PONTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO GOVERNO DILMA
49 pág.

PONTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO GOVERNO DILMA


DisciplinaContabilidade de Custos16.770 materiais458.470 seguidores
Pré-visualização19 páginas
PONTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO GOVERNO DILMA-PT
Este artigo pretende resgatar os pontos positivos do governo petista da Sra. Dilma, bem como, e sobretudo, apontar os pontos negativos que, por avaliação majoritária do povo que foi às ruas, deram o embasamento necessário para que a Câmara dos Deputados atendesse, democraticamente, os pleitos das ruas.
Façamos um quadro com os pontos positivos e negativos, lado a lado, envolvendo todos os 13 anos de governo petista.
	PONTOS POSITIVOS
	PONTOS NEGATIVOS
	Programa Bolsa-Família
	Estelionato eleitoral (Eleições de 2014).
	Programa Minha Casa, Minha Vida
	Tentativa de Imposição da Ideologia de Gênero.
	Programa Luz Para Todos
	Defesa do Aborto.
	Novas Universidades e Escolas Técnicas
	Pedaladas Fiscais e Gastos Exorbitantes: rombo orçamentário
	Programa FIES
	Aparelhamento do Estado e de suas instituições (Ver no Sesi, por exemplo: http://goo.gl/hFwqVc)
	Regimes de Cotas para universidades
	Tentativa de censura da Imprensa.
	Carta Branca para a Polícia Federal
	Mentiras e mais mentiras: Distorção da realidade (Ver um exemplo: http://goo.gl/C0XHcU)
	
	Tarifas congeladas artificialmente (energia, por exemplo)
	
	Inflação em disparada: de 6,41%, em 2014, para 10,67%, em 2015 (Ver: http://goo.gl/P9Tcmx)
	
	Desemprego como nunca: 11,4 milhões de brasileiros; 11,2% ! (Ver: http://goo.gl/MqJ6Cw)
	
	Recessão econômica: milhões de empresas fechadas.
	
	Presidente sem diálogo político, efetivo, com o Congresso.
	
	Impotência para lidar com a crise político-econômica.
	
	Incapacidade de manter sua base aliada: ruptura com o PMDB.
	
	Corrupção na Petrobras, na Eletrobras, na Eletronorte, na Eletronuclear, etc. (Ver: http://goo.gl/5IwAWL; http://goo.gl/VcuVq7)
	
	Programa Mais Médicos.
	
	Perda de Refinarias da Petrobras para a Bolívia de Evo Morales. (Ver: http://goo.gl/hlJtFI)
	
	Investimentos, com cláusula \u201csecreta\u201d, no porto Mariel, de Cuba pelo BNDES, à Odebrecht: 682 milhões de dólares! (Ver: http://goo.gl/WHpBAH)
	
	Investimentos de 12 bilhões de dólares em empréstimos a obras no exterior, pelo BNDES, sem acompanhamento do TCU. (Ver:http://goo.gl/WHpBAH)
	
	Contas da gestão Dilma 2014 rejeitadas pelo TCU. (Ver: http://goo.gl/sJrbe4)
	
	Suspeitas de manipulação (sumiço) pelo TSE de relatórios técnicos internos sugerindo reprovação de contas de Lula, em 2003, e de Dilma, em 2010. (Ver: http://goo.gl/RX5ItJ)
	
	Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil têm lucro reduzido. (Ver BB: http://goo.gl/7HiLVc)
	
	
A continuar...
Primeiro mandato (2011\u20132014)
Diplomação
A presidente eleita e seu vice-presidente, Michel Temer, foram diplomados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em solenidade realizada no dia 17 de dezembro de 2010, às 17 horas, na sede do TSE, em Brasília, com a presença de 250 convidados, entre parentes e políticos. Dilma disse que iria "honrar as mulheres, cuidar dos mais frágeis e governar para todos". Os diplomas foram confeccionados na Casa da Moeda do Brasil.[8]
Este é o teor da diplomação:[9]
	\u201c
	Pela vontade do povo brasileiro, expressa nas urnas em 31 de outubro de 2010, a candidata pela coligação Para o Brasil Seguir Mudando, Dilma Vana Rousseff, foi eleita presidente da República Federativa do Brasil. Em testemunho desse fato, a Justiça Eleitoral expediu o presente diploma, que a habilita à investidura do cargo perante o Congresso Nacional no dia 1 de janeiro de 2011, nos termos da Constituição.
	\u201d
Posse
Ver artigo principal: Posse de Dilma Rousseff em 2011
Dilma Rousseff discursa no Congresso Nacional do Brasil como presidente.
Dilma Rousseff tomou posse como Presidente do Brasil em 1 de janeiro de 2011. O evento - que foi organizado pela sua equipe de transição, pelos Ministérios das Relações Exteriores e Defesa e pela Presidência da República[10] - foi aguardado com alguma expectativa, visto que ela se tornou a primeira mulher a presidir o país. Figuras femininas importantes na história do Brasil foram homenageadas com painéis espalhados por todo o Eixo Monumental.[11] De acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal, em torno de 30 mil pessoas compareceram ao evento.[12]
Dilma Rousseff recebe a faixa presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva em 1 de janeiro de 2011.
Até 21 de dezembro de 2010, a editora do Senado tinha impresso 1 229 convites para a posse de Dilma Rousseff.[13] O Congresso Nacional recebeu um total de 2 mil convidados para a cerimônia.[13] Conforme relatado pela imprensa, entre 14 e 17 chefes de Estado e de governo confirmaram a sua presença.[14][15] Entre eles estavam José Sócrates,[16] Juan Manuel Santos, Mauricio Funes, Alan García, José Mujica, Hugo Chávez, Álvaro Colom, Alpha Condé, Sebastián Piñera, Evo Morales[14] (mas não pôde comparecer devido a protestos de última hora em seu país) e Boyko Borisov. O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, enviou a Secretária de Estado, Hillary Rodham Clinton, para representá-lo.[14][17] o ex-primeiro-ministro do Japão, Taro Aso, também participou da cerimônia.[14]
Além da cerimônia formal, a posse de Dilma Rousseff também contou com apresentações de cinco cantoras brasileiras: Elba Ramalho, Fernanda Takai, Zélia Duncan, Mart'nália e Gaby Amarantos.[18] O Ministério da Cultura organizou a parte cultural do evento, com um orçamento estimado em 1,5 milhão de reais.[18] Os concertos começaram às 10h00 e terminaram às 2:00 horas, com o início da cerimônia oficial. As apresentações continuaram entre 6:00-21:00. Rousseff não participou, já que ela realizou uma recepção no Palácio do Itamaraty para as autoridades estrangeiras que participaram da cerimônia de posse. Cada autoridade estrangeira teve a oportunidade de falar com ela por 30 segundos.[19]
Características
"Presidenta"
O Brasil foi o primeiro país de língua portuguesa a ter uma mulher eleita para um cargo de chefe de Estado (embora Carmen Pereira tenha exercido interinamente a presidência de Guiné-Bissau, entre 14 e 16 de maio de 1984).[20][21][22] A norma culta da língua portuguesa aceita as duas grafias \u2013 presidente e presidenta \u2013 como corretas e aceitáveis.[23][24][nota 2] Ainda em 1889, o Novo Dicionário da Língua Portuguesa de Cândido de Figueiredo utiliza o termo "Presidenta" significando mulher que preside[26] e outros dicionários também o seguem, por exemplo, de acordo com o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, \u201cpresidenta\u201d é o feminino de presidente, embora seja menos usual. Já o Dicionário Aurélio[27] afirma que a palavra pode ser usada no masculino e feminino, apontando \u201cpresidenta\u201d como \u201cesposa do presidente\u201d ou \u201cmulher que preside\u201d. O Moderno Dicionário da Língua Portuguesa Michaelis e o Dicionário Brasileiro Globo[28] também atribuem a mesma significação que o dicionário Aurélio.
Dilma afirmou preferir ser tratada pela forma flexionada feminina "presidenta",[29] mas desde sua eleição não houve posicionamento oficial a respeito do tema, o que gerou certa confusão. Os meios de comunicação não estabeleceram qualquer padronização, mas, a despeito da manifestação de Dilma, uma parcela considerável dos jornais, revistas e blogs tem preferido utilizar o vocábulo presidente,[30] que é aplicável aos dois gêneros.
Economia
Foto oficial da presidente Dilma Rousseff e do vice-presidente Michel Temer com os 37 ministros empossados, 1 de janeiro de 2011
Logotipo e slogan, País rico é país sem pobreza, do primeiro mandato de Dilma Rousseff
Alexandre Tombini
A gestão Dilma Rousseff iniciou-se dando seguimento à boa parte da política econômica do Governo Lula.[31] O novo governo começou com a saída de Henrique Meirelles da presidência do Banco Central, depois de oito anos à frente da instituição.[32] Para o lugar de Meirelles, foi escolhido o ex-diretor do BC Alexandre Tombini, que, em discurso de posse, defendeu um sistema financeiro sólido e eficiente como condição para crescimento sustentável.[33] Para outro local de destaque da equipe econômica do governo, o Ministério