DIREITO ADMINISTRATIVO II | 1º Bimestre |  Professor José Anacleto Abduch Santos
51 pág.

DIREITO ADMINISTRATIVO II | 1º Bimestre | Professor José Anacleto Abduch Santos


DisciplinaAdministrativo3.608 materiais9.752 seguidores
Pré-visualização15 páginas
Curso: Dire i to 
Discip l ina: Dire i to Administrat ivo I I 
Professor: José Anacleto Abduch Santos 
Aluno: Igor Matheus Bueno da Rocha Andrekonski 
1º BIMESTRE 
 1 
 
1ª AU L A 22/02/2018 
 
1. INTERVENÇÃO DO ESTADO NA ORDEM ECONÔMICA (B IB L IO G R A F IA 12) 
 
 Prel iminarmente é importante ressal tar o concei to de At iv idade econômica, 
que é toda at iv idade organizada de produção e c i rculação de bens e serviços, as 
quais se inserem nas chamadas relações econômicas. Por exemplo: exercer 
advocacia, vender pizza, passagem de ônibus são at iv idades econômicas. São as 
at iv idades econômicas então, o núcleo das relações econômicas. E as relações 
econômicas acontecem a part i r da noção de Ordem Econômica. 
 
1.1. O QUE É ORDEM ECONÔMICA? 
 
Pode se dizer que Ordem Econômica tem duas acepções, dois sent idos: 
 
1.1.1 Ordem econômica no sentido jurídico 
 
O Sent ido Juríd ico, que para entender o que é Ordem Econômica no sent ido 
jur íd ico, é preciso responder à pergunta: \u201cquais são as normas que regulam as 
at iv idades econômicas? \u201c , portanto Ordem Econômica na acepção jur íd ica s igni f ica o 
\u201cs istema normat ivo que regula as relações econômicas\u201d. Ao ident i f icar os l imi tes da 
Intervenção do Estado e domínio na Ordem Econômica, na acepção jur íd ica, nós 
responderemos a seguinte pergunta: \u201cQuais normas o Estado pode edi tar , 
val idamente? \u201c , este é um pr isma Const i tucional , para discip l inar ou regular as 
re lações econômicas. 
 
1.1.2 Ordem econômica no sentido material 
 
 
1 Direito Constitucional Econômico, André Ramos Tavares; 
2 Ordem Econômica na CF, Eros Grau. 
 
 
 
 2 
O Sent ido Mater ia l , é a outra acepção da Ordem Econômica. Na acepção 
mater ia l , s igni f icam arranjos econômicos concretos, ou seja, o exercíc io efet ivo de 
at iv idade econômica, como por exemplo: vender, comprar, t ransportar . Se na Ordem 
Econômica na acepção jur íd ica, para ver i f icar a val idade da intervenção do Estado 
perguntamos \u201dquais normas o Estado pode edi tar , val idamente? \u201c , no plano de 
Ordem Econômica mater ia l para se ident i f icar essas intervenções 
perguntamos: \u201cQuais as at iv idades econômicas o Estado pode exercer d i retamente 
na economia, ou indiretamente, regulando, controlando ou pol ic iando? \u201c . Como 
exemplo, recente a modi f icação da le i das estatais, fo i a previsão expressa que não 
havia, o Art igo 2º da Lei 13.303/2016 diz que a at iv idade econômica direta do 
Estado na economia, só pode acontecer através de empresa públ ica e sociedade de 
economia mista, que são os instrumentos t radic ionais do Direi to brasi le i ro, para que 
o Estado atue, para que ele exerça at iv idade econômica e agora a le i deixa 
expresso isso. Veja-se: 
 
Art. 2º A exploração de atividade econômica pelo Estado será exercida 
por meio de empresa pública, de sociedade de economia mista e de 
suas subsidiárias.3 
 
Para que interpretamos e chegar a algumas conclusões, sobre val idade, 
inval idade e atuação do Estado na Ordem Econômica, produzindo normas, 
exercendo controle ou at iv idade econômica mesmo mater ia l , é preciso que 
revejamos duas noções fundamentais envolvendo os dois grandes s istemas 
econômicos, assim podemos, a part i r dessa ident i f icação, ident i f icar na própr ia 
Const i tu ição Federal , a vedação, a autor ização ou a exigência para a atuação do 
Estado, ou seja, o que o Estado pode, deve ou não pode real izar uma intervenção, 
seja normat iva ou seja mater ia l , no Estado Brasi le i ro. 
 
1.2. O QUE É UM SISTEMA ECONÔMICO? 
 
É o arranjo, das forças de produção o resul tado da produção o dest ino dado 
à produção econômica. Sistema econômica como tratamos, produzem um 
determinado sistema, vejamos: 
 
 
3 Artigo 2º da Lei 13.303/2016 
 
 
 3 
1.2.1 O primeiro grande sistema é o capital ismo , é o pr imeiro grande s istema 
referencial para a contenção da Ordem Econômica. No capi ta l ismo a 
economia gira em torno do mercado, le i de mercado que é a conhecida le i 
da ofer ta e da procura. É um sistema em que as relações econômicas são 
fundadas em dois grandes valores centrais: 
 
a) O pr imeiro valor é a propr iedade pr ivada, a possibi l idade de 
apropr iação pr ivada dos bens, dos meios de produção e da própr ia 
produção; 
b) O segundo valor é a l iberdade, como um dos valores supremos do 
capi ta l ismo. L iberdade de in ic iat iva que se t raduz na l iberdade de 
empreender, l iberdade de estabelecer um comércio, a l iberdade de 
cr iar ou ext inguir meios de subsistência, l iberdade de l ivre in ic iat iva. 
E a segunda l iberdade é a Liberdade de concorrência, l iberdade de 
disputa justa e correta, por uma fat ia do mercado (conjunto de 
fornecedores e um conjunto de compradores que se relacionam com 
normas internas). É evidente que existem certas distorções de 
mercado, que acabam resul tando em i legal idade, como abuso de 
poder, lucro excessivo, carte l entre outras infrações que v io lam a le i 
de concorrência, isso inclusive é tema da Lei 12.527/2011 que é a Lei 
de infrações da Ordem Econômica. 
 
1.2.2 O segundo grande sistema, é o social ismo , d i ferentemente do 
capi ta l is ta é um modelo que é for temente fundado na autor idade 
central izada fundamentalmente na f igura do Estado. No social ismo há 
uma for te restr ição à propr iedade pr ivada e por outro lado uma tendência 
muito for te para a apropr iação colet iva de bens e da própr ia produção. Há 
um direcionamento para que os recursos econômicos sejam ger idos pelas 
c lasses t rabalhadoras, que a gestão dos recursos seja di recionada como 
objet ivo pr incipal para a redução das desigualdades sociais. 
 
Este é um panorama simpl i f icado, resumido, das pr incipais característ icas 
dos dois grandes s istemas. 
 
 
 
 
 
 4 
 
1.3. A CONSTITUIÇÃO DE 1988 
 
Na nossa const i tu ição, o s istema atual Brasi le i ro, é fundado como um misto 
dos dois s istemas, exempl i f icando, podemos ver no Art . 170 da CF. 
Art. 170. A Ordem Econômica, fundada na valorização do trabalho 
humano e na l ivre iniciat iva, tem por f im assegurar a todos existência 
digna, conforme os ditames da justiça social , observados os seguintes 
princípios: 
I - Soberania nacional; 
I I - Propriedade privada; 
I I I - função social da propriedade; 
IV - Livre concorrência; 
V - Defesa do consumidor; 
VI - Defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento 
diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e 
de seus processos de elaboração e prestação; 
VI I - redução das desigualdades regionais e sociais; 
VI I I - busca do pleno emprego; 
IX - Tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte 
constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sua sede e 
administração no País.4 
 
2ª AU L A 23/02/2018 
 
1.4. CONTEXTO HISTÓRICO DA CONDUTA DO ESTADO NA ORDEM 
ECONÔMICA 
 
 A part i r da noção dos dois s istemas econômicos, avançamos para 
uma anál ise sobre rotei ros de Estado, para que possamos chegar à seguinte 
conclusão: o que t ivemos que percorrer para que hoje, por exemplo para o 
Presidente da Repúbl ica Michel Temer decida pr ivat izar a Petrobrás, ou a 
 
4 Artigo 70, Constituição Federal 
 
 
 
 5 
Presidente Di lma Rouseff há alguns anos atrás tenha decidido pela terceir ização 
através da concessão de aeroportos. Qual a razão que um determinado governo, 
escolhe ele própr io para prestar serv iços rodoviár ios, ou decida t ransfer i r essa 
gestão de economias para a