A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
74 pág.
Análise economico_Monografia_Faria Neto

Pré-visualização | Página 11 de 19

nacionalistas cujo lema era “O petróleo é nosso”. A história do petróleo no Brasil, 
remonta aos tempos do Regime Imperial, onde o Marquês de Olinda cedeu o direito 
a José Barros de Pimentel de realizar a extração de betume nas margens do rio 
Marau, na Bahia. 
 Até as primeiras décadas do século XX, alguns estudiosos e exploradores 
anônimos tentaram perfurar alguns poços de petróleo sem obter êxito, porém, em 
1930, o engenheiro agrônomo Manoel Inácio de Basto com base no relato de 
47 
 
populares, teve a informação de que os moradores de Lobato, bairro suburbano de 
Salvador, utilizavam uma “lama preta” como combustível de suas lamparinas, assim, 
instigado por tal notícia, realizou testes e experimentos que atestavam a existência 
de petróleo nessa localidade, contudo, não possuía contatos influentes que 
poderiam investir em sua descoberta. Persistente, em 1932, conseguiu entregar ao 
presidente Getúlio Vargas um laudo técnico que atestava a descoberta, mas só em 
1938, o governo decidiu explorar um poço em Lobato, e técnicos constaram a 
existência de petróleo, com isso é criado o Conselho Nacional do Petróleo, e as 
jazidas minerais passam a ser considerada propriedade estatal. 
 . Após a Segunda Guerra Mundial iniciou-se no Brasil um intenso debate 
sobre a melhor maneira de explorar o petróleo no país. O assunto era polêmico uma 
vez que envolvia diversos aspectos políticos, tais como a soberania nacional, a 
importância dos recursos minerais estratégicos, a política de industrialização e os 
limites de atuação das empresas multinacionais no país, e foi um dos mais 
marcantes na História do Brasil nas décadas de 1940 a 1960. Para debatê-lo, 
constituíram-se dois grupos com posições distintas: um que defendia a abertura do 
setor petrolífero à iniciativa privada, nacional e estrangeira, e outro, que desejava o 
monopólio estatal do petróleo. Nessa época surgiu a campanha “O Petróleo é 
nosso”, em favor do monopólio estatal do petróleo, mobilizando estudantes 
universitários, profissionais liberais e militares. Assim foi apresentado pelo então 
presidente Getulio Vargas, o projeto de criação da Petrobras, em 6 de dezembro de 
1951, mas só em 3 de outubro de 1953 foi aprovada a lei n° 2004 que criou a 
Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras), que instituiu o monopólio estatal da exploração, 
do refino e do transporte, monopólio que durou 44 anos, e foi legalmente derrubado 
com a Emenda Constitucional nº 9/1995, que modificou o Art. 177 da Constituição 
Federal, pondo fim no monopólio estatal, que foi viabilizado a partir de 16 de outubro 
de 1997, com aprovação da Lei do Petróleo (lei n° 9.478) e a criação da Agência 
Nacional do Petróleo (ANP), órgão regulador da indústria do petróleo. Este marco 
regulatório abriu caminho para a participação do setor privado na pesquisa, 
exploração, extração, refino, exportação, importação e distribuição de petróleo. 
 Atualmente a sede social da Petrobras está localizada na cidade do Rio de 
Janeiro – RJ. A companhia dedica-se diretamente ou por meio de suas subsidiárias 
e controladas, à pesquisa, lavra, refino, processamento, comércio e transporte de 
petróleo proveniente de poço, de xisto ou de outras rochas, de seus derivados, de 
48 
 
gás natural e de outros hidrocarbonetos fluidos, além das atividades vinculadas à 
energia, podendo promover pesquisa, desenvolvimento, produção, transporte, 
distribuição e comercialização de todas as formas de energia, bem como quaisquer 
outras atividades correlatas ou afins. Abaixo informações da companhia. 
Investimentos Produção Diária Refinarias
R$ 87,1 bilhões
2 milhões 799 mil barris de óleo 
equivalente por dia
16
Receita de Vendas Reservas Provadas Produção de derivados
R$ 337,3 bilhões
16,6 bilhões de barris* de óleo 
equivalente (boed)
2 milhões 170 mil barris por dia
Lucro Líquido Plataformas de Produção Postos
R$ -26,6 bilhões 129 (72 Fixas; 57 flutuantes) 7.931 (no Brasil) e 907 (exterior)
Acionistas Biocombustíveis Fertilizantes
756.030
5 usinas de biodiesel (3 próprias e 2 em 
parceria) 10 usinas de etanol em parceria
3 fábricas
Presença Global Termelétricas Frota de Navios
19 países 22 usinas**
257 (54 de propriedade da 
Petrobras)
Número de Empregados Energia Eólica Dutos
80.908 4 usinas 36.533 km
Dados dos resultados do exercício de 2014/ Última atual ização: Dezembro de 2014. Não inclui os escri tórios 
de representação. *Cri tério ANP/SPE ** 16 delas uti l i zam gás natura l
 
Figura 11 – Perfil da Petrobras Fonte: Petrobras.com.br (2015) . 
 A Petrobras é líder mundial no desenvolvimento de tecnologia avançada para 
a exploração petrolífera em águas profundas e ultra-profundas, e em 2011 estava no 
quinto lugar na classificação das maiores petrolíferas de capital aberto do mundo. 
Em valor de mercado, foi a segunda maior empresa do continente americano e a 
quarta maior do mundo no ano de 2010. Em setembro de 2010, passou a ser a 
segunda maior empresa de energia do mundo, sempre em termos de valor de 
mercado, segundo dados da Bloomberg e da Agência Brasil. Em outubro de 2010 a 
empresa ficou conhecida internacionalmente por efetuar a maior capitalização em 
capital aberto da história: 72,8 bilhões de dólares (a época 127,4 bilhões de reais). 
 Desde o ano de 2006 que a empresa vem enfrentando polêmicas e sendo 
citada em casos de corrupção, a mais recente delas é a Operação Lava Jato, nome 
de uma investigação da Polícia Federal do Brasil iniciada em 17 de março de 2014, 
para apurar um esquema de lavagem de dinheiro suspeito de movimentar mais de 
10 bilhões de reais, atualmente estimado em mais de R$ 20 bilhões. A operação 
recebeu esse nome devido ao uso de uma rede de lavanderias e postos de 
combustíveis pela quadrilha para movimentar os valores de origem ilícita. Até abril 
49 
 
de 2014, a Operação Lava Jato já contava com 30 pessoas presas, entre elas o ex-
diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o ex-gerente de serviços Pedro José 
Barusco Filho. Em depoimento a CPI da Petrobras, o ex-gerente de operações da 
empresa, declarou que começou a receber propinas em 1997 e 1998, porém foi a 
partir de 2004 que o recebimento de propinas se tornou mais amplo. 
 
4.2 Análises preliminares 
 
 A Análise Horizontal e Vertical é a forma mais comum de expressar a análise 
das demonstrações contábeis, pois, apesar de sua simplicidade, elas irão destacar 
as variações mais importantes no Balanço Patrimonial e na Demonstração de 
Resultado do Exercício. 
 Visando verificar a evolução ao longo dos anos das contas que compõe o 
Balanço Patrimonial e Demonstração de resultados da companhia, foi incialmente 
efetuado as Análises Vertical e Horizontal conforme apresentado a seguir. 
 
4.2.1 Análise Horinzontal 
 
 Análise Horizontal avalia o aumento ou a diminuição dos valores que 
expressam os elementos patrimoniais ou do resultado. Análise Horizontal baseia-se 
na evolução de cada conta de uma série de demonstrações financeiras em relações 
á demonstração anterior e/ou em relação a uma demonstração financeira básica, 
geralmente a mais antiga da série (MATARAZZO, 2003, p. 245). 
 Abaixo, observa-se a análise horizontal dos balanços patrimoniais (ativo e 
passivo), como também da demonstração do resultado da entidade, onde se pode 
evidenciar o crescimento ou a redução de itens dos demonstrativos contábeis ao 
longo dos exercícios sociais para caracterizar tendências. 
 
 
 
50 
 
 Descrição AH 31/12/2014 AH 31/12/2013 31/12/2012
 Ativo Total 5% 793.375.000 13% 752.967.000 669.032.000 
 Ativo Circulante 9% 135.023.000 4% 123.351.000 118.101.000 
 Caixa e Equivalentes de Caixa 19% 44.239.000 35% 37.172.000

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.