Deveres, Proibições e Responsabilidades do Servidor Público Federal
5 pág.

Deveres, Proibições e Responsabilidades do Servidor Público Federal


DisciplinaAdministracao e Instrumentos Gerenciais4 materiais45 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Deveres, Proibições e Responsabilidades do 
Servidor Público Federal 
1. Página inicial 
2. Meus cursos 
3. DPRSPF-2018-2 
4. Módulo IV 
5. Exercícios de Fixação - Módulo IV 
Iniciado em Monday, 8 Oct 2018, 16:41 
Estado Finalizada 
Concluída em Monday, 8 Oct 2018, 16:50 
Tempo empregado 8 minutos 23 segundos 
Avaliar 75,00 de um máximo de 100,00 
Questão 1 
Correto 
Atingiu 20,00 de 20,00 
Marcar questão 
Texto da questão 
Julgue as frases a seguir como verdadeiras (V) ou falsas (F): 
A inassiduidade habitual ocorre caso o servidor falte mais que 60 
dias interpoladamente em um período de 12 meses, tendo ou não 
causa justificada. 
Resposta 1
F 
A inassiduidade habitual configura-se por rito sumário, 
configurando-se nulidade a adoção de rito ordinário. 
Resposta 2
F 
Para apuração da inassuduidade habitual pode-se usar quaisquer 
períodos de 12 meses, não sendo necessário que coincida com um 
ano civil. 
Resposta 3
V 
Faltas justificadas afastam a imputação de inassiduidade habitual. 
Resposta 4
V 
Feedback 
Respostas Verdadeiras: "c" e "d" 
Feedback A: 
(Módulo IV, Inassiduidade habitual). 
Caso justifique as faltas não configura inassiduidade habitual. Veja: 
\u201cLei nº 8.112, de 11/12/90 - Art. 139. Entende-se por inassiduidade habitual a falta ao 
serviço, sem causa justificada, por sessenta dias, interpoladamente, durante o período de 
doze meses.\u201d 
Feedback B: 
(Módulo IV, Inassiduidade habitual). 
\u201cA exemplo do abandono de cargo, a inassiduidade habitual tem seu apuratório em rito 
sumário, mas não configura nulidade a apuração em rito ordinário, visto que nenhum 
prejuízo traz à defesa (ao contrário, é um rito mais completo), conforme se verá adiante. \u201d 
A resposta correta é: A inassiduidade habitual ocorre caso o servidor falte mais que 60 
dias interpoladamente em um período de 12 meses, tendo ou não causa justificada. \u2192 F, 
A inassiduidade habitual configura-se por rito sumário, configurando-se nulidade a adoção 
de rito ordinário. \u2192 F, Para apuração da inassuduidade habitual pode-se usar quaisquer 
períodos de 12 meses, não sendo necessário que coincida com um ano civil. \u2192 V, Faltas 
justificadas afastam a imputação de inassiduidade habitual. \u2192 V. 
Questão 2 
Parcialmente correto 
Atingiu 15,00 de 20,00 
Marcar questão 
Texto da questão 
Julgue as frases a seguir como verdadeiras (V) ou falsas (F): 
A ausência intencional do servidor por mais de 30 dias configura 
abandono do cargo e é motivo para a pena de demissão. 
Resposta 1
V 
O texto legal deixa evidente dois critérios para a materialização 
da infração de abandono de cargo, a saber: continuidade e prazo 
mínimo. 
Resposta 2
F 
A comissão que julgará o abandono do cargo deverá apurar 
eventual justificativa para a ausência. 
Resposta 3
V 
Motivos para a ausência que independem da vontade do servidor, 
não afastam a hipótese de abandono de cargo. 
Resposta 4
V 
Feedback 
Respostas Verdadeiras: "a" e "c" 
Feedback B: 
(Módulo IV, Inciso II - abandono de cargo). 
É preciso também a intencionalidade. Veja texto do curso: \u201cO texto legal deixa evidente 
três critérios para a materialização da infração de abandono de cargo, a saber: 
intencionalidade, continuidade e prazo mínimo. \u201d 
Feedback D: 
(Módulo IV, Inciso II - abandono de cargo) 
\u201cDessa forma, motivos hábeis a afastar a intenção de abandonar o cargo são aqueles \u201c(...) 
que se fundam em razões independentes de sua vontade. O motivo, assim, precisa ser 
relevante, já que a ausência injustificada faz pressupor o desinteresse do servidor na 
prestação do serviço público. Essa presunção só se afasta por motivo de força maior, 
entendido, como tal, o obstáculo intransponível, de origem estranha, liberatório da 
responsabilidade (...)\u201d 
A resposta correta é: A ausência intencional do servidor por mais de 30 dias configura 
abandono do cargo e é motivo para a pena de demissão. \u2192 V, O texto legal deixa evidente 
dois critérios para a materialização da infração de abandono de cargo, a saber: 
continuidade e prazo mínimo. \u2192 F, A comissão que julgará o abandono do cargo deverá 
apurar eventual justificativa para a ausência. \u2192 V, Motivos para a ausência que 
independem da vontade do servidor, não afastam a hipótese de abandono de cargo. \u2192 F. 
Questão 3 
Correto 
Atingiu 20,00 de 20,00 
Marcar questão 
Texto da questão 
Julgue as frases a seguir como verdadeiras (V) ou falsas (F), conforme informações do 
curso: 
A Lei nº 8.112 proíbe ao servidor a conduta escandalosa e 
ofensiva à moral vigente, tanto na função do cargo, como na vida 
privada. 
Resposta 1
F 
A vedação de conduta escandalosa na repartição vale também 
para o exercício de servidores públicos que exercem suas funções 
fora de alguma repartição. 
Resposta 2
V 
Os atos praticados de forma oculta não configuram conduta 
escandalosa, pois essa deve ser pública e notória. 
Resposta 3
F 
A incontinência pública proibida pela Lei nº 8.112 não precisa ser 
praticada repetidas vezes, bastando uma ocorrência. 
Resposta 4
V 
Feedback 
Respostas Corretas: "b" e "d" 
Feedback A: 
(Módulo 4, Inciso V - incontinência pública e conduta escandalosa, na repartição). 
\u201cIncontinência é a falta de moderação, de comedimento. Como bem ilustra o professor Léo 
da Silva Alves \u201ca incontinência de conduta é a maneira desregrada de viver. Trata-se da 
pessoa depravada, de procedimentos vulgares, escandalosos, que chocam os valores 
morais e os costumes\u201d (1). Já a conduta escandalosa é entendida como o desprezo às 
convenções ou à moral vigente. Também, par a ambas, em razão da definição do 
processo administrativo disciplinar, não se admite a repercussão de atos da vida particular 
do servidor na instância disciplinar. \u201d 
Feedback C: 
(Módulo 4, Inciso V - incontinência pública e conduta escandalosa, na repartição). 
\u201cJá a conduta escandalosa abrange atos similares aos da incontinência pública (atos de 
falta de decoro e de respeito e perturbadores do ambiente da repartição), com a 
diferenciação de serem praticados sem o requisito da publicidade, bastando que sejam 
fortemente negativos à moral, aos costumes, à regularidade das relações de trabalho, 
ainda que praticados de forma silenciosa ou reservada (de que são exemplos o assédio 
sexual ou atos libidinosos). \u201d 
A resposta correta é: A Lei nº 8.112 proíbe ao servidor a conduta escandalosa e ofensiva à 
moral vigente, tanto na função do cargo, como na vida privada. \u2192 F, A vedação de 
conduta escandalosa na repartição vale também para o exercício de servidores públicos 
que exercem suas funções fora de alguma repartição. \u2192 V, Os atos praticados de forma 
oculta não configuram conduta escandalosa, pois essa deve ser pública e notória. \u2192 F, A 
incontinência pública proibida pela Lei nº 8.112 não precisa ser praticada repetidas vezes, 
bastando uma ocorrência. \u2192 V. 
Questão 4 
Correto 
Atingiu 20,00 de 20,00 
Marcar questão 
Texto da questão 
Julgue as frases a seguir como verdadeiras (V) ou falsas (F): 
No caso de abandono de cargo, é preciso haver ausência 
intencional; no caso da inassiduidade habitual, basta não haver 
justificativa. 
Resposta 1
V 
No caso de inassiduidade habitual, não há necessidade de 
comprovar a intenção do agente em se ausentar. 
Resposta 2
V 
Caso não seja configurado inassiduidade habitual, o servidor não 
perderá a remuneração do dia que se ausentar. 
Resposta 3
F 
Ausências interpoladas podem configurar tanto inassiduidade 
habitual como abando de cargo. 
Resposta 4
F 
Feedback 
Respostas Veradeiras: "a" e "b" 
Feedback C: 
(Módulo 4, Inassiduidade habitual). 
\u201cAinda, caso o colegiado não obtenha provas de quaisquer dos enquadramentos dispostos 
no Estatuto do