendo como limite total a 
despesa realizada e como limite individual o acréscimo de valor que da 
obra resultar para cada imóvel beneficiado. 
o É um tributo sobre a valorização de imóvel particular decorrente de obra 
pública realizada. 
- Contribuições sociais, especiais ou parafiscais: são tributos destinados à coleta 
de recursos para certas áreas de interesse do poder público, na Administração 
direta ou indireta, ou na atividade de entes que colaboram com a 
Administração. Tem destinação certa e por isso é recolhida com finalidade 
predeterminada. Ex: Cofins (Contribuição para o financiamento da seguridade 
social). 
- Empréstimos compulsórios 
o Art. 148, CF: A União, mediante lei complementar, poderá instituir 
empréstimos compulsórios: 
 I - para atender a despesas extraordinárias, decorrentes de 
calamidade pública, de guerra externa ou sua iminência; 
 II - no caso de investimento público de caráter urgente e de 
relevante interesse nacional, observado o disposto no art. 150, III, 
"b".1 
 Parágrafo único. A aplicação dos recursos provenientes de 
empréstimo compulsório será vinculada à despesa que 
fundamentou sua instituição. 
o É um imposto qualificado pela promessa de restituição, com aplicação 
vinculada à despesa que fundamenta sua instituição. 
 
 
III. COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA 
 
1) Conceito: é a repartição do poder de tributar, constitucionalmente atribuída aos 
diversos entes públicos, de modo que cada um tenha o poder de instituir e arrecadar os 
tributos de sua exclusiva responsabilidade; envolve o poder de fiscalizar e cobrar 
tributos, e o de legislar a respeito. Assim, somente tem competência tributária o ente 
público provido de poder de legislar. 
 
2) Poder de tributar: é a atribuição constitucionalmente conferida aos entes federativos, 
em caráter de exclusividade, para criar, aumentar, diminuir ou extinguir tributos, de 
forma a arrecadar recursos para a consecução de suas finalidades (art. 145, CF). 
- Uma vez que a competência tributária é indelegável (art. 7º do CTN), apenas 
determinadas funções são transferíveis (capacidade tributária ativa), como as de 
 
1
 É necessário respeitar-se o princípio da anterioridade – objeto de estudo no Capítulo II. 
 4 
arrecadação ou de fiscalização, que passam de um órgão público para outro. Ex: União 
permite que municípios fiscalizem e arrecadem o ITR. 
- Capacidade tributária: envolve apenas a fiscalização e a cobrança por delegação, sem 
poder para legislar. Ex: INSS 
 
3) Competência legislativa plena: consiste no poder exclusivo da pessoa jurídica de 
direito público conforme indicada pela CF, de criar e arrecadar tributos, de acordo com o 
que dispõe o CTN, art. 6º. 
 
4) Características da competência: 
a) privativa: cada pessoa política tem seus próprios tributos; 
b) imprescritível: não está submetida a prazo para ser validamente exercitada (ex: imp. 
sobre grandes fortunas); 
c) exercício facultativo: a pessoa política é livre para criar ou não o tributo – exceção 
ICMS que é de exercício obrigatório; 
d) não ampliável: não pode ir além dos moldes constitucionais, só é possível alargamento 
por força constitucional, admitido por emenda; 
e) irrenunciável (pode deixar de exercitar, mas