Árvores Brasileiras   Vol 1 (LORENZI, 1992)
385 pág.

Árvores Brasileiras Vol 1 (LORENZI, 1992)


DisciplinaPaisagismo742 materiais29.499 seguidores
Pré-visualização50 páginas
,
ARVORES ,
BRASILEIRAS ri
Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil
HARRI LORENZI
,
ARVORES ,
BRASILEIRAS ri
Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil
Copyright 1992, by Harri lorenzl
Capa:
lado esquerdo superior: planta adulta de Cedrella fissilis Vell. (cedro):
~~~1~I~iZ~UJ:~~~~~:S:;~'~o~~~~~~~ ~a;:;;~;;u~~~: ~~i/~~?m.; Arg. (seringueira), tronco e madeira
de Luerzelburgia aunculata (Fr. AlI.) Ducke (guaiçara).
Dados Inlernacionais de Calalogação na Publicação (CIP)
(Cãmara Brasileira do Livro, 5P, Brasil)
Lorenz i, Harri, 1949-
Árvores brasileiras: manual de identificação e
cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil I
Harri Lorenzi. -- Nova Odessa, SP : Editora Plan-
tarum, 1992.
Bibl i09rafia.
1. Arquitetura paisagística - Brasil 2. Árvores -
Brasil 3. Essências e óleos essenciais 4. Fotografia
de árvores I. Titulo.
92-0982 CDO-582.160981
Indoces para calálogo slslemálico:
1. Brasil: Árvores: Botãnica 582.160981
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
DESSE LIVRO.
Printed in Brazil
HARRllORENZI
,
ARVORES ,
BRASILEIRAS I
Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil
EDITORA PLANTARUM LTDA
Avenida Brasil, 800
CEP 13.460-000 - Nova Odessa - SP
Tels.: (0194) 66-1587 e 66·1579
Fax: (0194) 66-1750
AGRADECIMENTO
Agradecemos às seguintes pessoas que colaboraram voluntariamente na realização dessa
obra:
A. Maurício Moreira - Agroflorestal Monte Dourado (Jari) - PA
Ana Tozzi - Universidade Estadual de Campinas - SP
Antonio Carlos Sculti - Centro de Tecnologia Copersucar - SP
Condorcet Aranha - Instituto Agronômico de Campinas - SP
Eduardo L. M. Catharino - Instituto de Botânica - SP
Eloísa Rodrigues - Fazenda Santa Isabel - Guariba - SP
Hermógenes F. Leitão Filho - Universidade Estadual de Campinas
Ines Cordeiro - Instituto de Botânica - SP
Joâo Batista Baitello - Instituto Florestal de SP - Cantareira
João Peres Chimello - Instituto de Pesquisas Tecnológicas - SP
João Semir - Universidade Estadual de Campinas
Joaquim Evanir Gomes - EMBRAPA-CPATU - Belém - PA
Jorge Tamashiro - Universidade Estadual de Campinas - SP
José Carlos B. Nogueira - Instituto Florestal de SP - Bauru
José Rubens Pirani - Universidade de Sâo Paulo - SP
Lúcia Rossi - Instituto de Botânica - SP
Marcos Donizelti Bernardi - Vale Verde Proteção Ambiental - SP
Maria Angélica Figueiredo - Universidade Federal do Cearâ - CE
Reinaldo Monteiro - Universidade Estadual Paulista - Rio Claro - SP
Renato Morais - Reseva Florestal Vale do Rio Doce - ES
Sérgio Romaniuc Neto - Instituto de Botânica - SP
Waldir Mantovani - Universidade de Sâo Paulo - SP
Ao Dr. Hermes Moreira de Souza, eng. agr. e pesquisador emérito do Instituto Agronômico
~~r~;~gi~aJeJ,~~n~;s~~~~~oso das plantas, pelos ensinamentos e estímulos recebidos,
Sementes e mudas das espécies apresentadas nesse livro ROdem ser adquiridas na
"Vale Verde Proteção Ambiental" - Rua Olavo Bilac, 351
CEP 13.486-123 - Limeira - SP
Fone: (0194) 42-5168 - Fax (0194) 51-1840
PREFÁCIO
Realmente não viveu a vida aquele que não conheceu as maravilhas do mundo tropical.
David Fairchild
Um livro de árvores é um livro de poesia. Para compreendê-lo é preciso ouvir os poetas que as vêem, ouvem
e sentem por sentidos misteriosos e ocultos.
~Para Maria de Gouvêa Ferreira,
toda planta ou toda gente
que pro alto se levanta,
que pra todo lado encanta,
não dá costa, não dá frente,
é arvoraR,
Para Paulo Bonfim,
... as raizes são almas subterrâneas ... têm pensamentos verdes ... Árvores e homens se confundem ..
contam histórias do tempo em que os poetas foram árvores.~
Guilherme de Almeida diz à árvore que foi abatida:
~O homem precisa de ti por que lu és a Utilidade", E àquela que foi plantada: "O homem precisa de li por que
és a Beleza", Enaltece a necessidade de conhecê-Ias por um nome ~por que as árvores têm alma~ que para
Ildefonso Falcâo ~são as almas silenciosas daqueles que foram bons ...~. Paulo Setúbal reforça ainda: ~...
Cada árvore tem uma íntima linguagem fremindo na ramagem, uma alma que nós não vislumbramos, mas que
vibra no ar e palpita nos ramos~.
Para Ricardo Gonçalves,
"Toda árvore é sagrada. Ama-a. Ama-a na glória matutina e reza: Bendita sejas por tuas frondes benfazejas,
pelos teus cânticos triunfais, por tuas flores e perfume... por tuas sombras maternais.~
Para Gabriela Mistral a árvore está no nível de uma mãe, de um amigo e diz:
"Toda a natureza é um anseio de serviço. Serve a nuvem, serve o vento, serve o sulco.
Onde houver uma árvore para plantar, planta-a tu.
O servir não é próprio dos seres inferiores. Deus que nos dá o fruto e a luz, serve. E tem seus olhos fixos em
nossas mãos e nos pergunta todos os dias:
Seviste hoje? A quem? À árvore, ao teu amigo, à tua mãe?~
E, finalmente, para um anônimo sensível ..... quando a noite desce e uma brisa suave agita sua folhagem,
murmuram segredos entre elas, saudosas dos tempos virgens de outrora."
Um livro de árvores é tambêm uma obra de ciência, pesquisa e divulgação para um mundo no qual estes seres
fascinantes cada vez têm menos lugar.
Nossa dependência de plantas é tanto maior quanto mais se avança para o futuro arrasador. Identificar,
classificar, preservar e estudar as árvores é indispensável e urgente, muito mais no presente do que no
passado ante a ameaça constante de extinção.
A Terra ainda é o lugar mais apropriado para a vida e todos somos dependentes do meio ambiente. O
~~?~~~~o~e;~~~~~~en~oa~.:~~~~daap~~~:~~~~;_i~~Z~~ri~fs~~~~:~n~:r~~ ~á;3;~e~~~~~á~~
recursos naturais e desequilibno da natureza, principalmente nas regiões tropicais.
É, pois, num momento oportuno que Harri Lorenzi publica um livro iconográfico sobre as árvores nativas.
Técnico da Copersucar, especializado em controle de plantas invasoras, tornou pública sua experiência
através do livro extraordinário "Plantas Daninhas do Brasil", um guia detalhado para o técnk:o e para o leigo.
Dotado de personalidade dinâmica, espírito de pesquisa e grande capacidade de trabalho, voltou também sua
atenção para as árvores nativas, localizando-as, estudando-as, colhendo e semeando suas sementes em
viveiros da própria Copersucar e de Usinas cooperadas, no intuito de recompor a vegetação nativa e das
escassas matas ciliares, numa paisagem dominada monotonamente pela cana-de-açúcar.
O trabalho de H. lorenzi com as árvores, coroado com a publicação deste volume, é fruto de inúmeras
viagens, observações e pesquisas perseverantes, continuas, localizando e fotografando com detalhes e com
sua forma natural, exemplares isolados da nossa flora, remanescentes fortuitos das nossas matas compactas.
O livro vem enriquecer sobremaneira o espaço bibliográfico dedicado às nossas árvores, pela beleza de
imagem que muitas espécies brasileiras proporcionam, espaço esse percorrido no passado, pioneiramente e
com idealismo por Navarro de Andrade e por F. C. Hoehne. Foge inteiramente ao modelo clássico de trabalhos
científicos com suas fotografias mortas de herbários secos, não raro com desenhos lineares frios.
Vai interessar a todos que apreciam ou trabalham com árvores, por abordar os caracteres principais das
espécies com palavras SImples e acessíveis, destacados com fotografias primorosas. Alguns nomes botânicos
soarão estranhos em relação aos utilizados comumente, em virtude de terem sido atualizados na medida das
revisões de gêneros ou espécies já publicadas.
Charles Darwin escrevia que o viajante deveria ser um botânico para poder sentir melhor a natureza, visto que
~~;e~i~r~s s~~oc~~~~~i~i~;.iss~~mseenbo~e~~f:i~:,g:~r:~g~ ~e~;~:;t~leg~~~~a~~t~~t:n~;,i~~sns~~~~~r~u:
interessados reconhecer muitas de nossas espécies até com facilidade. E conhecê-las é um grande passo
para sua preservação, pois, preserva-se e respeita-se aquilo que se conhece.
Hermes Moreira de Souza
Eng. Agr.