Psicologia de Aprendizagem. Belvio Bernardo .UP=FACEP=Niassa.docx
12 pág.

Psicologia de Aprendizagem. Belvio Bernardo .UP=FACEP=Niassa.docx

Disciplina:Psicologia da Educacao III da Infancia A Adolescencia5 materiais170 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Elaborado por: Bélvio Bernardo Francisco. Universidade Pedagógica Delegação de Niassa=FACEP.2018
Elaborado por: Bélvio Bernardo Francisco. Universidade Pedagógica Delegação de Niassa=FACEP.2018

1.Introdução
No presente trabalho irei fazer um resumo das aulas apresentadas durante o semestre na cadeira de psicologia de aprendizagem, que irei destacar numa primeira fase os aspectos ligados ao desenvolvimento humano isto é, conjunto de alterações ou mudanças que se observam na estrutura do sujeito ao longo de sua vida ou ainda, conjunto de fases pelas quais o indivíduo passa ao longo do seu ciclo de vida e depôs destacar as principais teorias e suas abordagens na aprendizagem.
	

2.Resumo dos trabalhos da Psicologia de Aprendizagem
2.1.Teorias do Desenvolvimento Humano
			Quando se fala de desenvolvimento, entendemos como conjunto de alterações ou mudanças que se observam na estrutura do sujeito ao longo de sua vida ou ainda, conjunto de fases pelas quais o indivíduo passa ao longo do seu ciclo de vida. "É um processo multidimensional que engloba os aspectos físicos (crescimento); fisiológicos (maturação); psicológicos (cognitivos e afectivos); sociais (socialização) e culturais (aquisição de valores e/ou normas) " (MWAMWENDA, 2005.).
			 Quando se fala de teoria, refere-se ao conjunto de leis, princípios e normas que procuram explicar factos sobre uma certa realidade. É uma linha de princípios sistemáticos e lógicos que resultam de uma pesquisa científica sobre um fenómeno de interesse humanitário para explicar as causas e efeitos da sua ocorrência. Assim, as teorias do desenvolvimento humano são princípios que explicam o processo de desenvolvimento humano entre tantas encontramos: Teoria comportamentalista, Cognitivista e Humanista.
2.1.1.Teoria comportamentalista.
O termo comportamentalismo deriva da palavra inglesa behavior (comportamento) e refere-se a um movimento iniciado nos Estados Unidos, por John Broadus Watson (1878 - 1958), no início do século XX. O comportamentalismo (ou Behaviorismo) reúne uma variedade de autores Pavlov, Watson, Skinner, que precisam ser entendidos em suas especificidades conceituais. O objecto de estudo da Psicologia, nesta abordagem, é o comportamento (publicamente observável), havendo uma refutação do estudo dos fenómenos mentais.
Watson considera o desenvolvimento humano como as modificações percebidas no organismo, ocorridas em virtude de estímulos. Tais estímulos poderiam ser provenientes do meio externo ou do próprio organismo, como palpitações, reacções musculares etc. O desenvolvimento seriam, então, as manifestações reflexas, as respostas que o organismo emite quando estimulado e a atividade do organismo como um todo.	
Para Skinner, eventos/comportamentos de carácter mental como o pensar, sentir, ouvir, ver, dentre outros, não são úteis para explicar a conduta humana. Embora não negue a existência desses eventos mentais, sua teoria defende que o ser humano é controlado por influências externas (meio) e não por processos internos. A determinação da acção humana a partir do ambiente é explicada pela ideia de selecção por consequência, ou seja, o ambiente selecciona entre os tipos de relação do indivíduo, qual delas é mais vantajosa para ele, mais adaptativa.
Na abordagem de Skinner, pode-se dizer que o desenvolvimento humano é influenciado por suas consequências, em três níveis: filogenético (espécie), ontogenético (indivíduo) e cultural (o indivíduo é membro de um grupo). No primeiro nível, o desenvolvimento humano de um organismo é produto da selecção natural, da evolução da espécie ao longo de milhares de anos.
2.1.2.Teoria Cognitivista
Contrapondo-se ao behaviorismo que centra a sua atenção (o no comportamento humano, o cognitivismo propõe analisar a mente, o ato de conhecer; como o homem desenvolve seu conhecimento acerca do mundo.
No estudo do desenvolvimento humano, Piaget fixa-se particularmente, nos processos cognitivos (do conhecimento) e procura encontrar um modelo capaz de explicar a sua génese, a sua estrutura e as suas transformações.
			Para Piaget, o ser humano relaciona-se com o meio onde se insere, adaptando-se a ele, através da assimilação e acomodação, numa interacção dinâmica constante de equilíbrios sucessivos e progressivos. A vida psíquica desenvolve-se através da troca entre o sujeito e o meio, o conhecimento advém das interacções sujeito / objecto. O comportamento do indivíduo e a inteligência, resulta de uma construção progressiva do sujeito em interacção com o meio.
			Segundo Piaget, o desenvolvimento intelectual faz-se desde as reacções reflexas inatas até a fase adulta. Este processo desenvolve-se ao longo de 4 estádios: Estádio Sensório-motor (0-2 anos), estádio Pré-operatório (2-7/8anos) , estádio operatório formal ou do operações formais (11/12 –16 anos) e estádio operatório concreto (operações concretas)- 7/8 -11/12 anos
			Para Vygotsky o desenvolvimento é considerado como uma consequência das aprendizagem com que o sujeito é confrontado. Seu estudo passa necessariamente, pela análise de situações sociais que favorecem ao sujeito construir seu meio físico pois, numa abordagem sócio-construtivista o desenvolvimento cognitivo envolve as interações sujeito-objeto-contexto social.

Vygotsky sublinhou as influências sócio-culturais no desenvolvimento das crianças, destacando as seguintes características:
O desenvolvimento não pode ser separado do contexto social
A cultura afecta a forma como pensamos e o que pensamos
Cada cultura tem o seu próprio impacto
O conhecimento depende da experiência social
A criança desenvolve representações mentais do mundo através da cultura e da linguagem
2.1.3.A Teoria Humanista
Humanismo, também denominado de terceira força em Psicologia, surgiu na segunda metade do século XX, nos EUA. Enfatizou o estudo da consciência, da pessoa como dotada de valores e capacidade de auto-crescimento e autonomia. Foi um movimento que almejava trazer o indivíduo e suas formas de relação no mundo para o centro das investigações psicológicas. A Psicologia Humanista apresenta um considerável número de autores. Carl Ranson Rogers (1902- 1987) e Abrahan Maslow (1908 - 1970).
Rogers traz uma concepção do Desenvolvimento humano como dotado de uma capacidade de crescimento constante, de actualização permanente de suas potencialidades. O sujeito é passível de constantes mudanças em seus processos subjectivos. Em cada fase da vida pode conseguir certo nível de realização pessoal, estruturando-se de maneira mais plena, mais integrada.
Deste modo, afirma que em todos os seres humanos e em todos os organismos há uma tendência em direcção à realização construtiva, a um desenvolvimento cada vez mais complexo. Esta característica está presente em todo ser vivo, independente de um favorecimento do ambiente, podendo ser desviada, mas jamais destruída, pois:
Os organismos estão sempre em busca de algo, sempre iniciando algo, sempre prontos para alguma coisa. Há uma fonte central de energia no organismo humano [...] é como uma tendência à plenitude, à auto-realização que abrange não só a manutenção, mas também o crescimento do organismo (ROGERS, 1983, p. 44 apud MWAMWENDA, 2005)

Para o autor o tipo de relação que se estabelece entre as pessoas, desde o início da vida, é factor crucial de estruturação psicológica e de constituição do self, ou seja, de si mesmo. Contudo, salienta que o indivíduo tem um poder de autonomia intrínseca, sendo construtor de seu percurso pessoal. Acredita que o próprio sujeito é responsável por mudanças em sua vida por existir um mecanismo de auto-regulação no desenvolvimento.

2.2.Abordagens de aprendizagem de Ausubel, Bruner, Pavlov, Skinner, Bantura, Lewin, Thorndike, Piaget e Roger,
2.2.1.Aprendizagem por Condicionamento Clássico
			A pesquisa sobre o condicionamento foi feita por Ivan Pavlov. Esta, foi a primeira teoria da aprendizagem que é referida como clássica. Condicionamento significa aprendizagem ou modificação