A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
72 pág.
Aula 06

Pré-visualização | Página 1 de 8

!∀#∃%&∋ )∗+,−.&/ 01 234567)3
!#∗89:#&%∗ 5/;∀&<∋
!#∗8= :#&%∗ 5/;∀&<∋ !!!∀#∃%&∋%#()∋∗+,∗−&∃+∃∀∗+.∀/& ∋ #∃ %∀
Exame de Suficiência 2011.2 ) De acordo com a NBC TP 01 – Perícia 
Contábil, os procedimentos de perícia contábil visam fundamentar as conclusões 
que serão levadas ao laudo pericial contábil ou parecer pericial contábil e abrangem, 
total ou parcialmente, segundo a natureza e a complexidade da matéria, exame, 
vistoria, indagação, investigação, arbitramento, mensuração, avaliação e 
certificação. 
Relacione procedimentos de perícia contábil na primeira coluna com a 
respectiva descrição na segunda coluna e, em seguida, assinale a opção 
CORRETA. 
A sequência CORRETA é: 
a) 4, 3, 2, 1.
b) 4, 3, 1, 2.
c) 3, 4, 1, 2.
d) 3, 4, 2, 1.
e) 1, 3, 4, 2.
RESPOSTA: 
Vamos destacar as palavras chaves de cada texto para facilitar a 
memorização de cada tipo de procedimento: 
! Ato de atestar a informação trazida ao laudo pericial contábil pelo perito 
do juízo, conferindo-lhe caráter de autenticidade pela fé pública atribuída a este 
profissional. 
!∀#∃%&∋ )∗+,−.&/ 01 234567)3
!#∗89:#&%∗ 5/;∀&<∋
!#∗8= :#&%∗ 5/;∀&<∋ !!!∀#∃%&∋%#()∋∗+,∗−&∃+∃∀∗+.∀/& ( #∃ %∀
Nesta assertiva, a resposta é o procedimento de CERTIFICAÇÃO, item 4. 
! Determinação de valores ou a solução de controvérsia por critério 
técnico-científico. 
Conforme a literalidade da norma, o procedimento é o ARBITRAMENTO, 
item 3. 
!Análise de livros, registros das transações e documentos. 
O procedimento de análise está intimamente ligado com o procedimento 
pericial EXAME, item 1. 
! Diligência que objetiva a verificação e a constatação de situação, coisa 
ou fato, de forma circunstancial. 
Este conceito indica o procedimento VISTORIA, item 2. Sequência: 4, 3, 1, 
Gabarito: B. 
Exame de Suficiência 2012.2) Relacione os procedimentos de perícia 
contábil apresentados na primeira coluna com a definição constante da segunda 
coluna e, em seguida, assinale a opção CORRETA: 
A sequência CORRETA é: 
a) 4, 3, 2, 1.
b) 1, 4, 3, 2.
c) 3, 1, 4, 2.
d) 2, 3, 1, 4.
e) 1, 2, 3, 4.
!∀#∃%&∋ )∗+,−.&/ 01 234567)3
!#∗89:#&%∗ 5/;∀&<∋
!#∗8= :#&%∗ 5/;∀&<∋ !!!∀#∃%&∋%#()∋∗+,∗−&∃+∃∀∗+.∀/& , #∃ %∀
O item 6 da norma descreve os passos iniciais e tratativas do perito do juízo 
com os peritos assistentes. Conforme aprendemos na aula anterior, os assistentes 
técnicos verificam o trabalho do perito do juízo. 
A norma prescreve que o perito do juízo deve comunicar às partes e aos 
seus respectivos assistentes técnicos o início da prova pericial. Porém, geralmente, 
isto já ocorre com o despacho do juiz. 
A execução de perícia em conjunto é algo raro. No entanto, o perito do juízo 
deve permitir aos perito-assistentes acesso aos autos e elementos de prova. 
 
Questão inédita) Referente à execução da perícia contábil, assinale o item 
verdadeiro: 
a) Ao ser intimado para dar início aos trabalhos periciais, o perito do juízo 
deve comunicar às partes e aos assistentes técnicos: a data e o local de início da 
produção da prova pericial contábil, mesmo quando estes dados forem designados 
pelo Juízo. 
b) É proibido ao perito-assistente entregar ao perito do juízo cópia do seu 
parecer técnico-contábil, previamente elaborado. 
c) A perícia em conjunto é de aceitação obrigatória pelo perito do juízo 
sempre que esta for requerida pela parte mediante citação extrajudicial. 
d) O perito-assistente pode entregar ao perito do juízo planilhas ou 
memórias de cálculo, informações e demonstrações que possam esclarecer ou 
auxiliar o trabalho a ser desenvolvido pelo perito do juízo. 
e) O perito do juízo pode restringir o acesso dos peritos-assistentes aos 
autos e aos elementos de prova arrecadados durante a perícia na impossibilidade de 
perícia em conjuto. 
 
GABARITO: 
Vamos à análise dos itens: 
a) Ao ser intimado para dar início aos trabalhos periciais, o perito 
do juízo deve comunicar às partes e aos assistentes técnicos: a data 
e o local de início da produção da prova pericial contábil, mesmo 
quando estes dados forem designados pelo Juízo. 
!∀#∃%&∋ )∗+,−.&/ 01 234567)3
!#∗89:#&%∗ 5/;∀&<∋
!#∗8= :#&%∗ 5/;∀&<∋ !!!∀#∃%&∋%#()∋∗+,∗−&∃+∃∀∗+.∀/& ∀∋ #∃ %∀
 
O perito pode realizar os trabalhos com o auxílio de uma equipe técnica. Por 
exemplo, ao periciar uma provável fraude na aquisição de material hospitalar, o 
perito contábil pode valer-se de profissionais do ramo de saúde que possam avaliar 
se o consumo indicado nos relatórios corresponde à realidade. 
A utilização de equipe técnica é algo comum quando o objeto da perícia é 
um setor muito especializado e, para a confecção do laudo, há a necessidade de 
informações extracontábeis. Exemplos de setores especializados: bioquímico, 
aeronáutico, hospitalar, construção civil, etc. 
A responsabilidade pelo laudo pericial SEMPRE SERÁ DO PERITO 
NOMEADO. O perito não pode valer-se de erro do profissional técnico de sua equipe 
para escusar-se de falha cometida no laudo pericial. Por isso, antes de formar a 
equipe técnica, o perito deve certificar-se que os profissionais sejam realmente 
capacitados à altura da tarefa que lhes serão confiadas. 
Portanto, tenha em mente que: independente da falha de integrante da 
equipe técnica, a responsabilidade sempre será do perito. 
Obs.: Conforme comentado na aula passada, quando há grande 
complexidade nos assuntos extracontábeis, o perito do juízo deve solicitar uma 
perícia interdisciplinar – nomeação de outro perito (da área específica) pelo juiz. 
 
Exame de Suficiência 2014.1) De acordo com a NBC TP 01 – Perícia Contábil, a 
execução da perícia, quando incluir a utilização de equipe técnica, deve ser 
realizada sob a orientação e supervisão do: 
a) Advogado, que indica o assistente técnico e assume a 
responsabilidade pelos trabalhos, devendo assegurar-se de que as pessoas 
contratadas estejam profissionalmente capacitadas à execução. 
b) Juiz, que nomeia o perito e assume a responsabilidade pelos trabalhos, 
devendo assegurar-se que as pessoas contratadas estejam profissionalmente 
capacitadas à execução. 
c) Ministério Público, que assume a responsabilidade pelos trabalhos, 
devendo assegurar-se de que as pessoas contratadas estejam profissionalmente 
capacitadas à execução. 
!∀#∃%&∋ )∗+,−.&/ 01 234567)3
!#∗89:#&%∗ 5/;∀&<∋
!#∗8= :#&%∗ 5/;∀&<∋ !!!∀#∃%&∋%#()∋∗+,∗−&∃+∃∀∗+.∀/& ∀∗ #∃ %∀
 
ESAF – AFRE 2006) São provas periciais produzidas pelo perito: 
a) documento, avaliação, denúncia e confissão. 
b) confissão, arbitramento, testemunha e exame. 
c) denúncia, delação, parecer e exame. 
d) exame, vistoria, arbitramento e avaliação. 
e) testemunha, vistoria, declaração e laudo. 
 
RESPOSTA: 
 Esta questão caiu na última prova de Auditor Fiscal da Receita Estadual do 
Ceará e foi formulada pela banca ESAF. Conforme vimos, como os procedimentos 
previstos na NBC TP 01 produzem documentos que irão fundamentar o laudo e o 
parecer-técnico contábil, tais foram considerados também como “prova pericial” pela 
banca ESAF. 
 Os procedimentos periciais contábeis são: exame, vistoria, indagação, 
investigação, arbitramento, mensuração, avaliação e certificação. 
 Opção “A” - Denúncia e confissão não são provas periciais produzidas pelo 
perito. A denúncia é realizada por terceira pessoa que presta informações no 
inquérito ou para a autoridade competente sobre um fato que considera ilegal. A 
confissão ocorre quando uma parte admite a verdade de um fato, contrário ao seu 
interesse e favorável ao adversário. Opção incorreta. 
 Opção “B” - a testemunha é terceira pessoa que não é nem o autor e nem 
réu e vem ao juízo esclarecer fato, portanto não é uma prova pericial produzida pelo 
perito. 
 Opção “C” - A delação ocorre quando alguém, admitindo a prática ilegal, 
denuncia