A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
44 pág.
Função Hepática

Pré-visualização | Página 1 de 2

Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
Função Hepática
1
Escola de Ciências da Saúde
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
PROVAS HEPÁTICAS
O fígado consegue manter suas funções inalteradas, com
apenas 15% de suas estruturas.
Os hepatócitos são a sede da maioria das atividades
metabólicas desempenhadas pelo órgão:
 Formação e excreção de bile
 Regulação da homeostasia dos carbohidratos
Síntese de lipídeos
Secreção das lipoproteínas plasmáticas
Controle do metabolismo do colesterol
Formação de uréia
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
PROVAS HEPÁTICAS
Formação da albumina sérica
Formação dos fatores da coagulação
Destoxificação de medicamentos e outras substâncias
estranhas ao organismo.
As células de Kupffer, participantes do revestimento dos
vasos sinusóides, integram o sistema reticuloendotelial e
atuam como macrófagos tissulares, com a função:
Fagocitar partículas estranhas,
Remover toxinas e outras substâncias nocivas
Modular resposta imune.
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
PROVAS HEPÁTICAS
 PROVAS FUNCIONAIS
Referentes à excreção ou retenção de bilirrubina
Capacidade de transporte e metabolização do
hepatócito
Capacidade de síntese do hepatócito
MARCADORES SOROLÓGICOS DA HEPATITE
Antígenos presentes em estruturas diversas do vírus
causadores da hepatite
Anticorpos correspondentes resultantes das reações
defensivas pelo organismo a esses vírus.
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
ICTERÍCIA
É um achado clínico inespecífico. O plasma fica amarelado, assim
como mucosas dos lábios, palato e porções periféricas da conjuntiva
devido ao acúmulo de bilirrubina no plasma.
A icterícia pode ser a primeira e única manifestação da doença
hepática, e pode surgir de 4 modos:
Aumento da sobrecarga de bilirrubina sobre a célula hepática
Distúrbio na absorção e transporte da bilirrubina dentro do
hepatócito
 Defeito na conjugação da bilirrubina
Defeito na membrana do canalículo para excreção da bile ou
obstrução dos canais biliares
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
ICTERÍCIA
Classificação:
Pré-Hepática: A causa pode ser a hemólise ou ocasione
eritropoese ineficiente. Manifesta-se geralmente por anemia,
saturação da haptoglobina sérica, reticulocitose, proliferação
eritroblástica na medula óssea, há aumento de bilirrubina não
conjugada, e as enzimas AST, ALT, fosfatase alcalina e as
proteínas séricas estão normais.
Hepática: Surge rapidamente, podendo haver insuficiência
hepática leve ou grave com tremor, confusão mental e coma. Há
retenção de líquidos na forma de ganho de peso ou edema ou
ascite. Ocorre diminuição dos fatores de coagulação, aumento
das aminotransferases e diminuição da albumina sérica.
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
ICTERÍCIA
Colestática: Quantidade de bile chegando insuficiente no
duodeno. O soro apresenta aumento de bilirrubina
conjugada, ALP biliar, colesterol total, ácidos biliares
conjugados. A esteatorréia é a responsável pela perda de peso
e má absorção de vitaminas lipossolúveis.
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
BILIRRUBINA
A bilirrubina é um pigmento resultante do catabolismo da
hemoglobina.
Ao passar pelo hepatócito, a bilirrubina se conjuga com o ácido
glicurônico, transformando-se em mono- e diglucuronídeo de
bilirrubina , ocorrendo sob a ação da glicuroniltransferase.
A bilirrubina no plasma aparece na forma:
Glicuronídeos de bilirrubina, solúveis em água
Bilirrubina livre, não esterificada, insolúvel em água
e fortemente ligada às proteínas plasmáticas,
especialmente à albumina
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
BILIRRUBINA
Van den Bergh, empregou uma reação descrita por Ehrlich para
determinar a bilirrubina plasmática, observando dois tipos de
diazorreação: reação direta (em solução aquosa) e reação indireta
( após acréscimo de álcool).
Somente a forma conjugada de bilirrubina é eliminada pelo fígado
e rim; a forma indireta não o é nem por e nem por outro.
A fração da bilirrubina que reage direta e rapidamente na
ausência do acelerador é conhecida como nome de Bilirrubina
direta, enquanto que a que necessita do acelerador é a Bilirrubina
indireta. Os aceleradores atuam solubilizando a bilirrubina não
conjugada e tornando-a disponível para a reação
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
ENZIMAS
Tanto para fins diagnósticos como para controle de evolução das
hepatopatias, a determinação simultânea de várias enzimas no
soro, mapa enzimático, é mais importante do que a
determinação de uma só enzima.
Três grupos de enzimas são utilizadas semiologia hepática:
Enzimas celulares; indicadoras de lesão hepática
Enzimas ligadas à membrana; indicadoras de colestase
Enzimas específicas do plasma; indicadoras da capacidade
de síntese do fígado.
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
ENZIMAS
ENZIMAS CELULARES
 Glutamato-oxalacetato-transaminase (TGO) ou
Aspartato-transaminase (AST)
 Glutamato-piruvato-transaminase (TGP) ou
Alanina-transaminase (ALT)
 Glutamato-desidrogenase (GLDH)
 Lactato-desidrogenase (LDH)
 Isoenzimas de LDH
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
ENZIMAS
ENZIMAS LIGADAS Á MEMBRANA
 Fosfatase Alcalina (AP)
 Leucina-aminopeptidase
 Glutamato-desidrogenase (GLDH)
 Gama-glutamil-transferase (-GT)
ENZIMAS ESPECÍFICAS DO PLASMA
 Colinesterase
 Fatores da coagulação
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
DOENÇAS DO FÍGADO
Os 3 padrões específicos de injúria hepática incluem:
A) Diretos: a morte celular individual ocorre em áreas
específicas como as da zona centrilobular. Causas: hipóxia,
toxinas do álcool, medicamentos como o acetominofen
B) Imunológicos: quando os linfócitos citotóxicos atacam
antígenos da membrana celular hepática, como ocorre no
caso da hepatite crônica ativa.
C) Colestático: obstrução intra ou extra-hepática, sendo a
última mais frequente.
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
DOENÇAS DO FÍGADO
Condição AST ALT LDH ALP PT Alb. Bb
Hepatite     N N 
Cirrose N N N N ou    
Obst Biliar N N N  N N 
Lesão espaço N ou  N ou    N N N ou 
D. Fulminante         
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
15
HEPATITES VIRAIS
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
16
HEPATITES VIRAIS
O diagnóstico das hepatites virais é baseado na detecção dos
marcadores presentes no sangue, soro, plasma ou fluido oral da
pessoa infectada, por meio de imunoensaios, e/ou na detecção do
ácido nucleico viral, empregando técnicas de biologia molecular
As principais metodologias empregadas no diagnóstico das
hepatites virais:
• Imunoensaios
• Ensaio Imunoensaio (ELISA)
• Quimioluminescência e eletroquimioluminescência
• Testes Rápidos
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
17
Critérios de desempenho para testes rápidos aceitos 
pela OMS
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
18
Período de Incubação e Janela Imunológica
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
19
Período de Incubação e Janela Imunológica
Escola de Ciências da Saúde
Curso: Farmácia
20
FLUXOGRAMA PARA O DIAGNÓSTICO DAS HEPATITES 
VIRAIS.
O diagnóstico sorológico pode ser realizado com, pelo menos, dois testes, um
para triagem e um segundo confirmatório. Dois ou mais testes combinados,
formando um fluxograma. Na maioria das situações, o fluxograma mais
comumente utilizado inclui o emprego de testes em série ou sequenciais
(fluxograma em série).
O resultado não reagente é liberado com base em um único teste.
Entretanto, caso persista

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.