A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
74 pág.
Análise economico_Monografia_Faria Neto

Pré-visualização | Página 8 de 19

ativo. O ativo de uma empresa é 
financiado pelo capital próprio (patrimônio líquido) e por capitais de terceiros 
(obrigações). Quanto maior for à participação de capitais de terceiros nos negócios 
de uma empresa, maior será o risco. Os índices de estrutura patrimonial são 
extraídos do balanço patrimonial, por meio da comparação de itens do ativo com 
itens do passivo. O passivo representa a estrutura de financiamentos, isto é, são 
recursos que a empresa vem captando (próprios e de terceiros) para financiar sua 
atividade. A seleção dos fundos que financiam os investimentos deve ser realizada 
levando-se em conta os seus custos e a capacidade de geração de caixa da 
empresa. Os índices de estrutura patrimonial são os relacionados com a composição 
dos financiamentos, e aqueles que medem o grau de imobilização de recursos 
próprios e permanentes (CARVALHO, COSTA, GONÇALVES & LIMEIRA, 2010). 
 
2.3.2.1 Endividamento Geral 
 
 É a percentagem de participação de recursos de terceiros (curto e longo 
prazo de vencimento) no financiamento das aplicações totais realizadas pela 
empresa, ou seja, o ativo total. 
33 
 
PC + PNC
Ativo Total
X 100Endividamento Geral
 
Fonte: (CARVALHO, COSTA, GONÇALVES & LIMEIRA, 2010). 
 Quanto maior o nível de endividamento da empresa, maior o risco, porém não 
se pode tirar essa conclusão observando somente esse índice, pois ele 
simplesmente compara as dívidas com o ativo total (CARVALHO, COSTA, 
GONÇALVES & LIMEIRA, 2010). 
 A empresa não liquidará seus ativos para pagamento das dívidas, a não ser 
em caso de falência, assim, é preciso considerar alguns pontos como: 
 Qual é a participação da dívida com bancos no passivo circulante. 
 Qual o cronograma de amortização da dívida de longo prazo. 
 Quais são as taxas de juros reais para cada um dos financiamentos de longo 
prazo. 
 Qual a capacidade de geração de caixa operacional da empresa, pois as 
dívidas serão pagas por meio de sua capacidade de gerar recursos. 
 
2.3.2.2 Composição do Endividamento 
 
 Corresponde à percentagem de participação de recursos de terceiros de curto 
prazo com o endividamento total. 
PC
PC + PNC
X 100Composição do Endividamento
 
Fonte: (CARVALHO, COSTA, GONÇALVES & LIMEIRA, 2010). 
 
 Esse índice é uma medida da qualidade do passivo em termos de prazo, ou 
seja, quanto mais curto o vencimento das parcelas exigíveis, maior será o risco 
oferecido pela empresa. Endividamento concentrado no longo prazo, principalmente 
decorrente de investimento efetuado, oferece uma situação mais tranquila no curto 
prazo (CARVALHO, COSTA, GONÇALVES & LIMEIRA, 2010). 
 
 
 
34 
 
2.3.2.3 Imobilização do Capital Próprio 
 
 O índice exprime o quanto do ativo permanente (investimento, imobilizado e 
intangível) da empresa, é financiado pelo seu patrimônio líquido, evidenciando 
assim, a maior ou menor dependência de aporte de recursos de terceiros para 
manutenção de seus negócios. Em princípio, os componentes do ativo permanente 
devem ser financiados por recursos próprios e, quando forem insuficientes, devem 
ser complementados por recursos de terceiros, desde que amortizáveis ao longo 
prazo (CARVALHO, COSTA, GONÇALVES & LIMEIRA, 2010). 
AP
PL
X 100Imobilização do Capital Próprio
 
Fonte: (CARVALHO, COSTA, GONÇALVES & LIMEIRA, 2010). 
 
 O aumento do ativo permanente pode ser considerado normal em uma fase 
de implantação, expansão da capacidade produtiva do empreendimento ou quando 
a empresa faz investimentos em modernização para reduzir custos, porém é 
importante que a parcela dos investimentos que não seja financiada por recursos 
próprios, seja por recursos de terceiros de longo prazo, evitando assim, os de curto 
prazo, pois a empresa precisa de tempo para elevar a geração de caixa, e desta 
forma, conseguir pagar os juros e amortizar o principal. Assim, o prazo de 
amortização tem que ser compatível com a capacidade de geração de caixa. 
 
2.3.2.4 Imobilização de Recursos Permanentes 
 
 Esse indicador demonstra qual o percentual de recursos não correntes 
(exigível em longo prazo e patrimônio líquido) que foram revertidos para aplicação 
no ativo permanente. Esse índice tem papel fundamental quando o capital próprio 
(patrimônio líquido) demonstra-se insuficiente para cobrir o investimento efetuado no 
ativo permanente, fazendo com que a empresa necessite captar recursos de 
terceiros ao longo prazo para financiar tal aplicação. Quanto maior for a imobilização 
de recursos permanentes, menor será a parcela dos recursos permanentes 
35 
 
destinados a financiar o giro dos negócios (CARVALHO, COSTA, GONÇALVES & 
LIMEIRA, 2010). 
AP
PL + PNC
X 100
Imobilização de Recursos 
Permanentes 
Fonte: (CARVALHO, COSTA, GONÇALVES & LIMEIRA, 2010). 
 
 Empresas que giram rapidamente os seus estoques e contas a receber 
podem trabalhar com um índice maior de imobilização de recursos permanentes, por 
outro lado, empresas que levem mais tempo para renovar seus estoques e contas a 
receber, deveriam ter uma menor imobilização de recursos permanentes e, 
consequentemente, maiores parcelas de recursos permanentes destinados ao giro 
dos negócios. 
 
2.3.2.5 Garantia do Capital Próprio ao Capital de Terceiros 
 
 Segundo Matarazzo (2010), esse índice revela o quanto do capital próprio é 
dado como garantia a cada R$ 1,00 (um real) investido na empresa por terceiros, ou 
seja, é a divisão do patrimônio líquido com o exigível total (passivos circulantes e 
passivos não circulantes). 
PL
PC + PNC
Garantia do Capital Próprio ao 
Capital de Terceiros 
 Fonte: Matarazzo (2010). 
 
 
 
2.3.3 Liquidez 
 
 Os índices de liquidez são medidas de avaliação da capacidade financeira da 
empresa em honrar os compromissos com terceiros, pois evidenciam quanto a 
empresa dispõe de bens e direitos em relação às obrigações assumidas no mesmo 
período. No contexto geral, presume-se que quanto maior a liquidez, melhor será a 
situação financeira da empresa, porém, nem sempre um alto índice de liquidez 
representa, necessariamente, boa saúde financeira. Assim, uma empresa que 
possui altos índices de liquidez, mas mantém mercadorias estocadas por períodos 
elevados, recebe com atraso suas vendas a prazo ou mantém duplicatas incobráveis 
36 
 
na conta Clientes, poderá ter problemas de liquidez, ou seja, poderá ter dificuldade 
para honrar seus compromissos nos vencimentos. 
 O cumprimento das obrigações nas datas previstas depende de uma 
adequada administração dos prazos de recebimento e de pagamento. Para Marion 
(2010), os índices de liquidez são utilizados para avaliar a capacidade de pagamento 
da empresa, isto é, constituem uma apreciação para ver se a empresa tem 
capacidade para saldar seus compromissos, e essa capacidade de pagamento pode 
ser avaliada considerando: longo prazo, curto prazo ou prazo imediato. 
 
2.3.3.1 Liquidez Imediata 
 
 Esse índice mede a capacidade financeira da empresa em pagar 
imediatamente seus compromissos, avaliando o poder de pagar de uma só vez 
todas as suas obrigações com vencimentos ao longo do exercício seguinte. 
Disponível
PC
Liquidez Imediata
 
Fonte: Iudícibus (2009). 
 
 Segundo Assaf Neto (2010), o índice é normalmente baixo pelo pouco 
interesse das empresas em manter recursos monetários em caixa, ativo 
operacionalmente de reduzida rentabilidade. 
 
2.3.3.2 Liquidez Corrente 
 
 O índice de liquidez corrente é um dos mais conhecidos e utilizados na 
análise econômica financeira. Conforme Assaf Neto (2010, p.164), “esse índice 
avalia

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.