A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
78 pág.
Abrangência das Ações de Saúde ( Módulo IV ) Unime 2018.2

Pré-visualização | Página 5 de 30

esse instituto vai concentrar todas as contribuições 
previdenciárias do país, incluindo os trabalhadores do comércio, operários e 
serviços, vai gerir todas as aposentadorias e assistências médicas dos 
trabalhadores do Brasil. 
 Agora a massa de dinheiro vai ser ainda maior, gerando um grande desvio 
 O dinheiro da previdência passa a construir grandes obras para impulsionar 
a economia brasileira para um crescimento ininterrupto ( como a ponte Rio – 
Niterói ) e a saúde pública fica cada vez pior. 
 O Governo Federal, através do INPS, criou linhas de financiamento para que 
a iniciativa privada construa hospitais particulares visando ampliar o número de 
leitos hospitalares, esses hospitais atenderão os trabalhadores inscritos na 
previdência social. 
 O governo federal estende a previdência aos trabalhadores rurais. 
 A previdência nunca atendeu tantas pessoas, entretanto o governo não tinha 
controle sobre os gastos e quem era contra isso passava a ser chamado de 
subversivo. 
 A população começa a reclamar da falta de saúde. 
 Surge a epidemia de meningite, entretanto o governo não permite que o 
tema seja abordado ( Censura ). 
 
 1978 – Greve em busca de Postos de saúde, água...( Ainda é ditadura ) 
 
 Movimento Popular de Saúde – São Trabalhadores de saúde, estudantes e professores 
em busca de uma melhora na saúde, centrado na atenção básica. 
 Várias cidades começam a melhorar sua saúde através desse movimento. 
 O Governo cria o SINPAS ( Sistema Nacional de previdência e assistência social ) 
que passa a reunir todos os órgãos de assistência médica no INAMPS( Instituto 
Nacional de Assistência Médica da Previdência Social ). 
 
1979 – Crescem os Sindicatos e os operários ( Trabalhadores se unem ), gerando 
grande conflito com o governo. 
 
 As pessoas querem ter “ Voz ´´ na saúde 
 
 
 A censura esconde as epidemias no país 
 Hospitais privados enriquecem as custas da previdência social 
 A previdência vai à falência, medidas são tomadas para reverter essa situação. 
 A previdência falida não permite aos trabalhadores obterem uma saúde decente, essa 
falência ocorre pois esse sistema de seguro – saúde funciona muito bem quando a 
economia cresce, entretanto, quando a economia não cresce existem mais pessoas 
necessitando de atendimento médico e se aposentando do que entrando para o sistema, 
ou seja, mais dinheiro saindo que entrando. Além da falência da previdência existe um 
outro motivo para a crise na saúde, que é a utilização dos recursos da previdência para 
criação de grandes hospitais ( Esses hospitais na verdade são privados, os empresários 
pegava o dinheiro emprestado com o governo, que pagava a consulta. Quando os donos 
dos hospitais conseguiram “ andar com as próprias pernas ´´ resolveram quebrar o 
vínculo com o governo, deixando de atender os trabalhadores da previdência, atendendo 
apenas ao particular, ou seja, o Governo ficou sem os hospitais para atendimento. 
 
 1986 – 8ª Conferência Nacional da Saúde 
 
 Busca pelo sistema único de saúde 
 Criação do SUS – Garantia dos princípios que orienta um novo sistema de saúde. 
 O SUS tem como princípio a Universalidade, Integralidade e Equidade e a 
participação social. ---Com o SUS a saúde é tratada como direito e não mais como 
um favor, privilégio ou caridade. É universal para todos, com ou sem carteira assinada. 
É integral, da vacina ao transplante. Com equidade é enfrentado as desigualdades 
sociais. 
 A marca mais importante do SUS é a participação popular. Cada cidade vai contar 
com um conselho de saúde formado por usuários, trabalhadores da saúde e gestores. 
 Periodicamente existem as conferências para debate e aprovação do que foi debatido. 
 Sem as conferências e conselhos a cidade fica de fora do SUS 
 
 1988 – Constituição de 88 – A constituição cidadã 
 
 1990 – Aprovação da regulação do SUS com as leis 8.080 e a lei 
8.142. Existem muitas dificuldades mas os municípios avançam. 
 
 A implantação do SUS continua difícil, hospitais lotados, sem leitos suficientes. 
 As cooperativas ganham força, sucateando a saúde. 
 
 1994 – Chega ao Brasil os computadores, internet. 
 
 Maiores informações para a população 
 Crise da previdência se aprofunda 
 O Ministério da Saúde cria o programa Saúde da Família, que vai prestar assistência 
domiciliar à população. Ocorre uma assistência individual, com objetivo de prevenção 
da saúde. 
 
 
 1995 - Abre a internet no setor privado 
 
 Planos de saúde ficam em alta, mas eles querem as pessoas saudáveis, que não lhe 
dão despesas. Eles só querem aumentar os valores para os associados alegando que 
 
 
estão sem dinheiro, ameaçam ao governo, se ele não permitirem esse aumento vão 
começar a descredenciar hospitais e médicos. 
 
 Posse de Fernando Henrique Cardoso 
 
 O Governo quer transferir os serviços públicos para entidades privadas, sem fins 
lucrativos, as organizações sociais. Uma de suas principais áreas de atuação será a área 
da saúde, ou seja, querem terceirizar o SUS, passar a gestão para a iniciativa privada. 
 Hospitais prontos passam do Governo Federal para as organizações sociais. 
 
 Políticas Sanitaristas 
 
 As discussões sobre a reforma sanitária tem início na década de 70, embora a reforma 
ocorra apenas em 1986 com a 8ª Conferência Nacional de Saúde .O movimento 
sanitário teve origem a partir de uma abordagem histórico e estrutural dos problemas de 
saúde. Essa abordagem foi discutida em todos os departamentos de medicina 
preventiva, em todas as faculdades. Nesses departamentos de medicina preventiva 
surgiram as bases do movimento sanitário, onde suas bases são : 
 1) Movimento estudantil e do CEBS ( Centro Brasileiro de estudos e saúde 
), o CEBES difunde a teoria da medicina social onde a saúde resulta de um processo 
histórico e cultura de determinada população, o lema do CEBES era saúde e 
democracia, ou seja, todos tinham direito à saúde, não apenas aqueles que contribuíam 
para a previdência social. 
 2) Médicos residentes, onde essa luta se deu mais do ponto de vista político 
em relação as relações de trabalho, os residentes reivindicavam melhores condições de 
trabalho, melhores condições nos hospitais para atender aos pacientes. 
 3) Academia, representada pela docência e pela pesquisa e o referencial 
teórico desse movimento sanitário também foi amplamente divulgado e consolidado na 
academia. 
 As propostas da reforma sanitária são : 
 1) Saúde é direito de todo o cidadão, as ações de saúde tem que está 
integradas em um sistema único, ou seja, não poderia existir divisão entre ações 
preventivas e ações curativas, como nós tínhamos ( Mais tarde viria a ser o SUS ). 
 2) Descentralização da gestão – Estado, município, união são responsáveis 
pela saúde e Participação da população nas propostas de saúde local. 
 As propostas da Reforma Sanitária foram defendidos na 8ª Conferência Nacional de 
Saúde. Essa foi a primeira conferência nacional que teve a participação de técnicos da 
área, gestores e da sociedade civil organizada, nas anteriores não existe a participação 
da sociedade, ou seja, nessa 8ª existiu uma democratização maior. Essa conferência 
ficou marcada pois foi a partir dela que ficou discutido o que mais tarde viria a ser o

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.