A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
33 pág.
Estradas e Aeroportos Unip Angela

Pré-visualização | Página 2 de 2

• Ainda quanto à configuração do terreno onde se realiza uma 
operação de corte, esta poderá determinar uma seção dita de 
“corte pleno” ou uma “seção mista” 
• Dependendo da situação topográfica do segmento, teremos 
caracterizados dois tipos distintos de compensação de 
volumes 
• Compensação longitudinal 
• Compensação lateral 
COMPENSAÇÃO LONGITUDINAL 
• Uma compensação é dita longitudinal em duas situações: 
• A escavação é em corte pleno 
• A escavação provém de empréstimo não lateral 
• Neste caso, todo o volume extraído será transportado para 
segmentos diferentes daquele de sua origem: de corte para 
aterro (ou bota-fora); de empréstimo para aterro, unicamente. 
• A escavação do corte é em seção mista onde o volume de 
corte supera o volume de aterro 
• Neste caso, o volume excedente de corte em relação ao 
volume necessário de aterro no mesmo segmento terá 
destinação a segmento distinto do de origem 
 
COMPENSAÇÃO LATERAL 
• Se caracteriza pela utilização de material escavado, no 
mesmo segmento em que se processou a escavação 
 
• É o caso de segmentos com seções mistas ou em que a 
situação do terreno existente apresente pequenos aterros 
disseminados em cortes plenos ou vice-versa 
FATORES DE CONVERSÃO 
• Variações Volumétricas 
• Grande importância para as operações de terraplenagem 
• Etapa de projeto 
• Construção 
• Vcorte – Volume ocupado por massa de solo no corte de origem 
• Vsolto – Volume que ao escavado, sofrerá desarranjo em suas 
partículas 
• Vcomp – Volume ocupado pela mesma massa após descarregado 
e submetido a um processo mecânico de compactação 
• Para os solos, materiais mais freqüentemente envolvidos nas 
operações de terraplenagem, prevalece entre estes volumes a 
seguinte relação: 
 
FATORES DE CONVERSÃO 
• Em se tratando de uma mesma massa m a ser terraplenada, é 
fácil concluir que as variações nas densidades (ou massas 
específicas aparentes) do material obedecerão às 
desigualdades abaixo: 
 
• O material compactado no aterro terá uma densidade final 
superior a aquela do seu local de origem e, 
conseqüentemente, ocupará um volume menor do que o 
ocupado originalmente 
FATORES DE CONVERSÃO 
• Permitem a transformação imediata entre os volumes verificados 
nas etapas de terraplenagem. São eles: 
• Fator de Empolamento: 
 
 
• É um parâmetro adimensional, sistematicamente maior do que a 
unidade 
 
• Permite que, conhecidos o volume a ser cortado e a capacidade 
volumétrica das unidades transportadoras, se determine o número 
de veículos a ser empregado para permitir o transporte do material 
escavado e “empolado” 
CORTE
SOLTO
e
V
V
F 
FATORES DE CONVERSÃO 
• Fator de Empolamento: 
• Propicia a estimativa do volume ocorrente no corte a partir da 
cubação do material nas unidades transportadoras 
 
• Empolamento 
• Representa, em termos percentuais, qual o incremento 
de volume que resulta após a escavação de um material 
de um corte: 
 
 
 100)((%) x
V
VcorteV
E
CORTE
SOLTO 
FATORES DE CONVERSÃO 
• Fator de Contração: 
• Parâmetro adimensional, assumindo, para os solos, valores 
inferiores à unidade 
• Quando a escavação for executada em materiais compactos 
(rocha sã) de elevada densidade “in situ”, resultará fator de 
contração superior à unidade 
• Este parâmetro permite que se faça uma estimativa do 
material, medido no corte, necessário à confecção de um 
determinado aterro 
 
CORTEV
Vcomp
Fc 
FATORES DE CONVERSÃO 
• Fator de Homogeneização: 
• O objetivo deste parâmetro é: 
• Estimar o volume de corte necessário à confecção de um 
determinado aterro 
• Aplicação 
• Voltada para a etapa de projeto 
• Constitui-se subsídio fundamental ao bom desempenho 
da tarefa de distribuição do material escavado. 
• Sendo o inverso do fator de contração, assume valores 
superiores à unidade para solos, e inferiores para materiais 
compactos 
FcVcomp
Vcorte
Fh
1

FATORES DE CONVERSÃO 
CÁLCULO DOS VOLUMES DE 
TERRAPLENAGEM 
• (2) = distância entre seções analisadas 
• (7) = (6) x Fator de Empolamento 
• (8) = menor valor entre(5) e (7) 
• (9) ou (10) = [maior valor entre (5) e (7)] – (8) 
• Acumulado: corte (+); aterro (-) 
Corte Aterro
(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)
Transporte 
Longitudinal Acumulado
Estaca
Distância
(m)
Área (m²) Volume (m³)
Corte Aterro Corte Aterro
Aterro 
Corrigido
Compensação 
Lateral
EXERCÍCIO 
Corte Aterro
(1) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (12)
20 4,00 - 
21 36,00 6,50 
21+4,5 2,50 18,00 
22 - 55,00 
23 - 30,00 
23+18,5 6,50 24,00 
Transporte 
Longitudinal Acumulado
Estaca
Distância
(m)
Área (m²) Volume (m³)
Corte Aterro Corte Aterro
Aterro 
Corrigido
Compensação 
Lateral
CONSIDERAR Fe = 1,3