A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
32 pág.
AULA 2   CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS

Pré-visualização | Página 1 de 2

Taxonomia e ClassificaçãoTaxonomia e Classificação
AULA 2AULA 2
MARIA CRISTINA PAMPLONA DA SILVAMARIA CRISTINA PAMPLONA DA SILVA
mariacristinapamplona@gmail.commariacristinapamplona@gmail.com
CÉLULACÉLULA
Unidade Unidade 
morfofisiológica morfofisiológica morfofisiológica morfofisiológica 
dos dos 
seres vivos. seres vivos. 
TAXONOMIATAXONOMIA
� Taxonomia (do grego antigo táxis, arranjo e
nomia , método).
� Ciência da classificação.
� Ramo da biologia que cuida de descrever,
identificar e classificar os seres vivos.identificar e classificar os seres vivos.
� Define os grupos de organismos biológicos,
com base em características comuns e dá
nomes a esses grupos.
� CLASSIFICAÇÃO HIERÁRQUICA.
� Os grupos criados por este processo são
referidos como taxa (singular táxon).
TÁXONTÁXON
� Táxon (plural taxa, em latim, ou táxons,
aportuguesado);
� É uma unidade taxonômica associada a um
sistema de classificação científica.
�O táxon pode estar em qualquer nível de um�O táxon pode estar em qualquer nível de um
sistema de classificação:
�um reino é um táxon,
�um gênero é um táxon,
�uma espécie também é um táxon.
CATEGORIAS TAXONÔMICAS CATEGORIAS TAXONÔMICAS 
FILOGENIAFILOGENIA
� É o estudo da relação evolutiva entre grupos de
organismos.
� Taxonomia é ricamente baseada em informações
da filogenia.
https://www.google.com/search?q=filogenia&source
http://www.ibb.unesp.br/Home/Departamentos/Microbiologia
SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO WHITTAKERSISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO WHITTAKER(1969) 
ATUALIZADOATUALIZADO
REINOS Nº de células Organização 
celular Nutrição 
MONERA
(bactéria e 
cianobactéria)
Unicelular Procarionte Autótrofo/heterótrofo
PROTISTA
(algas 
eucariontes, Uni/pluricelular Eucarionte 
Autótrofo/
heterótrofoeucariontes,
protozoários)
heterótrofo
FUNGI
(bolor, leveduras, 
cogumelos, etc)
Uni/pluricelular Eucarionte Heterótrofo 
VEGETAL
(briófitas até 
angiospermas)
Pluricelular Eucarionte Autótrofo 
ANIMAL
(poríferos até 
mamíferos)
Pluricelular Eucarionte Heterótrofo 
CÉLULA CÉLULA 
PROCARIOTAPROCARIOTA
CÉLULA CÉLULA 
EUCARIOTAEUCARIOTA
DIFERENÇAS ENTRE PRO E EUCARIOTOSDIFERENÇAS ENTRE PRO E EUCARIOTOS
ESTRUTURAESTRUTURA PROCARIONTESPROCARIONTES EUCARIONTESEUCARIONTES
MEMBRANA MEMBRANA 
NUCLEARNUCLEAR AUSENTEAUSENTE PRESENTEPRESENTE
CROMOSSOMOCROMOSSOMO UM CIRCULARUM CIRCULAR > > UMUM
ORGANELAS ORGANELAS 
MEMBRANOSASMEMBRANOSAS AUSENTEAUSENTE PRESENTEPRESENTEMEMBRANOSASMEMBRANOSAS
LIPÍDEOSLIPÍDEOS
ESTERÍDEOSESTERÍDEOS AUSENTEAUSENTE PRESENTEPRESENTE
RIBOSSOMOSRIBOSSOMOS
70 S70 S
DISPERSOS NO DISPERSOS NO 
CITOPLASMACITOPLASMA
80 S80 S
DISPERSOS NO DISPERSOS NO 
CITOPLASMA E CITOPLASMA E 
ADERIDOS AO RERADERIDOS AO RER
DIVISÃO CELULARDIVISÃO CELULAR DIVISÃO BINÁRIA ouDIVISÃO BINÁRIA ouFISSÃO BINÁRIAFISSÃO BINÁRIA MITOSE e MEIOSEMITOSE e MEIOSE
MICROMICRO--ORGANISMOS EUCARIOTASORGANISMOS EUCARIOTAS
FUNGOSFUNGOS
PROTOZOÁRIOSPROTOZOÁRIOS
http://www.ibb.unesp.br/Home/Departamentos/Microbiologia
DOMÍNIO BACTERIADOMÍNIO BACTERIA
� Possuem parede celular composta de
peptideoglicanos (cadeias de glicano
formadas por açucares são interligadas por
meio de ligações peptídicas cruzadas,
formadas por aminoácidos).formadas por aminoácidos).
� Os ribossomos de eubactérias tem o tamanho
de (70S).
� Exemplos: salmonelas, cianobactérias,
pneumococos, bacilo do tétano, lactobacilos,
coliformes fecais, vibrião do cólera, etc.
DOMÍNIO BACTERIADOMÍNIO BACTERIA
�Os procariotos do domínio
Bacteria podem ser divididos
em dois grandes grupos,
denominados de gram-denominados de gram-
positivos e gram-negativos.
�As diferenças estão presentes
na estrutura da parede celular.
DOMÍNIO BACTERIADOMÍNIO BACTERIA
DOMÍNIO ARCHAEADOMÍNIO ARCHAEA
� Podem existir uma enorme variedade de
paredes celulares, entretanto, nenhuma
delas é composta de peptideoglicanos. O
principal constituinte da parede celular são
as proteínas ou polissacarídeos.as proteínas ou polissacarídeos.
� Termófilas: temperatura ótima de
crescimento encontra-se entre 45º e 80º.
�Hipertermófilos: vivem em temperaturas
acima de 85ºC.
� Metanogênicos: organismos que produzem metano (CH4)
a partir da redução do dióxido de carbono (CO2). Todos
estes organismos são anaeróbios obrigatórios e a
produção de metano é fundamental no seu metabolismo.
� Halófilos extremos: vivem exclusivamente em ambientes
com elevada salinidade.
� Thermoplasma: com apenas um gênero estes procariotas
não possuem parede celular, são termófilos e acidófilos,
têm metabolismo aeróbio/anaeróbio e vivem em depósitos
de carvão.
DIFERENTES 
CLASSIFICAÇÕES
MICROMICRO--ORGANISMOS PROCARIOTASORGANISMOS PROCARIOTAS
Deinococcus radiodurans Streptococcus pyogenes
ArqueobactériasArqueobactérias e Eubactérias e Eubactérias 
Deinococcus radiodurans
Streptomyces thermophilic Pseudomonas aeruginosa
Streptococcus pyogenes
Nomenclatura científicaNomenclatura científica
Salmonella enterica
ESPÉCIEESPÉCIE
Gênero 
letra maiúscula
Epíteto específico 
letra minúscula 
-Nomenclatura binomial
- Latim ou latinizado
- Destacado do texto: itálico (impresso) ou sublinhado (manuscrito)
Nomenclatura científicaNomenclatura científica
•O gênero e o epíteto específico devem sempre ser grafados por extenso
na primeira citação no texto (capítulo ou artigo). Daí por diante, o gênero
pode ser abreviado, utilizando-se a inicial maiúscula e o ponto de
abreviação, desde que o epíteto específico esteja por extenso (ou seja,
com sp. e spp., não se pode usar a abreviatura de gênero).
Exemplos:
Amoeba proteusAmoeba proteus
A. proteus
O café (Coffea sp.) é uma das principais culturas agrícolas do Brasil. As
espécies Coffea arabica e Coffea canephora são as mais conhecidas.
Dessas, o café mais fino é o da C. arabica. Os principais estados
produtores de Coffea spp. são Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo,
Bahia e Paraná.
•Uma vez adotada a forma abreviada, deve-se seguir assim até o fim do
texto. Portanto, deve-se evitar a oscilação entre as formas por extenso e
abreviada ao longo de um mesmo texto.
�No caso de bactérias em que os sorotipos possuem
grande importância, eles são citados após o nome da
espécie, mas não se muda a grafia para itálico, o que poderá
causar confusão.
Exemplo: Salmonella enterica, subespécie (subsp.) enterica
sorotipo Typhi. Muitas vezes encontraremos escrito
Salmonella Typhi.
�Para citar uma espécie que não tenha sido identificada,�Para citar uma espécie que não tenha sido identificada,
mas que conhecemos o gênero, faz-se uso da abreviatura
sp., que significa espécie.
Por exemplo, Klebsiella sp., ou seja, uma espécie qualquer
do gênero Klebsiella.
�Se for necessário fazer referência a várias espécies do
gênero, a abreviatura a ser utilizada é spp., exemplo.:
Klebsiella spp.
Espécies
�Klebsiella granulomatis
�Klebsiella oxytoca
�Klebsiella michiganensis
�Klebsiella pneumoniae (espécie-tipo)
�Klebsiella pneumoniae subsp. ozaenae�Klebsiella pneumoniae subsp. ozaenae
�Klebsiella pneumoniae subsp. pneumoniae
�Klebsiella pneumoniae subsp. rhinoscleromatis
�Klebsiella quasipneumoniae
�Klebsiella quasipneumoniae subsp. quasipneumoniae
�Klebsiella quasipneumoniae subsp. similipneumoniae
�Klebsiella variicola
VÍRUS:VÍRUS:
� Termo vírus significa veneno;
� São acelulares;
� Apresentam material genético DNA ou RNA;
� São envolvidos por um capsídeo;
� Podem apresentar envelope recobrindo o� Podem apresentar envelope recobrindo o
capsídeo;
� Todos são parasitas intracelulares obrigatórios;
� Dentro das células os vírus se comportam como
seres vivos;
� Fora das células se comportam como seres
brutos.
Ebola 
Bacteriófago

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.