INTRODUCAO PRATICAS INDUSTRIA FARMACEUTICA
2 pág.

INTRODUCAO PRATICAS INDUSTRIA FARMACEUTICA


DisciplinaPraticas Farmaceuticas em Industrias17 materiais58 seguidores
Pré-visualização1 página
INTRODUCAO 
O iogurte é um produto fermentado por micro-organismos específicos. Possui composição rica em nutrientes e devido ao processo fermentativo, há consumo da lactose, sendo, por isso, um excelente substituto para quem tem intolerância ao leite in natura. (SILVA.T.F EMBRAPA), foi popularmente conhecido na EUROPA, no século XVI por volta de 1542, oriundo do império otomano, a palavra iogurte tem origem turca que deriva da palavra yoghurma que significa engrossar.(ENGETECNO, 2007) pode ser considerado o produto lácteo fermentado mais importante no mercado brasileiro, depois do queijo. São muitos tipos de iogurtes de fabricação industrial: iogurte de aspecto firme, iogurte batido, iogurte líquido, aromatizados, com polpa de frutas, etc. Porém, a mistura básica de ingredientes é essencialmente a mesma. (FURB, 2009)
A legislação o define como um produto do leite, coagulado alcançado por fermentação láctica através da ação de microrganismos, como Lactobacillus delbruckii ssp. Bulgariscus e Streptococcus salivaris ssp. Thermophillus.(ENGETECNO, 2007)
Os principais componentes do flavor do iogurte destaca se o ácido lático acetaldeido e diacetil em baixas concentrações.(ENGETECNO, 2007),os iogurtes recém produzidos possuem aproximadamente organismos/g, porem durante seu armazenamento pode abaixar para se mantidos a 5 graus, o acréscimo de frutas parece não afetar o número de microrganismos fermentadores, todavia a norma da Federação Internacional de Produtos Lácteos para iogurte e de /g ou mais.(JAY, 2005).
 O Iogurte é um produto de atribuição do MAPA, logo registrado nesse órgão.
Contudo, a análise de prova de propriedade funcional é realizada pela Anvisa conforme a Resolução nº 18/99, que estabelece as diretrizes básicas para a comprovação da eficácia da alegação proposta.
Existe um acordo entre a Anvisa e o MAPA, em que as empresas interessadas em utilizar alegações de propriedade funcional em produtos de competência do MAPA devem protocolar diretamente na Anvisa um documento solicitando a avaliação da alegação de propriedade funcional (Assunto 403), contendo, um requerimento especificando o motivo da solicitação, os dizeres de rotulagem ou modelo de rótulo, a via original do comprovante de pagamento da taxa de fiscalização de vigilância sanitária (GRU), o comprovante de enquadramento de porte da empresa de acordo com a legislação vigente, exceto para as empresas enquadradas como Grande Grupo I e os documentos exigidos pela Resolução nº 17, de 30 de abril de 1999. A GGALI realiza a avaliação da eficácia da alegação e comunica ao interessado e ao MAPA o resultado da avaliação.
Não são considerados alimentos os produtos com finalidade medicamentosa e ou indicações terapêuticas conforme Art. 56 do Decreto-Lei nº 986/69 e alíneas f e g do item 3.1 da Resolução RDC nº 259/2002, ademais, os alimentos não podem fazer menção de tratamento, prevenção ou cura de doenças, de acordo com o item 3.5 da Resolução nº 18/99.(ANVISA assessoria de imprensa)