tuberculose
3 pág.

tuberculose


Disciplina<strong>epidemiologia</strong> Especial1 materiais19 seguidores
Pré-visualização1 página
Tuberculose
A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível cuja história é tão antiga quanto a da própria civilização. Há relatos de evidências de tuberculose espinhal em esqueletos pré-históricos datados de 8.000 a.c. Ela afeta prioritariamente os pulmões, embora possa acometer outros órgãos e sistemas. No Brasil, a doença é um sério problema da saúde pública, com profundas raízes sociais. A cada ano, são notificados aproximadamente 70 mil casos novos e ocorrem cerca de 4,5 mil mortes em decorrência da tuberculose. Globalmente, cerca de 10 milhões de pessoas adoecem por tuberculose, levando mais de um milhão de pessoas a óbito, anualmente. O surgimento da aids e o aparecimento de focos de tuberculose resistente aos medicamentos agravam ainda mais esse cenário. O principal reservatório da tuberculose é o ser humano. Outros possíveis reservatórios são gado bovino, primatas, aves e outros mamíferos.
Etiologia
A tuberculose é uma doença causada pelo M.tuberculosis. O bacilo é caracterizado por ser álcool-ácido, resistente quando corado por método Ziehl-Neelsen. É bastante frágil e facilmente destruído quando exposto á radiação ultravioleta do sol, ao calor, e as radiações ionizantes. Não consegue viver muitas horas fora do parasitismo. Ele duplica sua população em 18 a48 horas. Possui elevada proporção de mutantes resistentes ao tratamento. É estritamente aeróbico(precisa de oxigénio para sobreviver), razão pela qual infecta principalmente os pulmões. A infecção pode ocorrer em qualquer órgão do corpo, já tendo sido descritos casos de tuberculose em pleura, linfonodos , ossos, articulações do sistema nervoso central, trato gastrointestinal, peritônio, pericárdio, miocárdio, pele, olhos, ganglionar .
Pré- patogênese
 A condição socioeconômica vigente, com cada vez mais bolsões de pobreza nas grandes cidades, saneamento precário a emergência da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), são fatores que facilitam a proliferação da doença. 
Período patogênico
O curso clinico da tuberculose pode desenvolver-se durante vários anos e representa uma interação complexa entre o bacilo de Koch e o sistema imunológico do paciente. Após a transmissão pela via inalatória, quatro situações podem ocorrer:
Eliminação do Bacilo de Koch- Em alguns casos, o bacilo inalado pode ser fagocitado e destruído por macrófagos alveolares antes da sua multiplicação e de causar qualquer inflamação ou mesmo resposta imunológica do organismo.
Infecção latente-Caso os bacilos não sejam destruídos, eles proliferam no interior dos macrófagos , havendo a liberação de citocinas que atraem outras células inflamatórias , iniciando um reação local com formação de um granuloma(nódulo de gohn).Dependendo da imunidade celular adquirida há o controle da proliferação dos bacilos, não existindo, portanto a progressão para tuberculose-doença, como acontece em 95% dos casos. Cerca de 95% das infecções latentes passam despercebidas, deixando apenas a positivação do teste tuberculínico.
Tuberculose Primária- Nos 5% restantes das infecções, em que a resposta imunológica não foi suficiente para deter a proliferação do BK, desenvolve-se a tuberculose primária, geralmente nos primeiros cinco anos após a primo-infecção. Esta acomete os pulmões e os gânglios satélites hilares, mediastinais ou peribrônquicos, podendo levar a formação de atelectasias por obstrução brônquica, sendo mais comum o comprometimento do lobo médio, caracterizando a síndrome do lobo médio.
Reativação Endógena-Reativação ocorre, preferencialmente, nos pulmões , causando a tuberculose pulmonar ou tuberculose pós-primária. Ocasionalmente, poderá ocorrer a reinfecção exógena.
	Doença assintomática
	Doença precoce
	Doença avançada
	
	Pré-clínico
	Fase clinica
	Manifestação
	Conclusão
	
Doença assintomática
Do início do processo patológicos primeiros sintomas
 Ocorrem alterações celulares decorrentes da multiplicação do bacilo de koch
	
Tosse seca no inicio e com produção de secreção por mais quatro semanas.
	
Tosse com pus ou sangue
Cansaço excessivo
Febre baixa sudorese
Palidez
Emagrecimento acentuado
Fraqueza e prostração
Casos graves
Dificuldade de respiração, eliminação de grandes quantidades de sangue e dor torácica.
	
Morte
Tratamento e cura
Tratamento feito por esquema com uso de três drogas(isoniazida,rifampicina, pirazinamida. Excetomemingite tuberculosa
Eficácia de 98%
Após o 14dia de tratamento os pacientes tornam-se não infectantes.
	
	
	
	
Diagnóstico Etiológico /Laboratorial
 Baciloscopia direta do escaro, método de diagnóstico de escolha , baixo custo e rapidez, além de ser capaz de descobrir a fonte da infecção. Consiste em coletar escarro , inicialmente três amostras, preferencialmente pela manhã em jejum, antes da higiene oral por três dias. Diagnóstico por imagem, a radiografia do tórax o exame mais utilizado, podem ser visualizados os segmentos acometidos, muitas vezes tem perda de volume e atelectasia.