Propriedades físicas da matérias: ponto de fusão
5 pág.

Propriedades físicas da matérias: ponto de fusão


DisciplinaQuímica Geral I19.073 materiais341.996 seguidores
Pré-visualização1 página
Universidade Estadual de Maringá \u2013 UEM
Centro de Ciências Exatas \u2013 Departamento de Química
Relatório \u2013 Prática III
Propriedades físicas da matérias: ponto de fusão
Bruna Fernanda Rodrigues Bandeira/109682,
João Vitor dos Santos Morisco/109689,
Luiza Fabretti da Silva/109684,
Sarah Rickli de Oliveira/109687.
Turma 32 \u2013 Ciências Biológicas \u2013 Licenciatura.
Professor Dr. Bruno Henrique Vilsinski.
Maringá, 2018.
RESUMO
	
Este relatório refere-se à terceira aula prática na disciplina de Química Geral. A aula em questão teve como fundamento prático a determinação do ponto de fusão de uma substância. A relevância da aula se dá em função de que o ponto de fusão é muito importante, pois, por exemplo, tem sua determinação usada como método para calcular o grau de pureza de substância, entre outras utilidades.
INTRODUÇÃO	
As substâncias puras são as determinadas por possuírem apenas um tipo de molécula com propriedades químicas e físicas constantes, e a substância impura também chamada de mistura é composta por vários componentes. Entende-se por ponto de fusão (PF), a temperatura que a substância passa de seu estado sólido para o estado líquido, e o ponto de ebulição (PE), é o qual a substância passa do estado líquido para o estado gasoso em determinada pressão. 
Relacionando as informações citadas temos o PF e o PE ligados diretamente com a determinação da pureza da substância, visto que, na substância determinada impura o PF e o PE apresentam variações acima da 1,0°C, enquanto a substância pura varia apenas de 0,5°C à 1,0°C. Pela simplicidade e eficácia na determinação das substâncias, emprega-se grande valor à observação atenta nos pontos de fusão e ebulição.
OBJETIVOS
Os objetivos desta prática são conhecer, entender e aprender a encontrar o ponto de fusão de uma substância e determinar através deste se a substância é ou não pura. Pelo lado teórico, os objetivos se voltam à parte de entender como é feito o cálculo para encontrar este valor e saber como proceder em relação aos resultados. É importante destacar também que tem como objetivo também ensinar a realizar um procedimento onde se encontra o ponto de fusão de algo, já que este procedimento é bastante realizado em práticas laboratoriais.
PROCEDIMENTO
No experimento foi introduzido uma pequena porção de 3mm de m-nitro benzaldeído no estado sólido dentro de um tubo capilar montado no momento do experimento. O capilar foi fixado junto a um termômetro com o auxílio de um anel de borracha. Em uma segunda parte do procedimento, foi colocado água destilada em um tubo de Thiele, cerca de 3cm acima da saída superior do braço do tubo. 
Em um suporte universal com o auxílio de uma garra, o tubo de Thiele foi suspenso de modo que seu braço ficou com a ponta acima do bico de Bunsen. O termômetro junto ao tubo capilar foi pendurado em uma segunda garra mais acima da primeira, também no suporte universal. O bulbo do termômetro foi posicionado na altura da saída superior do braço do tubo de Thiele. 
Em um terceiro momento o bico de Bunsen foi aceso fazendo com que houvesse aquecimento da água. Com esse procedimento em execução foram observados com minúcia os detalhes a cerca do material contido no interior do capilar. Foram anotadas as temperaturas quando notadas mudanças no estado físico da substância.
O mesmo procedimento, desde a montagem de um capilar novo, foi repetido outras duas vezes. 
RESULTADO
	O experimento foi realizado três vezes, para certificar-se que fosse verificado corretamente o ponto inicial e final de fusão. Portanto, montou-se uma tabela para apresentar os resultados obtidos.
	
	Temperatura Inicial ºC
	Temperatura final ºC
	Média Final ºC
	Teste 01
	57º
	60º
	58,5º
	Teste 02
	56º
	61º
	58,5º
	Teste 03
	57º
	62º
	59,5º
A temperatura inicial indica quando o sólido formou a primeira gota líquida, já a temperatura final é quando todo o sólido de m-nitro benzaldeído, por fim, tornou-se completamente líquido. Para encontrar a margem de erro definiu-se calcular o desvio padrão. Foi calculada a média das médias finais, que resultou em 58,83, para aplicar a fórmula. Então, aplicado e feito o restante da conta, foi encontrado como valor do desvio padrão da temperatura 0,577ºC.
Desse modo, o valor médio final das temperaturas aferidas foi 58,83ºC, com um desvio padrão de 0,577ºC.
DISCUSSÃO
	Para a substância pura de m-nitro benzaldeído, a temperatura descrita na teoria do seu ponto de fusão é de 57ºC a 58ºC. Também, é descrito que a variação desejada, para uma substância ser considerada pura, entre o ponto de fusão inicial e final é de apenas 1ºC.
 No experimento realizado o ponto inicial de fusão começa na temperatura indicada, 57ºC a 58ºC, porém, o ponto final se dá apenas com 60ºC e 62ºC. Ainda, a variação entre a temperatura final e inicial foi, em todos os resultados, de 3ºC de diferença. Esses resultados indicam que a substância com a qual foi trabalhada não estava em seu estado puro. Também, pode-se considerar, que algum procedimento realizado, como a observação manual da temperatura do termômetro, pode ter contribuído para esse resultado desproporcional.
CONCLUSÃO
	Por fim, conclui-se a importância da determinação do ponto de fusão de uma substância, da sua aplicação prática e sua indispensabilidade aos processos que visam determinar o grau de pureza desta substância. Também foi possível analisar matematicamente o que inferem os resultados a cerca do mesmo e as variações que se referem ao grau de pureza. Foram utilizados instrumentos ainda desconhecidos, e a aula pôde ajudar na compreensão da utilização dos mesmos.
	Portanto é necessário entender que para cada informação que se pretende obter dentro de um laboratório, se há uma técnica que pode contribuir para a resolução. 
REFERÊNCIAS
1. RUSSELL, John B.; Química Geral vol.1, São Paulo: Pearson Education do Brasil, Makron Books, 1994.
2. SARDELLA, Antônio; MATEUS, Edegar; Curso de Química: química geral, Ed. Ática, São Paulo/SP \u2013 1995.
3. UEM, Química Experimental. Graduação em Ciências Biológicas. Universidade Estadual de Maringá, 2011.