A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
100 pág.
Leon Eliachar - O Homem ao Cubo (1)

Pré-visualização | Página 14 de 17

foram 
apagar o incêndio lá de casa.
— Vamos pelo princípio, doutor, meu filho é um menino prodígio 
há mais de 29 anos.
— Aquele remédio que o senhor me deu me fez dormir mais de 
três anos. Quanto é a consulta, agora?
— Agora vou descansar um pouco, doutor, que estou cansado de 
tanto repousar.
O psicanalista ao alcance de todos
— Sonho sempre em inglês, mas o sonho vem sem legenda e não 
entendo zerusca, doutor.
— O senhor é muito vivo, doutor, no carnaval só se fantasia de 
paciente.
— Minha mulher cismou que é automóvel, doutor, e o pior é que 
foi rebocada ontem por estacionamento proibido.
— Sempre conto carneirinhos na hora de dormir, mas ontem foi o 
diabo, doutor: quando cheguei a dezenove foi que percebi que tinha 
deixado a outra porta do quarto fechada.
— Aquele doente mental está ficando louco, meu caro, temos de 
lhe dar alta.
— Engoli um parafuso, o senhor ainda acha que tenho um a 
menos?
— Meu caro psicanalista, tenho a mania de comprar divãs. Levo 
esse?
— Me diga sinceramente, doutor, o que é que o senhor acha que eu 
acho do senhor?
— Não sei se estou errado, mas acho que vocês psicanalistas se 
cumprimentam meio desconfiados um do outro.
— Deixe de bobagem, você está bonzinho, sente-se naquele 
espelho e espere um pouco que preciso conhecer bem os seus reflexos.
TOMO
XVI
a hora da coragem
TOMO
XVI
pra ler na praia (a dois)
Fig. 1
MODO DE USAR
Pegue uma pequena e convide-a a ir à praia com você. Não 
importa que leve barraca ou não, o essencial é que leve este livro. 
Abra exatamente neste capítulo e coloque o livro na areia. Depois 
peça à pequena que deite de bruços de frente para o livro e deite você 
também de frente para o livro, no sentido oposto. Ambos ficarão um 
de frente para o outro, com o livro no meio (fig. 1). Parece complicado 
pra ler, mas você verá que não, pois este capítulo foi feito para isso. 
Quanto aos outros, espero que você já tenha convencido a pequena a 
deitar ao seu lado.
Q
uarenta graus à som
bra
N
a praia o que faz suar não é o sol, é o biquíni. 
O
 Serviço
 M
eteorológico
 m
e
 parece
 m
uito 
m
eteoro
 e pouco
 lógico, nunca prevê o
 tem
po 
estável sujeito a brotos, com
 ligeira elevação no 
decorrer do período: banho de m
ar de tarde só dá 
velhota. Q
uanto
 vale
 um
a
 vida
 hum
ana?
 O
s 
banhistas salvam
, em
 m
édia, um
as dez por m
ês 
que, divididas pelo seu salário, devem
 custar aí por 
volta de um
as seiscentas pratas, cada um
a, fora o 
calção, que está custando
 os olhos da cara. A
 
im
pressão que se tem
 é que os brotinhos de hoje 
crescem
 m
ais depressa, m
as é pura ilusão: os 
biquínis é que dim
inuem
. A
liás, biquíni que se 
preza não deixa ninguém
 entrar dentro dele, que 
não
 é bobo, por isso
 é que as m
ulheres vêm
 
sem
pre por fora. Já sei por que ninguém
 leva 
relógio para a praia: é que o tem
po é m
arcado pelo 
sol, com
o
 nos bons tem
pos em
 que ainda não 
haviam
 inventado a Suíça. O
 biquíni é um
 pedaço 
de pano cercado de olhos por todos os lados. Esta 
é a verdadeira paisagem
 do
 verão, o
 resto
 é 
conversa: as m
enininhas entram
 por um
 olho e 
saem
 pelo outro.
Q
ua
re
nt
a 
gr
au
s à
 so
m
br
a
N
a 
pr
ai
a 
o 
qu
e 
fa
z 
su
ar
 n
ão
 é
 o
 so
l, 
é 
o 
bi
qu
ín
i. 
O
 S
er
vi
ço
 M
et
eo
ro
ló
gi
co
 m
e 
pa
re
ce
 
m
ui
to
 m
et
eo
ro
 e
 p
ou
co
 ló
gi
co
, n
un
ca
 p
re
vê
 o
 te
m
po
 e
st
áv
el
 su
je
ito
 a
 b
ro
to
s, 
co
m
 
lig
ei
ra
 e
le
va
çã
o 
no
 d
ec
or
re
r d
o 
pe
río
do
: b
an
ho
 d
e 
m
ar
 d
e 
ta
rd
e 
só
 d
á 
ve
lh
ot
a.
 
Q
ua
nt
o 
va
le
 u
m
a 
vi
da
 h
um
an
a?
 O
s b
an
hi
st
as
 sa
lv
am
, e
m
 m
éd
ia
, u
m
as
 d
ez
 p
or
 m
ês
 
qu
e,
 d
iv
id
id
as
 p
el
o 
se
u 
sa
lá
rio
, d
ev
em
 c
us
ta
r a
í p
or
 v
ol
ta
 d
e 
um
as
 se
is
ce
nt
as
 p
ra
ta
s, 
ca
da
 u
m
a,
 fo
ra
 o
 c
al
çã
o,
 q
ue
 e
st
á 
cu
st
an
do
 o
s o
lh
os
 d
a 
ca
ra
. A
 im
pr
es
sã
o 
qu
e 
se
 te
m
 
é 
qu
e 
os
 b
ro
tin
ho
s d
e 
ho
je
 c
re
sc
em
 m
ai
s d
ep
re
ss
a,
 m
as
 é
 p
ur
a 
ilu
sã
o:
 o
s b
iq
uí
ni
s é
 
qu
e 
di
m
in
ue
m
. A
liá
s, 
bi
qu
ín
i q
ue
 se
 p
re
za
 n
ão
 d
ei
xa
 n
in
gu
ém
 e
nt
ra
r d
en
tro
 d
el
e,
 
qu
e 
nã
o 
é 
bo
bo
, p
or
 is
so
 é
 q
ue
 a
s m
ul
he
re
s v
êm
 se
m
pr
e 
po
r f
or
a.
 Já
 se
i p
or
 q
ue
 
ni
ng
ué
m
 le
va
 re
ló
gi
o 
pa
ra
 a
 p
ra
ia
: é
 q
ue
 o
 te
m
po
 é
 m
ar
ca
do
 p
el
o 
so
l, 
co
m
o 
no
s 
bo
ns
 te
m
po
s e
m
 q
ue
 a
in
da
 n
ão
 h
av
ia
m
 in
ve
nt
ad
o 
a 
Su
íç
a.
 O
 b
iq
uí
ni
 é
 u
m
 p
ed
aç
o 
de
 
pa
no
 c
er
ca
do
 d
e 
ol
ho
s p
or
 to
do
s o
s l
ad
os
. E
st
a 
é 
a 
ve
rd
ad
ei
ra
 p
ai
sa
ge
m
 d
o 
ve
rã
o,
 o
 
re
st
o 
é 
co
nv
er
sa
: a
s m
en
in
in
ha
s e
nt
ra
m
 p
or
 u
m
 o
lh
o 
e 
sa
em
 p
el
o 
ou
tro
.
TOMO
XVIII
NamoraDos
 diA das mães
 Trabalho
 Ano novo
 AniverSário
Seu namorado merece
Minha amiga, você está em sinuca e não sabe o que dar ao seu 
namorado. É sempre assim, quando menos se espera, os jornais começam a 
falar no "Dia dos Namorados" e é então que você se lembra que tem um e, 
para conservá-lo, é obrigada a essas gentilezas, pois as datas foram feitas 
justamente para esse "toma-lá-dá-cá" habilmente bolado pelos comerciantes. 
Como as datas vêm muito de estalo, você é pega de surpresa e não tem 
tempo de lhe dar uma coisa mais em conta. As listas de presentes que 
costumam aconselhar são sempre assim: um lenço, uma gravata, um par de 
abotoaduras, um isqueiro, um suéter, uma camisa esporte, um chaveiro, uma 
carteira de notas, um porta-retrato — e de ano para ano o felizardo vai 
aumentando o seu guarda-roupa. Vou tentar auxiliá-la, recomendando-lhe 
que compre alguma coisa fora do comum. Comecemos por meia dúzia de 
cuecas, já pensou a cara dele quando abrir o embrulho diante da família? 
Olharão uns para os outros, sem saber do que se trata e quando um deles 
abrir uma todinha será um "oh!" de fazer inveja ao coro de Ray Coniff. Aí 
virá um por um disfarçar o mal-estar, apalpando com os dedinhos, dizendo 
que realmente é uma beleza e que o tecido é de boa qualidade e que você 
teve muito gosto. Principalmente, se forem todas cor-de-rosa, como está na 
moda. Chato vai ser se ele disser que não usa cuecas, mas aí você aproveita e 
rompe tudo de uma vez, pois é nessas ocasiões que melhor se conhece o tipo 
de educação do namorado que se tem. Outro presente interessante é um 
lenço sujo de batom, que pode ser o dele mesmo: a cara de espanto que ele 
fará quando reconhecer o próprio lenço será tão constrangedora que ninguém 
entenderá nada. Antes mesmo que ele fale, você corre e lhe dá um abraço, 
dizendo apenas: "Gostou,