A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
78 pág.
Abrangência das Ações de Saúde ( Módulo IV ) Unime 2018.2

Pré-visualização | Página 3 de 30

ANTECEDENTES DO SUS 
 
 Era uma época de censura, existia o medo do que poderia ou não ser feito 
 Projeto de Caruaru e Projeto de Montes Claro, discussão dos conceitos de 
universalização , regionalização 
 
 
 
 
O FUTUTO DO SUS 
 
 
 Busca da consolidação do SUS, existiu grande avanço mas ainda tem muito o que 
melhorar. Programas de vacinação, transplante, universalização, AIDS. 
 Deve existir a garantia de recursos perenes na saúde 
 Emenda 29 
 Deve existir sempre uma cumplicidade entre governo, população e usuários do 
sistema. 
 A gestão ainda tem que melhorar muito 
 Aproximadamente 145 milhões de pessoas dependem exclusivamente do SUS 
 
 
 
 
 
Lei n. 8.080/90 
 
 
- Artigo 1º Esta lei regula, em todo o território nacional, as ações e serviços de saúde, 
executados isolada ou conjuntamente, em caráter permanente ou eventual, por pessoas 
naturais ou jurídicas de direito Público ou privado. 
 
 
- Artigo 2º - A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover 
as condições indispensáveis ao seu pleno exercício. 
- Dos Objetivos e Atribuições Dos Objetivos e Atribuições Dos Objetivos e Atribuições 
Dos Objetivos e Atribuições 
Art.5º - São objetivos do Sistema Único de Saúde SUS: 
I - a identificação e divulgação dos fatores condicionantes e determinantes da saúde; 
II - a formulação de política de saúde destinada a promover, nos campos econômico e 
social, a observância do disposto no § 1º do Art.2º desta lei; 
III - a assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção, proteção e 
recuperação da saúde, com a realização integrada das ações assistenciais e das 
atividades preventivas. 
III - a assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção, proteção e 
recuperação da saúde, com a realização integrada das ações assistenciais e das 
atividades preventivas. 
 
- Dos Princípios e Diretrizes Dos Princípios e Diretrizes Dos Princípios e Diretrizes Dos 
Princípios e Diretrizes 
Art.7º - As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou 
conveniados que integram o Sistema Único de Saúde (SUS), são desenvolvidos de 
acordo com as diretrizes previstas no Art.198 da Constituição Federal, obedecendo 
ainda aos seguintes princípios: 
I - universalidade de acesso aos serviços de saúde em todos os níveis de assistência; 
II - integralidade de assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das 
ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada 
caso em todos os níveis de complexidade do sistema; 
III - preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade física e moral; 
IV - igualdade da assistência à saúde, sem preconceitos ou privilégios de qualquer 
espécie; 
V - direito à informação, às pessoas assistidas, sobre sua saúde; 
VI - divulgação de informações quanto ao potencial dos serviços de saúde e a sua 
utilização pelo usuário; 
VII - utilização da epidemiologia para o estabelecimento de prioridades, a alocação de 
recursos e a orientação programática; 
VIII - participação da comunidade; 
 
 A Lei 8.142, de 28 de dezembro de 1990, dispõe sobre a participação da comunidade 
na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências 
intergovernamentais de recursos financeiros na área de saúde. 
 
 
CONSELHO DE SAÚDE 
 
 O Conselho Nacional de Saúde (CNS) instância máxima de deliberação do Sistema 
Único de Saúde – SUS - de caráter permanente e deliberativo, tem como missão a 
deliberação, fiscalização, acompanhamento e monitoramento das políticas públicas de 
saúde. 
 O CNS é um órgão vinculado ao Ministério da Saúde composto por representantes 
de entidades e movimentos representativos de usuários, entidades representativas de 
trabalhadores da área da saúde, governo e prestadores de serviços de saúde, sendo 
o seu Presidente eleito entre os membros do Conselho. 
 É competência do Conselho, dentre outras, aprovar o orçamento da saúde assim 
como, acompanhar a sua execução orçamentária. Também cabe ao pleno do CNS a 
responsabilidade de aprovar a cada quatro anos o Plano Nacional de Saúde. 
 Deve funcionar mensalmente, ter ata que registre suas reuniões e infraestrutura que 
dê suporte ao seu funcionamento. 
 
 
 - REPRESENTAÇÃO 
Poderão ser contempladas, entre outras, as seguintes representações: • associações 
de portadores de patologias; • associações de portadores de deficiências; • entidades 
indígenas; • movimentos sociais e populares organizados; • movimentos organizados 
de mulheres em saúde; • entidades de aposentados e pensionistas; • entidades 
congregadas de sindicatos, centrais sindicais, confederações e federações de 
trabalhadores urbanos e rurais; • entidades de defesa do consumidor; • organizações 
de moradores; • entidades ambientalistas; • organizações religiosas; • trabalhadores da 
área da Saúde; • associações, sindicatos, federações, confederações e conselhos de 
classe; • comunidade científica; • entidades públicas, hospitais universitários e hospitais 
no campo de estágio, de pesquisa e desenvolvimento 
 
CONFERÊNCIA DE SAÚDE 
 
 É o fórum que reúne todos os segmentos representativos da sociedade, um espaço 
de debate para avaliar a situação de saúde, propor diretrizes para a formulação da 
política de saúde nas três esferas de governo. É convocada pelo Poder Executivo ou 
pelo conselho de saúde, quando 50% + 1 dos integrantes desse fórum conclamam a 
conferência. Acontece de 4 em 4 anos. É realizada pelas esferas municipal, estadual e 
federal. É o espaço de debate, formulação e avaliação das políticas de saúde. 
 
 REFORMA SANITÁRIA 
 
 O movimento da Reforma Sanitária nasceu no contexto da luta contra a ditadura, no 
início da década de 1970. A expressão foi usada para se referir ao conjunto de ideias 
que se tinha em relação às mudanças e transformações necessárias na área da saúde. 
Essas mudanças não abarcavam apenas o sistema, mas todo o setor saúde, em busca 
da melhoria das condições de vida da população. 
 Grupos de médicos e outros profissionais preocupados com a saúde pública 
desenvolveram teses e integraram discussões políticas. Este processo teve como 
marco institucional a 8ª Conferência Nacional de Saúde, realizada em 1986. Entre os 
políticos que se dedicaram a esta luta está o sanitarista Sergio Arouca. 
 As propostas da Reforma Sanitária resultaram, finalmente, na universalidade do 
direito à saúde, oficializado com a Constituição Federal de 1988 e a criação do Sistema 
Único de Saúde (SUS). 
 
 PORTARIA Nº 4.279, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 
Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do 
Sistema Único de Saúde (SUS). 
 
 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. 
 
Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de 
setembro de 1990, para dispor sobre a 
organização do Sistema Único de 
Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a 
assistência à saúde e a articulação 
interfederativa, e dá outras providências. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Problema 1 - Intermediária 
 
 Saúde no Brasil antes da colonização 
 
 Antes da chegada dos europeus no Brasil a vida era muito diversificada, 
mudava de acordo com suas tribos. Apesar dessas divergências, a saúde era 
observada através de uma mesma visão, eram utilizadas ervas e plantas em 
busca da cura. Os pajés eram responsáveis por esse conhecimento, “ 
guardando essa sabedoria “ e passando para a tribo. Tudo isso era feito 
através de rituais ( Era feito com plantas, ervas, danças, bebidas ). 
 As doenças eram vistas como algum feitiço.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.